A prece da poeta e professora Maria Antonietta.


Prece

Senhor,
Eu queria ser trigo!
Ajuda-me a ser trigo!

Que é puro,
Que alimenta,
Que dá a vida,
Que traz felicidade!

Senhor, eu não queria
Ser complicada e tortuosa!

Ajuda-me a ser simples e reta,
"Como uma flauta de bambu,
Que tu possas encher de música!"

Senhor, eu queria desunir!

Ajuda-me a ser ponte,
Que cubra os abismos
E nunca os aprofunde!

Liberta-me, Senhor, do egoísmo,
Do ostracismo,
E o teu Santo Espírito
Em mim infunde.

Não me deixes, Senhor, andar ao léu,
Mas dá-me abrigo,
Em tua sombra, em teu batel!

Não permitas, Senhor, que eu me afaste
E não vá contigo!

Em minha procura,
Faze que eu encontre,
Na noite escura,
A luz que desponta,
No horizonte!

Que eu não me prenda
A uma ilusão,
Que não dá paz
Ao coração!

Que eu não me afaste Do teu rebanho
E, que só me baste
O que eu ganho!

Que eu perceba
A hora em que passas
E, então, eu receba
A tua graça!

Que eu não recuse
O meu amor
A Ti que és
O meu Senhor!

Trecho da obra:
Encontros e desencontros
de Maria Antonietta de Rezende

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próximo Texto: Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.
Texto Anterior: Torres de Babel - uma mensagem pela paz.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.