Padre José Procópio Júnior em Carmo da Cachoeira

Imagem
Paróquia Nossa Senhora do Carmo sob nova guiança Editorial Sai Pe. Daniel Menezes, e assume como administrador paroquial da acolhedora cidade de Carmo da Cachoeira, em fevereiro de 2019, o Pe. José  Procópio Júnior.
"Não cabe à pedra escolher o lugar que deve ocupar no edifício. Assim também não cabe à nós criaturas ditar ao Criador o que deve acontecer em nossa vida, pois Deus é quem sabe e dispõe com sabedoria própria." − Dom Servílio Conti, IMC Como página que observa os acontecimentos neste pedaço de chão mineiro, limitado por montanhas e que, segundo o cachoeirense Padre Godinho, “todas são azuis”, registramos o remanejamento ocorrido entre padres ligados a Diocese da Campanha no ano de 2019. Entre as mudanças encontra-se a Paróquia Nossa Senhora do Carmo/Carmo da Cachoeira – MG.

Sai nosso querido Padre Daniel Menezes. Por ele continuamos a rezar e o devolvemos, entre lágrimas e a esperança de um dia tê-lo entre nós. Somos eternamente gratos e devedores. Entra, aureola…

O Brasil é apenas um - Hino Nacional.

Comentários

Anônimo disse…
A sociedade civil faz sua parte hoje e sempre. Muitos estão de mãos postas e em oração. Outros, de mãos dadas e unidas num ato fraterno e solidário. A argamassa que une este grandioso povo é a do amor fraterno. Ela é integradora em sua essência e, potencialmente, deveria se fazer presente em todos seus integrantes . O ponto de convergência está situado muito, muito mais acima que o patamar onde prevalecem os interesses comuns e materiais. No patamar do falível, atividades que nos põe a prova. Um farto campo para o exercício e crescimento individual e coletivo, onde as tarefas possibilitam a expansão da consciência. Campo pincelado com tons rudes, materiais e utililários e que deverão ser reelaborados, repintados, reformulados. Paula Eduarda - A Duda, é um dos milhões de seres oriundos de níveis mais profundos e altos e que, se dispõe ao duro trabalho de reconstrução de estruturas falidas e arcaicas. Com tenra idade, e a sua maneira contribui para um mundo melhor. Nascida em berço onde está a grande camada populacional trabalhadora, conseguiu manter, sem contaminação o DOM que trouxe consigo. No mais profundo de seu SER sabia que deveria irradiá-lo para o mundo. Começou cedo seu trabalho. DUDA você nos engrandece, nos enobrece e eleva a nossa dignidade de povo brasileiro. Faz, com sua voz, o que muitos poderiam e deveriam ter feito através de suas ações e compromissos assumidos.
Parabéns BRASIL, berço de DUDA e de cada um que, num ato de amor incondicional sentindo o impulso que tocou seu coração, abriu armários. Depositou num dos postos de arrecadação sua contribuição, materiais e imateriais.
LUZ E HARMONIA A TODOS.
Gratidão a TS Bovaris pela escolha e divulgação.
Anônimo disse…
Será que tem sangue da nossa gente, esta BRAVA GENTE?

Cf.: www.joaodorio.com/archive/index. ...
"8-1 Mathias da Silva e Freitas Tavares, nascido em Santos 1721 e batizado 26-07-1721 na Ermida de Santana. Padrinhos: Francisco Tavares Cabral e Inês Corrêa. Viveu em Santos, debaixo do pátrio poder, mostando-se à lei a nobreza. Foi com seus pais para o Arraial de Nossa Senhora do Pilar, Minas, Comarca de Goiás.
XX - Fedícia Xavier Pizarra
9.1 (...) pretendeu tornar-se Familiar do Santo Ofício. Não foi aceito (...)".

Brava Gente Brasileira
Longe vá temor servil;
Ou ficar a Pátria livre,
Ou morrer pelo Brasil.
Ou ficar a Pátria livre,
Ou morrer pela Brasil.

O jornalista fluminense, conhecido como Evaristo da Veiga foi Evaristo Ferreira da Veiga e Barros. Autor do refrão de um hino que, até 1890, foi considerado o hino Nacional brasileiro e hoje é conhecido como o Hino da Independência do Brasil, tem ligações com Minas Gerais.
Quando Rui Barbosa, ao receber o convite para tornar-se membro fundador da Academia Brasileira de Letras assume a cadeira 10, lembra-se de Evaristo da Veiga, e o escolheu como patrono. Evaristo da Veiga foi também Patrono (45) do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais. Além de político, jornalista, escritor era, em sua essência um educador. Essa função, não retratada em sua biografia, é visivelmente retratada na forma como concebia o papel desempenho da imprensa. Dizia que seu papel não era outro senão, o da "instrução".
Na genealogia, em Campanha, Minas Gerais, está o ramo XAVIER DA VEIGA.
Anônimo disse…
Um estudo que nos interessa:

EDUCAÇÃO NÃO - FORMAL

Vejam o trabalho desenvolvido por ANTÔNIO LUÍS DE ANDRADE, sob a orientação de Olinda M. Noronha. Ano 2001, pela Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Educação. Dissertação de Mestrado.

"Das entranhas da terra: Disciplinamento, resistência e luta - breve história sobre a educação e cultura dos trabalhadores da mineração de ouro em Nova Lima - Minas Gerais. Século XIX".

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.