Pular para o conteúdo principal

Três Ilhoas e uma explicação necessária.

Quando publicamos os primeiros volumes das Três Ilhoas, deixamos bem claro que as pesquisas de José Guimarães, em sua grande parte, haviam se estendido sobre Antônia das Graças e Júlia Maria da Caridade e que os estudos sobre Helena Maria de Jesus, pelo fato de já ter sido amplamente divulgados por Arthur Rezende no Terceiro Volume da Genealogia Mineira, seriam publicados apenas com suas pesquisas inéditas.

Entretanto, ficou decidido que seriam organizadas essas pesquisas acrescentando-se o trabalho de Miguel de Figueiredo Côrte-Real, A Origem dos Rezendes, e as pesquisas de Monsenhor José do Patrocínio Lefort, Vanderley dos Santos, Roberto Vasconcelos e, posteriormente, Marcos Paulo de Miranda e Maria Marta Amato, de quem, desta última, inserimos ainda, além de outras pesquisas e com sua devida autorização, o Testamento de João de Resende Costa e a Original Açoriana das Três Ilhoas, já pesquisada por José Guimarães e agora confirmada com certidões tiradas dos livros da Igreja Nossa Senhora das Angústias, no Faial, onde ressalta também que as Três Ilhoas tiveram pelo menos dois irmãos: José e Antônio Nunes, nomes também confirmados pelo Sr. Joaquim Caldeira, de Tapiratiba, com diversas certidões extraídas dos referidos livros.

Assim, podemos considerar este trabalho enriquecido principalmente com essas pesquisas atuais que, temos certeza, só se concretizaram com as indicações de 50 anos de caminhos abertos pelo nosso saudoso José Guimarães.

Por muitos motivos alheios a nossa vontade, restringimos-nos a abordar as primeiras gerações de Helena Maria de Jesus.

Pretendemos, ainda sem previsão de tempo, publicar volume exclusivamente dedicado aos adendos e correções. Portanto, agradecemos antecipadamente a todos aqueles que nos enviaram informações com acréscimos ou correções do material já publicado. A todos que direta ou indiretamente contribuíram para esta realização, a nossa gratidão.

Roberto Vasconcellos Martins, Leyde Moraes Guimarães e filhos.
outubro de 1998.


Próxima imagem:
Imagem anterior: Família Junqueira, história e genealogia.

Comentários

Junior Caldeira disse…
Olá pessoal;
É muito importante a nosa busca por nossa genealogia,nossos ancestrais. No início de minhas pesquisas motivou-me a Família REIS,porém pude constatar que tenho sangue dos BRANQUINHO, MEIRELES, RIBEIRO, REZENDE, VILELA E OS GARCIA.
Inclusive de 2 ILHOAS - Júlia e Helena.
Gostaría de obter os exemplares sobre as 3 ILHOAS ?
Alguém podería me ajudar ?
projeto partilha disse…
Oi, Júnior Caldeira. Gratidão por sua participação.
O exemplar que você vê acima foi doado pela dona Leyde ao Projeto Partilha, em 15-08-2006. Ela é a viúva de José Guimarães, o autor, e sua residência é junto a uma das Praças, em Ouro Fino.
Sabemos que o Museu Bi Moreira tem os outros exemplares a que o texto, assinado por Roberto Vasconcellos Martins, dona Leyde e filhos, se refere. Foi aí, em Lavras, que o Projeto Partilha realizou sua busca. Fica no Campus Histórico UFLA. Caixa Postal, 37. Lavras - Minas Gerais. Brasil. CEP 37200-000. Fone (35)3821 8878 e 3829 1205
endereço eletrônico:
musu@ufla.br
Horários de funcionamento
segunda a sexta-feira das 7 às 17 h
Sábados, domingos e feriados das 13 às 17 horas.
www.portalmuseu.ufla.br

Júnior, não se esqueça, que o lado de sua família ligada aos "Branquinhos", além de outros, tem a força dos "MORAES", através da mãe de JOSÉ JOAQUIM GOMES BRANQUINHO, casado na família Reis. Este ramo é muito antigo, e esta ligado aos "Moraes D´Antas" tradicionalissimo. Este ramo se entrelaçam também, ao nativo da terra. Assim, não se esqueça: ainda não nos aprofundamos estudos na linha materna de dona Andreza, os "Pereira da Silva". Será que aí poderemos encontrar o abençoado sangue dos originais da terra - "gente de cabelo ...)". Seria uma benção, você não acha?
Você viu o passo dado pela FAMÍLIA NAVES, através de Abilon? Está num dos artigos de hoje, e aí tem gente nossa. Aliás, a pessoa que ele conseguiu ligar a sua busca foi moradora bem próxima de suas terras, próximo ao Bairro do Espraido, e ele foi casado na FAMÍLIA REIS.
Apareça mais vezes. É sempre muito agradável recebê-lo.
projeto partilha disse…
JACINTA GARCIA LEAL, descendente de Januário Garcia Leal, A MUSA inspiradora do Visconde de Taunay.

Cf.: http://www.babylon.com/definition/Jacinta_Garcia_Leal/Portuguese
projeto partilha disse…
Transcrição de Edriana Aparecida Nolasco a pedido do Projeto Partilha

Tipo de documento - Inventário
Ano - 1820 Caixa - 351
Inventariado - Manoel José da Costa
Inventariante - Antonio José Velho
Local - São João del Rei

Fl.01
Inventário dos bens pertencentes ao falecido Manoel José da Costa de quem é Testamenteiro e Inventariante Antonio José Velho.
Data - 07 de novembro de 1820
Local - Vila de São João del Rei

Fl.02
Diz Antônio José Velho Testamenteiro do Alferes Manoel José da Costa, falecido nesta Vila e morador da mesma sem herdeiros forçados e com Testamento (...)

Fl.04
TESTAMENTO

Em nome de Deus. Amém.
Eu Manoel José da Costa querendo firmar a minha última vontade faço o meu Testamento na forma seguinte:
Sou natural da Freguesia de São Cosme de Genundio(?). Conselho do Maia. Bispado do Porto, filho legítimo de Manoel da Costa e Maria Domingas já falecidos, solteiro e não tenho herdeiros forçados.
Nomeio para meus Testamenteiros em primeiro lugar a Antonio José Velho, em segundo ao Capitão Manoel Moreira da Rocha e em terceiro ao Capitão Antônio José Pacheco (...)
Nomeio e instituo por minha universal herdeira do resto de meus bens a minha comadre Maria Narcisa e na sua falta Ana da Silva, filha desta.
O meu corpo envolto em Hábito Carmelitano (...) será sepultado na Matriz desta Vila (...)

Fl.04v.
(...) este vai escrito a meu rogo pelo Padre João Ferreira Leite e por mim assinado (...)
Vila de São João del Rei, 14 de julho de 1820.

Fl.05
ABERTURA
Aos quinze dias do mês de setembro do ano de mil oitocentos e vinte (...) foi aberto este Testamento com que faleceu Manoel José da Costa (...)

Fl.08
HERDEIRA
01 - Maria Narcisa, e na falta desta a Ana da Silva, filha da mesma.

Fl.08
BENS Dinheiro 03 tachos de cobre
01 machado velho
08 enxadas
03 gamelas
03barris cheios de aguardente
30 barris vazios
06 barris abertos
06 barris de arcos de pau
47 francos de vidros escuros
95 garrafas de vidro
36 panelas pequenas de barro
24 moringas de barro
12 pratos de ouro branco
03 arrobas de ferro velho
03 libras e meia de erva doce
01 libra de pimenta do reino
canela
18 orinóis de louça
08 colchões
01 farda velha usada.

Fl.12
BENS DE RAIZ

Uma morada de casas térreas sita na RUA DO ROSÁRIO desta vila defronte a Cadeia com seu quintal cercado de muro que partem com o Beco por um lado e por outro com a Rua Direita 1:000$000.

.............
- Antonio José Velho foi inventariado no ano de 1828. Foi seu Inventariante - Antonio Maurício de Gouveia.

- no inventário do Capitão Mor Manoel da Costa Villa Bôas e Gama, casado com dona Maria Vitória Joaquina de Freitas, falecido em 13-07-1821, aparece o seguinte: "Declarou ela inventariante haver mais uma propriedade e poço de água na Rua do Rosário", mesma rua onde Manoel José da Costa tem propriedade.

- o segundo inventariante indicado é o Capitão Manoel Moreira da Rocha. Ele aparece em dívidas passivas (50#000), no Inventário de Miguel Garcia Duarte e Bernarda Jesuína da Silva. Aparece também em Dívidas passivas (95$581 no Inventário do alferes João Alves Pedrosa e Maria Fernandes de São José.

- o terceiro Testamenteiro, Capitão Antônio José Pacheco aparece no Inventário do Escrivão da Ouvidoria, Capitão Gregório José Ribeiro, onde estão constituidos 3 testamenteiros: João Baptista Machado; Manoel da Costa Maia e João Antonio Campos. No testamento o seguinte: "Deixo a minha afilhada Francisca Lucinda de Castro, filha legítima de Antonio José de Oliveira Barreto e de dona Ana Joaquina, a qual está presenta na família do Capitão Antonio José Pacheco.
silva lemes disse…
Visite também os registros de meu blog dedicado a alguns dos descendentes de Julia Maria da Caridade, e no caso um ramo da Família Leme(s), até então, pelo que parece desconhecido por outros parentes.

Gilberto Lemes
http://silvalemes.blogspot.com

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…