Pular para o conteúdo principal

Casa sede da fazenda Duas Barras.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Próxima imagem: Ermida São Domingos da Barra em Minas Gerais.
Imagem anterior: Pôr do Sol em Carmo da Cachoeira, MG.

Comentários

projeto partilha disse…
Próxima ao Rio Ingaí, é uma das mais antigas Fazendas da região. Tão antiga como a Fazenda da Ponte Falsa, cujas origens levaram-nos aos pais de dona Ana Tereza de Jesus - Manoel Alves Pedrosa e de dona Maria da Assunção. Ana Tereza casou-se com Antonio Dias de Gouveia e moraram na Fazenda PONTE FALSA. A Fazenda da Barra se mostra muito interessante ao visitante. Caminhos terrestres e marítimo e a arquitetura do prédio conta-nos a história de um ponto de encontros, paradas, convergência e redistribuição, enfim, ponto comercial. Uma descendente direta de Antônio Dias de Gouvêa/Gouveia se uniu, por laços do casamento a família da FAZENDA DA BARRA.
Um trabalho muito interesse poderá nos auxiliar na compreensão da dinâmica dos tempos coloniais. Patrícia Falco Genovez, da Universidade Vale do Rio Doce. Núcleo de Estudos Históricos e Territoriais (NEHT/Univale), em seu trabalho OS BARÕES E OS TRILHOS: A Estrada de Ferro União Mineira e os Laços de Sangue na Zona da Mata de Minas Gerais, está disponibilizado em http://www.cedeplar.ufmg.br/seminar

"Atrelando-se ao grupo Valadão, encontra-se os Soares de Gouveia Horta, os Xavier da Veiga, os Vilhena e os Almeida Magalhães. Na família Gouveia Horta, um importante clã mineiro, com ramificações entre os DIAS DE GOUVÊA E OS HORTAS,, destacamos alguns membros que tiveram inserção tanto na política quanto na nobiliarquia: José Feliciano Dias de Gouvêa, Cavaleiro da Ordem da Rosa, em 14 de março de 1885; ANTÔNIO DIAS DE GOUVÊA, Cavaleiro da Ordem da Rosa, em 16 de outubro de 1855; e, José Dias de Gouvêa, segundo Barão de Alfenas, em 7 de novembro de 1882".
O Projeto Partilha incorporou este magnífico trabalho na bibliografia que apoiou este trabalho, ora disponibilizado com o nome de PROJETO PARTILHA.
projeto partilha disse…
José Geraldo Begname, no relatório de número 6 - 10/2006 informa o seguinte, de acordo com o que foi solicitado pelo Projeto Partilha:

- Assunto: atividades de pesquisa desenvolvidas no Arquivo Eclesiástico da Arquidiocese de Mariana (AEAM).

- Livro de Devassa Z-13 - 1800.
Lavras do funil, fl.179-187:
Visita realizada em 12-09-1800 no arraial de Santa Ana das Lavras do Funil.
Visitador:
Secretário: Pe. Manoel Araújo Nunam Pereira
Visitou a pia batismal, etc ... (...)
Testemunhas inqueridas:
- Cap. João de Deus Álvares de Azevedo.

- Ten. Francisco Xavier de Mesquita.

- Cap. José Francisco da Cunha.

- Ajudante Francisco Gonçalves Azevedo.

- Cap. Silvestre José Freire.

- João da Silva Ribeiro.

- Ten. Coronel Joaquim José Freire.

- Alferes Francisco José Palhares.

- Cap. José Álvares de Figueiredo.

- Licenciado Joaquim Ribeiro Rosa.

- Manoel Machado Curvello.

- Guarda mor João Pereira de Andrade.

- Antonio Justiniano Monteiro de Queirós.

- Manoel José de Faria.

- Antonio Gomes da Cruz Arão.

- Manoel Teodoro de Souza.

- João Ferreira da Cruz.

- Tenente e guarda mor Salvador Borges Bruno.

- Antonio José Ferreira Neto.

- Joaquim Álvares Ferreira.

- Alexandre Álvares Ferreira.

- Marcelino Álvares Ferreira.

- José Álvares Ferreira.

- Alferes Thomé Ignácio Botelho.

- José Francisco Morato.

- Cap. Manoel Araújo Teixeira.

- Cap. José Manoel de Oliveira.

- Thomé Rodrigues da Costa.

- Luiz Antonio de Souza.

- Joaquim Francisco.

Ouvidas as pessoas acima, foram denunciados os seguintes nomes:

- Domingos Pires e,

- uma filha de José Francisco Passos.

- Antonio Gonçalves, e

- uma filha de Ana Cardosa.

- Gonçalo Pereira, e

- uma filha de Antonio Caetano.

- Francisco José e Maria Vitória.
projeto partilha disse…
Errata. Tipo de erro conceitual, no primeiro comentário de hoje em, "Caminhos terrestres e Marítimos...". Marítimo deverá ser substituido "pelas águas". A referência não é em relação ao mar, e sim aos rios da região. Pedimos desculpas pela incorreção e solicitamos os devidos reparos por parte do administrador da página.
projeto partilha disse…
A foto foi realizada por Evando Pazini, no ano de 2006 e mostra a casa, vista pelos fundos. A fazenda ostenta infindáveis muros de pedra. O acesso pela parte frontal se faz por uma alameda de palmeiras. A Capela da fazenda era dedicada a São Domingos, seu sino está hoje no Distrito do Palmital do Cervo. Os registros eclesiásticos correspondentes a "Barra de São Domingos", ou simplesmente "Fazenda da Barra" do século XVIII, estão arquivados em Lavras, Minas Gerais. Existe também o livro específico para a Fazenda vizinha desta, a FAZENDA FARIA ou "DO FARIA".
A Antiga Capela da fazenda foi demolida, e a atual é muito singela. Seu padroeiro não é mais São Domingos.
projeto partilha disse…
A ponte que dá acesso a antiga sede da Fazenda da Barra e mostrada na foto acima, para os que a procuram a partir de Carmo da Cachoeira, está em estado precário e sem segurança para a passagem com veículos motorizados. Quando lá estivemos fizemos o trecho a pé. Ousamos olhar os pilares de sustentação da referida ponte, e nos propusemos a não arriscar. Foi muito bom, aliás, acompanhamos os belíssimos muros em pedra, tendo a oportunidade de realizar um voo ao passado e sentir um pouco a história do lugar. Silêncio e respeito foi o tom dado ao trabalho deste dia. Destas atitudes emergiram um forte sentimento de gratidão áqueles que nos longíquos tempos do Brasil colonial formaram a base da sociedade cachoeirense.
projeto partilha disse…
"O olho vê, a memória revê ... e a imaginação transvê".
Manoel de Barros.
Anônimo disse…
Interessantíssima casa, lembrando casas bandeiristas, com a varanda no meio entre presumivelmente a capela e um quarto de hóspedes, linda casa, nunca tinha visto, parabéns pelo site. A casa ainda existe?

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…