Pular para o conteúdo principal

Projeto Partilha é homenageado.

Foi com imensa alegria e prazer no coração que Leonor Rizzi (Projeto Partilha - GAPA), recebeu o prêmio "Gente que faz", concedido pelo Clube Tabajara.

Na cerimônia que ocorreu dia 28 de dezembro de 2008 na cede do Clube, foi representada por Luiz Paulo Vilela, que agradeceu em seu nome e dos demais membros do Projeto Partilha, à Diretoria do Club Tabajara por fazer constar na relação de homenageados, nomes ligados a cultura da tão amada e querida cidade de Carmo da Cachoeira.

Comentários

projeto partilha disse…
Errata. Tipo de erro: digitação
A palavra "sede" está grafada com "c", ao invés de "s".
projeto partilha disse…
Uma parte de nossa história poderá estar contida no site NOGUEIRAS DO BRASIL - Um projeto de JOSÉ LUIZ NOGUEIRA - JOANA NOGUEIRA DO PRADO LEME - Windows Internet Explorer
http://www.hploco.com/ihggi/JOANA_NOGUEIRA_PRADO_LEME.html

Dêem uma olhadinha. É muito interessante.
projeto partilha disse…
Luiz Paulo Vilela de Oliveira, estudante cachoeirense, descende da família "OLIVEIRA VILELA". Desde a mais tenra idade manifesta um forte impulso para o conhecimento sobre o passado. Já organizou alguns compêndios. Nele estão registrados dados, e fotos, buscados entre antigos moradores da cidade (familiares ou não).
CF. luizpaulovilela.blogspot.com/
Junior Caldeira disse…
Nada mais justo.
Parabéns Leonor !
Justa homenagem,compartilhamos desta homenagem à vc!
Paz e bem !
leonor rizzi disse…
Júnior Caldeira.
Nossa gratidão. Saibam todos que nossa perspectiva era a de poder colaborar como um elo da grande corrente em busca do conhecimento de nossas origens. Conhecer a história de como surgiu NOSSA QUERIDA PÁROQUIA, e saber quem foi nosso primeiro morador - MANOEL ANTÔNIO RATES, foi a meta proposta para os festejos dos 150 anos da Freguesia do Carmo da Cachoeira. Assim, fizemos nossa parte. O Projeto Partilha pretendeu representar os anseios da sociedade cachoeirense, e começou a construir o presente a ser ofertado - as respostas as perguntas acima. Arregaçou as mangas foi, e continua na luta, assim como você também, Júnior. Aos participantes do Projeto, o ato foi impulsionado como uma resposta e retribuição a demonstração de amor. Amor a esta terra e sua gente. A esta sociedade que nos acolheu com amor, carinho e amizade fora do comum, quando da decisão de aqui fixar residência. Pessoalmente fizemos o que sabemos fazer, pesquisar. Juntou-se a mim, TS Bovaris que, através da arte de seu trabalho, pode iluminar os dados que foram surgindo. E foram se aglutinando forças e energias que alimentavam, diuturnamente, esse nosso ideal. Hoje não estamos sós, temos você, e muitos, muitos outros lutadores anônimos e assim avançamos. Temos convicção de que o comemorar do encontro das informações buscadas, virá como uma grande explosão de alegria. Ninguém ficará de fora, pois cada um fez sua parte como pode. Será uma confraternização universal, favorecida pelo mundo virtual. Continuamos na fé. Vamos saber, sem dúvida, exatamente, onde estão as informações pelas quais buscamos. Feliz ANO NOVO A TODOS.
Luz e Harmonia, hoje e sempre.

Júnior Caldeira. Não se esqueça de ter as mãos no dia primeiro, a relação do nomes que comporão o novo Governo Municipal. Necessitamos dessa relação para poder informar os internautas. O Projeto Partilha estará nas solenidades de posse. Amanhã, postaremos o convite enviado pela Câmara Municipal ao GAPA, e lá estaremos para a transmissão dos cargos.
O Projeto Partilha reafirma os votos de que nova administração seja iluminada, e que, com tranquilidade ela possa conduzir esta barca durante os próximos 4 anos. Que sua equipe seja íntegra e integrada, e que nela se faça presente sempre o BEM COMUM. Sobretudo, que tenha presente a lembrança de que uma cidade é formada de GENTE e seus sentimentos, ideais e expectativas. Que este seja seu lema e seu guia constantes.
projeto partilha disse…
Almanaque Mineiro: Famílias Governamentais - Windows Internet Explorer
"Só e no mais: sem ti, jamais nunca". João Guimarães Rosa.

Artigo publicado na quarta-feira, dia 04 de julho de 2007 e baseado na obra genealógica do Cônego Trindade, traz a seguinte consideração:

(...) entre as 174 famílias (...) que vieram localizar-se na "core area" de Minas Gerais, na área da velha mineração do ouro, apenas 39 procedem de Piratininga: as demais, em número de 135, foram formadas aqui mesmo pelos "homens de calidade" que, no "rush" da mineração, vieram em multidões sucessivas de além-mar, principalmente das regiões peninsulares do Minho, do Douro, dos Trás-os-Montes, da Beira Alta.
Essa boa gente campesina da nação lusa formaria o grosso da população branca de Minas Gerais. Disputou triunfantemente com os piratininganos a posse dos filões auríferos, tornou-se praticamente em seguida a senhora absoluta da Capitania.
projeto partilha disse…
Transcrição de documento por Edriana Aparecida Nolasco a pedido do Projeto Partilha
Ano - 1764 Caixa - 29
Sesmeiro - João Caetano de Abreu
Local - Sítio da ILHA de Nossa Senhora da Conceição da Barra. Termo da Vila de São João del Rei.

FL.01
AUTOS CÍVEIS DE SESMARIA
Data - 14 de março de 1764
Local - neste lugar chamado a ILHA em casas de morada de Francisco Dias da Costa.

Fl.03
CARTA DE SESMARIA
(...) representar por sua Petição João Caetano de Abreu que ele se achava trabalhando com seus escravos em umas terras sitas na Paragem chamada a ILHA, Distrito da Capela da Senhora da Conceição da Barra. Termo da Vila de São João del Rei as quais terras as houvera de JOÃO DE SOUZA LISBOA por as ter arrematado no juízo da Fazenda Real da Vila Rica e partiam as ditas terras com as de André Martins Salvador Rodrigues e os herdeiros do defunto Manoel Gomes Vila Boas (...)

FL.08
AUTO DE MEDIÇÃO E DEMARCAÇÃO
Data - 15 de março de 1764
Local - nas terras concedidas por sesmaria a João Caetano de Abreu.

(...) foi eleito para o lugar do Pião ao pé de uma vala aonde estava o moinho ao lado do Rio e alí meteram um mourão de jacarandá ...

(...) Seguindo o rumo sul por ele mediram vinte e sete cordas que findaram em um espigão de catanduba ao pé de um rego de água que vai para a Lavra do Samambaia e para divisa meteram um marco de pedra (...) confronta este rumo com a sesmaria de dona Quitéria de Almeida, viúva (...).

(...) seguindo o rumo do norte mediram uma corda que findaram na beira do Rio servindo este de marco.

(...) seguindo o rumo do leste por ele mediram nove cordas que findaram no açude da porteira no caminho que vai para a Capela da Conceição da Barra e para divisa meteram um marco de pedra (...) e confronta este rumo com terras de Salvador Rodrigues.

(...) seguiram o rumo este e por ele mediram dezoito cordas que findaram em uma chapada de samambaias que parte com a sesmaria de André Martins (...) e para divisa meteram um pau nativo (...)

Fl.10
TERMO DE CESSÃO
Data - 15 de março de 1764
Local - Sítio da ILHA de Nossa Senhora da Conceição da Barra em casas de morada de Francisco Dias da Costa.
Presente - João Caetano de Abreu
(...) por ele foi dito que da metade das terras desta sesmaria aqui medidas delas fazia cessão e trespasse a seu sócio João de Abreu Coutinho.

*Ambos, João Caetano de Abreu e seu sócio João de Abreu Coutinho tomaram posse em 15 de março de 1764.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…