Pular para o conteúdo principal

Antiga Ermida de São Domingos da Barra, Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Próxima imagem: Os fundos da Casa Nova dos Rates.
Imagem anterior: Ermida São Domingos da Barra em Minas Gerais.

Comentários

projeto partilha disse…
Desenho realizado pelo artista plástico MAURICIO JOSÉ NASCIMENTO, em tinta nanquim (português brasileiro) ou tinta da China (português europeu). Este um dos trabalhos realizados e expostos pela Paróquia Nossa Senhora do Carmo, por ocasião das comemorações de seu Sesquicentenário, no ano de 2007. A maioria das centenárias fazendas foram registradas através da mesma técnica pelo artista. Assim que o pesquisador encerrava suas buscas, a tela era trabalhada com muita habilidade por Maurício. O acervo pertence a Paróquia de Nossa Senhora do Carmo, guardiã desta preciosidade histórica. Uma das salas da Igreja Matriz Matriz - a Sala Cônego Zequinha, mantém exposição permanente de algumas de suas telas, em óleo. Duas delas de relevante valor histórico: a Antiga Igreja Barroca, contada em verso e prosa pelo Pe. Antonio de Oliveira Godinho, e a outra a primeira casa do Carmo da Cachoeira dos Rates - residência de MANOEL ANTONIO RATES (Rattes/Raty/Ratti/Rattis) e sua família. Era construída junto a Vargem das Boiadas, no Ribeirão da Capetinga (Capitinga) ou Ribeirão do Carmo. Aos fundos da casa sede do Sítio Cachoeira, uma bela cachoeira formada pelas águas do referido ribeirão. Os registros nos contam que isso ocorreu por volta de 1770.
projeto partilha disse…
Imagens anteriores nos mostram tomadas atualizadas, tanto da casa sede da Fazenda da Barra, como da capela reconstruída e outros moldes. Hoje, integram-se, na mesma tela, a vista da casa pela parte dos fundos e a Capela de São Domingos, cujo sino está hoje na Igreja do Palmital, próximo desta, e local onde aglutina maior número de pessoas. Palmital é Distrito de Carmo da Cachoeira.
projeto partilha disse…
O historiador, pesquisador e professor José Geraldo Begname consultou no Arquivo Eclesiástico da Arquidiocese de Mariana (AEAM), 22 Livros de Devassa. Neles existem registros dos termos de admoestação e de visitas e testemunhos. No Livro de Devassa 1726-1743, fl.38 o registro da Visita e Termos de Admoestações em São Miguel do Mato Dentro. Para o Projeto Partilha este ato tem significação especial. Próximo a Cachoeira de São Miguel em Mato Dentro, mais especificamente, em Catas Altas do Mato Dentro temos a família "DE RATES" (Rattes/Rattis/Raty). Eram artistas/artesãos, portanto, habilidosos no trabalho em detalhes.
projeto partilha disse…
Lembrando que a Cachoeira de São Miguel é também denominada "Três Barras", assim, trocando em miúdos, pode-se entender como entroncamento, cruzamento. De forma indireta lembra-se no comércio, de tropeiros, de boiadeiros, enfim, de dinamismo.
projeto partilha disse…
Ao falar em Ângela de Moraes Ribeiro (Ribeira/Morais), por ser a mãe de José Joaquim Gomes Branquinho, do Distrito do Carmo da Boa Vista de Lavras do Funil e numa linha genealógica chega-se a um dos primeiros povoadores do Arraial dos Raposos, Pedro de Moraes Navarra. A linha a ser seguida passa pela mãe de dona Ângela, dona Teresa de Moraes, por seus avós, Francisca de Macedo e Moraes e Antonio Vieira Dourado, e seus bisavós, Coronel Carlos de Moraes Navarro e dona Maria Raposo, filha do bandeirante Antônio Raposo Tavares e dona Beatriz Furtado de Mendonça. Irmão de dona Francisca, portanto Tio-avô de Ângela de Moraes Ribeiro, o capitão Pedro de Moraes Navarro, casado com dona Ana Moreira de Godoy, filha de Gaspar de Godoy Moreira, irmão de João de Godoy Moreira, casado com Eufenia da Costa.
Pedro de Moraes Navarro, sendo pioneiro e povoador do "Arraial dos Raposos", ficava num ponto estrategicamente interessante. "A Capela de Santo Antônio de Mouraria, construída no Arraial Velho de Sant´Ana funcionou como Matriz nos idos de 1711. Através do Arraial Velho de Sant´Ana passava a Antiga Estrada Real ligando a fervilhante Vila Real ao Arraial de Raposos e Minas Gerais de Ouro Preto e Ribeirão do Carmo".

Um site simplesmente encantador é o da Prefeitura Municipal de Sabará - Website Oficial da Cidade - Igreja Santana (Arraial Velho) - Windows Internet Explorer, em
www.sabara.mg.gov.br/

"Uma das mais expressivas figuras de nossa história, senão a maior, Manuel de Borba Gato, foi o primeiro a encontrar ouro às margens do Rio das Velhas, mantendo, por muitos anos, lavra no Arraial Velho de Sant´Ana. Possivelmente, por sua determinação e patrocínio, foi construída a Capela de Santo Antônio de Mouraria, demolida em 1920, na qual, segundo alguns historiadores, Borba Gato teria sido enterrado em 1717".

José Geraldo Begname localizou no Arquivo Eclesiástico da Arquidiocese de Mariana (AEAM), no Livro de Devassa 1733 (segundo), fls.75v., registro de "visita de testemunhos", realizados pela Diocese, na localidade de SANTO ANTÔNIO DA MOURARIA.

No Arraial "Raposos", Termo de admoestação registrado nos Livros de Devassa: - 1726-1743. fl.48;

- 1731 (seg.), fl.02;

- 1738, Livro de Devassa (Z-1), fl.78 - Visita e testemunhos;

- 1800, fls.58, Livro de Devassa (Z-13) - Visita e Testemunhos;

- 1748-1749, fls67, Livro de Devassa (Z-4) - Visita e Testemunhos.
projeto partilha disse…
O Projeto Partilha agradece a Câmara Municipal de Carmo da Cachoeira que, através de seu Presidente, João Donizete Mantovani, enviou ao GAPA - Grupo de Apoio e Proteção aos Animais, carta informativa nos seguintes termos:

CÂMARA MUNICIPAL DE CARMO DA CACHOEIRA.
Rua Antônio de Rezende Vilela, 179 - Centro - CEP 37225-000.


Carmo da Cachoeira, 21 de janeiro de 2009.


A CÃMARA MUNICIPAL DE CARMO DA CACHOEIRA, Estado de Minas Gerais, comunica a Vossa Excelência que, no dia 1 de janeiro do correntes ano, foi empossada a Nova Mesa Diretora para o biênio 2009/2010, ficando assim constituída:

Presidente - Vereador João Donizetti Mantovani.
Vice-Presidente - Vereador José Reis Rodrigues.
Secretário - Vereador Wanderlúcio José da Costa Pinto.

Vereadores:
Arnaldo Francisco Castelhano.
Elias Rosa Ferreira.
Israel Pereira de Souza.
Nilson Roberto Adão.
Renata de Cássia Cunha Chagas.
Tomé Cláudio Mantovani.

Atenciosamente,

João Donizetti Mantovani
Presidente
rui nogueira disse…
POR QUE USAMOS E GUARDAMOS TANTAS COISAS INÚTEIS?

Temos que usar nosso livre-arbítrio para uma evolução. Não podemos ficar ao sabor ou submetidos docilmente aos interesses econômicos, principalmente quando nos afastamos das coisas naturais e que nos beneficiam e às nossas comunidades.
De repente, disponibilizam para os jovens um líquido com sabor artificial de água de coco, numa fórmula cheia de aditivos e conservantes.
Com todas as campanhas ecológicas, seria de bom senso preferir consumir a água de coco natural ou a própria água.
Mas, há a propaganda para divulgar determinado produto - ele tem de ser lucrativo, mesmo não sendo a alternativa mais natural e mais ética.
Rejeite o artificialismo!
Não precisamos tomar líquidos inúteis.
Que mente acanhada! Concordar que fumaça nos pulmões possa ser raro prazer!
O mascar, com ares de ruminante! Com auréola de perfumar o hálito e certeza de estragar os dentes, vemos milhares de pessoas espalhando pedaços de látex, cuspidos em todas as calçadas da cidade. O selo da inutilidade!
Fotos, dezenas de fotos do mesmo evento, das mesmas pessoas, de boca aberta, de boca fechada, rindo, séria, braço para cima, próximas, afastadas, abraçadas, separadas.
Guardar lembranças ... é certo... é gostoso. Como é bom relembrar, mas para que tanto exagero?
As fotografias serão guardadas e, em grande parte, passarão muitos anos sem serem vistas, virando inutilidade esquecida numa gaveta.
Revistas e publicações. Toneladas de papel e tinta em impressos que não trazem nenhuma contribuição para a melhoria humana. Emoções grosseiras, dramas fúteis, exploração da vaidade, exaltação da futilidade, passatempos que apenas embotam a alma humana. Distraem o tempo das pessoas, fazendo-as não dispor de um minuto sequer para o devaneio, o vagar do pensamento, em meditação, no pensar, desenvolvendo a função mais característica do ser humano.
Seja vigilante para não se deixar atrair pelo supérfluo de baixa qualidade. Use o seu senso crítico para selecionar o que pode somar ao desenvolvimento do seu espírito.
Vigie sua mente e sua vida para que elas não sejam saturadas com coisas inúteis.

MASCAR CHICLETE, CUSPÍ-LO NAS CALÇADAS É O SELO DA INUTILIDADE.
francis vilela - o pianista disse…
De - Pablo Neruda
Tradução - Carlos Nejar


NEM A COR das dunas terríveis em Iquique,
nem o estuário do Rio Doce da Guatemala,
mudaram teu perfil conquistado no trigo,
teu estilo de uva grande, tua boca de guitarra.

Oh coração, oh minha desde todo o silêncio,
dos cumes onde reinou a trepadeira
até as desoladas planícies da platina,
em toda pátria pura te repetiu a terra.

Mas nem a intratável mão de montes minerais,
nem neve tibetana, nem pedra da Polônia,
nada alterou tua forma de cereal viageiro,

como se greda ou trigo, guitarras ou cachos
do Chile defendessem em ti seu território
impondo o mandato da lua silvestre.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…