Pular para o conteúdo principal

A antiga chave.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Próxima imagem: Detalhe de uma antiga chave.
Imagem anterior: Os fundos da Casa Nova dos Rates.

Comentários

projeto partilha disse…
Foto de Evando Pazini. Esta tomada mostra a parte posterior da chave, onde o emblema da família não está grafado. TS Bovaris irá mostrar os detalhes em imagens posteriores, no entanto, pelo manuseio, o emblema encontra-se desgastado. A cor vermelha central praticamente sumida. Parece-nos que haverá possibilidade de reconstrução e reconhecimento. As fotos foram feitas com lentes especiais.
projeto partilha disse…
Artur é um residente em Carmo da Cachoeira, no Sul de Minas Gerais, Brasil. Shimani é uruguaia. Artur, Shimani e um grupo de pessoas estão, neste mês de janeiro em Mallorca e enviou de lá correspondência apelativa. O apelo é para que todos, independentemente de credos, religiões, conceitos filosóficos. orem. Orem pelo futuro e pelo Planeta Terra.
O Projeto Partilha se integra a essa comunidade orante e multiplica a informação recebida, lembrando que o que norteia o trabalho dos integrantes do referido projeto são os ensinamentos do Mestre Jesus Cristo e sua voz ressoa com muita força neste momento:
ORAI E VIGIAI ...
ORAI E VIGIAI ...
ORAI E VIGIAI ...
ORAI E VIGIAI ...
ORAI E VIGIAI ...
Cada um fará a sua maneira, os que não tem hábito em orar, poderão fazer silêncio - nobre e eficiente oração, no entanto, buscai todos o Reino de Deus, é o momento e existem irmãos necessitando delas:

PAI NOSSO QUE ESTAIS NO CÉU
SANTIFICADO SEJA O VOSSO NOME
VENHA A NÓS O VOSSO REINO
ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU.

Mallorca, 21 de Enero de 2009.

Queridos hermanos:

Les escribimos Artur y Shimani desde Mallorca, España, donde estamos preparando un Encuentro para los grupos de oración de Europa.

Em la noche del martes 20 de Enero, mientras orábamos en un grupo de siete personas, hermanos de Brasil, Uruguay y España, se proyectó la Jerarquia que conecemos como Mainhndra, en su manifestación de la Virgen de Medjugore, la que transmitió un pedido a todos los orantes del planeta:

Yo, Reina de la Paz, aparecida en esta flecha en Mallorca, he venido a anunciarles un mensaje de paz y de fraternidad.

Quiero decirles a todos mis hijos que oréis durante siete dias, para que el Padre conceda la paz y cese la guerra. Si tenéis fe, sucederá. Este es un trabajo en donde la fé se mostrará en cada uno.

Este mensaje llevadlo a la gran red de orantes que hay en el planeta. Este mensaje llevadlo por escrito al sacerdote de la iglesia de Palma de Mallorca y a los obispos de Brasil, Uruguay y España.
Os pido esto para aliviar los sufrimentos que están aconteciendo en Medio Oriente, donde la guerra querrá iniciarse también en otros países; concédanmelo com devoción.

Necessito que en cada uno de esos siete dias, llamemos a un Arcángel para que purifique y limpie la situción de ese lugar en donde acontece la guerra. A vosotros os pido contemplación, devoción y fe. De esta forma permitiremos que las almas jóvenes que allí viven puedan se resguardadas y protegidas.

Sólo pido que la tercera guerra que he anunciado no se pueda ampliar; necessitamos que las fuerzas oscuras no prevalezcan. Yo con mi rayo impidiendo que avanacen y que crezcan. Los gobernantes están siendo influenciados por un pensamiento opuesto a la Paz, a la Misericordia de Dios y a la Voluntad de Dios.

Todas las almas deberán tener cuidado con lo que pronuncien o decreten, porque esa energia se plasmará.

Seguid unidos orando a Mi Corazón. Estoy entre vosotros y agradezco por haber respondido a Mi llamado.

Como sabemos, este pedido nos incluye a todos, independientemente de credos, religiones o conceptos filosóficos, ya que la paz es imprescindible para la estabilidad y el lfuturo de nuestro planeta.

Invitamos a los que sientem asumir este proceso, unirse en oración.

En unión y paz,

Artur y Shimani.
projeto partilha disse…
O Projeto Partilha ora:


"Pai - Mãe, respiração da Vida,
Fonte do som, Ação sem
palavras, Criador dos Cosmos!
Faça sua Luz brilhar dentro
de nós, entre nós e
fora de nós para que
possamos torná-la útil.

Ajude-nos a seguir nosso
caminho, respirando
apenas o sentimento
que emana do Senhor ...

... Nosso Eu, no mesmo
passo, possa estar com o
Seu, para que
caminhemos como Reis e
Rainhas com todas as
outras criaturas.

Que o Seu e o nosso
desejo, sejam um só,
em toda a Luz, assim
como em toda existência
individual, assim como em
todas as comunidades ...

... Faça-nos sentir a alma
da Terra dentro de nós,
pois, assim, sentiremos a
Sabedoria que existe em
tudo. Não permita que a
superficialidade e a
aparência das coisas do
mundo nos iluda, e nos liberte de tudo aquilo que
impede nosso
crescimento ...

... Não nos deixe ser
tomados pelo
esquecimento de que o
Senhor é o Poder e a
Glória do mundo, a Canção
que se renova de tempos
em tempos e que a tudo
embeleza. Possa o Seu
amor ser o solo onde
crescem nossas ações.

QUE ASSIM SEJA"
projeto partilha disse…
Dona Maria Bernardes da Silva foi casada com Cândido Hermenegildo Branquinho, quarto filho de José Joaquim Gomes Branquinho, portanto, neto de dona Ângela de MORAES Ribeiro (Ribeira/Morais). Maria Bernardes era irmã de Antonio Ribeiro da Silva e de Joaquim Ribeiro da Silva, filha de Antonio Ribeiro da Silva e de dona Maria Joaquina de Góes e Lara. No inventário de sua mãe, no ano de 1824 aparece entre os BENS DE RAIZ, "... terras no Mato Dentro e benfeitorias da fazenda RIO ACIMA, Aplicação de São Gonçalo do Brumado e com terras na Aplicação de Santa Rita ...".

O pesquisador, professor, historiador, José Geraldo Begname, localizou:

- no segundo Livro de Devassa 1734, fl. (não é citada no relatório n.6 - 10/2006, que nos foi enviado), Visita e testemunhos na localidade de CONCEIÇÃO DO MATO DENTRO;

- Livro de Devassa (Z-1) 1738, fl.88, Visita e testemunhos na localidade Rio Acima;

- Livro de Devassa (Z-1 1738, fl.09, Visita e testemunhos na localidade de Itabira (do Mato Dentro). Obs. do Projeto Partilha: no dia 9 de outubro de 1848, através da Lei Provincial n.374, a "Vila de Itabira do Mato Dentro foi elevada à categoria de cidade. Em 1891, Itabira tirou de seu nome a expressão "Mato Dentro";

- Livro de Devassa (Z-4) 1748-1749, fl.111, Visita e testemunhos na localidade de Itabira do Mato Dentro.
projeto partilha disse…
"Cada região da terra tem uma alma sua, raio criado que lhe imprime o cunho da originalidade".
JOSÉ DE ALENCAR - "O Gaúcho".
rui nogueira disse…
CRIANÇAS

Volte os seus olhos para as crianças que são o futuro do mundo.
Com certeza, você cuida delas com amor e carinho.
Cuidar das crianças com desvelo, amor e atenção obriga a algumas observações.
É incrível, mas existe quem não veja as crianças como seres humanos que vão crescer e devem ser preparadas para um futuro feliz, para si e para a humanidade.
Há quem as observe apenas como um mercado para os seus lucros.
É uma tristeza, bem triste, observar uma criança esperneando, chorando e até batendo no pai para que ele compre, nos supermercados, nas padarias e lanchonetes, inúmeras porcarias que não tem nenhum valor nutritivo.
É inaceitável produzirem guloseimas com atrativos para iludir crianças: pirulito que pinta a língua de azul - lógico que há um corante, será totalmente inócuo?; chicles que dão estalos na boca; balas, de baixa qualidade, acompanhadas de miniaturas de plástico sem nenhum valor educativo; cigarro de chocolate, o gostoso chocolate - induzindo que o cigarro é uma coisa boa. Líquidos para matar a sede que são apenas misturas de água, açúcar, sabores artificiais e corantes.
Pai! Pense na sua responsabilidade. Eduque seu filho. Dê-lhe alimentos naturais.
Observe que, além de tudo, todos esses produtos nocivos são importados e, portanto, tiram empregos dos brasileiros e prejudicam as indústrias nacionais.
Comerciante e pai, esqueça um pouco as vantagens pessoais que possa ter em lucros. Venda apenas o que realmente é nutritivo para as crianças.
Cuidar das crianças, com carinho e amor, é protegê-las da ganância de indústrias inescrupulosas.
Ofereça às crianças todas as condições para que tenham um futuro saudável, num mundo bom para todos viverem.


PROTEGER, CUIDAR DAS CRIANÇAS, COM CARINHO E AMOR É DEFENDÊ-LAS DA GANÂNCIA DE INDÚSTRIAS INESCRUPULOSAS.
projeto partilha disse…
João Constantino Pereira Guimarães, irmão de Manuel Constantino Pereira Guimarães, morador no bairro do Lava-pés, um dos extremos de Baependi e pai de Monsenhor Marcos Pereira Gomes Nogueira, foi testemunha de casamento em Baependi. O casamento era de Carolina Umbelina de Paiva, viúva de Joaquim de Oliveira Castro com Vicente Martins da Costa Peixoto, viúvo de Francisca Honória Peixoto Nogueira.
Joaquim de Oliveira Castro era filho de Dâmaso Ribeiro da Silva e Cândida de Oliveira Castro, neto de Felix Ribeiro da Silva e Teresa Mendes do Nascimento. Bisneto do português João Ribeiro da Silva e da paulista Maria Leme da Silva, segundo Silva Leme, 6 , 433, 6-1. O Projeto Compartilhar faz Aporte a referida Genealogia Paulistana, conforme se vê no estudo JOÃO RIBEIRO DA SILVA, casado com Maria BRANCA da Silva.

Ao atualizar os dados, o Projeto Compartilhar possibilitou, através da disponibilização dos dados, o estudo de uma família importante do Sul de Minas. No referido estudo ficaram evidentes os entrelaçamentos através do casamento de famílias de origem portuguesa às paulistanas.
Conferir dos dados no Projeto Compartilhar.

O Projeto Partilha tem desenvolvido seu trabalho e voltado sua atenção a Baependi por vários motivos, um deles, devido sua localização. Lembrando que a Carta geográfica do capitão Inácio de Souza Werneck, 1808, revelada por Basílio de Magalhães e arquivada na Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, entre outras indicações, registra o RIO PRETO, colocando-o na rota de acesso a São João del Rei e daí para Goiás.
Lembrando também que a primeira Sesmaria do lado esquerdo do Rio Paraíba foi doada ao Marques de Baependi, que homenageia sua tia, dando-lhe o nome de Santa Mônica. A segunda sesmaria foi ao Conde de Baependi, que a denominou, "Poço do Rumo".
projeto partilha disse…
(...) E no meio do trono, e ao redor do trono quatro estavam vivos, cheios de olhos antes e atrás, sem descanso noite nem dia, dizendo:

"Santo, Santo, Santo, Senhor Deus Todo Poderoso, que era, e é, e está para vir."

Kodosh, Kodosh, Kodosh, Adonai Eloim.
Kodosh, Kodosh, Kodosh, Adonai Eloim.
Kodosh, Kodosh, Kodosh, Adonai Eloim.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…