Pular para o conteúdo principal

Nan e um novo milênio.


Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Próxima imagem: Ser forte é respeitar os mais fracos.
Imagem anterior: Pôr-do-Sol na iluminada Carmo da Cachoeira.

Comentários

projeto partilha disse…
Nan fazia parte de uma família moradora no bairro, Pça de Esportes, em Carmo da Cachoeira Minas Gerais. A família teve apoio do Gapa nos momentos em que o NAN necessitava de tratamento. Algumas vezes foi acolhido para recuperação ou quando lhe acometia doença mais grave. Numa dessas ocasiões, quando se tentava salvar sua vida que encontra-se em risco devido a envenenamento, Nan partiu. Estava no soro, no entanto ... ...
Luz e Harmonia a todos.
projeto partilha disse…
Carmo da Cachoeira, no sul de Minas Gerais vive momentos de grande movimentação com o encerramento do ano letivo de 2008 e, do ponto de vista religioso, com a preparação do evento natalino. A Diocese da Campanha, a que está ligada a Matriz de Nossa Senhora do Carmo, enviou-nos a seguinte reflexão que, no fundo, é um impulso à formação de lideranças locais. Está assim colocada:

A PALAVRA VEM ATÉ NÓS

Irmãs, Irmãos,

O Senhor lhe dê a Paz!

A Mãe Igreja nos convida a celebrar o Advento do Senhor. O Deus de bondade criou o ser humano para ser parceiro de sua felicidade. Rompida a aliança, Deus jamais abandonou a humanidade. Continuamente, lhe oferece a sua amizade.
Ao longo da história da salvação, serve-se de lideranças para manter acesa a promessa. Sobretudo os profetas exortam homens e mulheres a confiar: O Deus-conosco vem nos salvar!
João Batista prepara os caminhos do Senhor, pregando o batismo de penitência. Os corações devem estar preparados para acolher o Reino de justiça e paz que vai chegar.
Maria de Nazaré é a escolhida para acolher a Palavra que se se faz carne. Palavra do Pai, gerada desde toda a eternidade, por ela criou os céus e a terra. Na plenitude dos tempos, vem encerrar-se no ventre da Virgem que concebe pelo Espírito Santo e vai dar à luz o Messias Salvador.
Mistério da condescendência do nosso Deus Trindade. Só mesmo Deus pode realizar tal aventura: descer do céu para ser acolhido na terra dos homens! E assim elevar o ser humano à dignidade de filho e filha de Deus.
O Senhor escolhe pessoas simples para se manifestar: os pastores. A eles o anjo anuncia a grande alegria: Hoje nasce para vós o Salvador. E um coro angelical entoa: Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens por ele amados.
Na gruta de Belém aprendemos a lição da pobreza, da simplicidade, da transparência. Ele nos amou e se fez um de nós. No seguimento de Jesus, vamos ser como os pastores: missionários da alegria e da paz, para que todos tenhamos vida!
Nossa Novena de Natal está em suas mãos. Aproveite-a e reúna familiares e amigos para orar e refletir. E reparta com eles o amor solidário de nosso Salvador!
A você que participa envio o meu abraço e a minha bênção.

FREI DIAMANTINO PRATA DE CARVALHO
Bispo da Diocese da Campanha
Campanha, 15 de setembro de 2008.
projeto partilha disse…
A Temática da Novena de Natal deste ano de 2008 contempla o tema, "DISCÍPULOS E MISSIONÁIOS DO REINO"!.
A COMUNIDADE DO SANTUÁRIO DE MÃE RAINHA está fazendo sua parte. Todos os fins de tardes, um grupo representativo reúne-se numa das casas. A líder que funciona como "ANIMADORA", é a SHIRLEY. Ela entendeu a mensagem do Espírito Santo e dispôs a renovar a vocação de missionária do Reino no discipulado da Palavra. A comunidade do Santuário de Mãe Rainha tenta se conscientizar da importância de abraçar juntos a concretização dos esforços durante a celebração do centenário diocesano, e faz sua parte. A "Di" coordena os encontros junto com a Moreira, a Shirley faz o papel de animadora, e todos nós fazemos parte do rebanho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Que a Novena de Natal ajude nossas famílias a celebrar com renovado ardor o nascimento de Jesus Cristo e esse momento único da nossa caminhada eclesial.
A Comunidade de Mãe Rainha deseja a todos Boa Celebração. aFeliz Natal a todos.
rui nogueira disse…
INCENTIVE A DIVERSIDADE.
Não vale a pena diversificar os nossos alimentos?
O PÃO NOSSO DE CADA DIA

A acordar! Iniciar o novo dia!
Nosso corpo desperta e logo reclama a necessidade de energia para o seu adequado funcionamento.
Precisamos da energia química dos alimentos!
Reflita sobre o pão de cada dia!
A primeira refeição. Com é a sua?
Há variedade? Inclui café, leite, frutas, bolos?
É muito resumida em muitas casas ...
A mesa matinal dos brasileiros, principalmente no interior, incluía cuscuz, tapioca, batata doce, cará, melado de engenho, mel de abelhas, queijos de coalho, bolos de mandioca, de milho, banana cozida, uma variedade imensa, de produção local que, ao mesmo tempo, os alimentava muito bem e ajudava os pequenos produtores à sua volta. Vida em CONJUNTO!
A propaganda e os interesses comerciais trocaram esta enorme variedade de alimentos pelo pão de farinha de trigo importada.
Será bem acordar de manhã e ficar dependendo de um alimento que tem de vir de longe?
Qual a conveniência de abandonarmos o cará, a batata doce e até a mandioca - tão extraordinária pelo que pode permanecer viva por meses, enterrada na terra?
Como é bom voltarmos os olhos para os nossos produtos nativos e que os índios já plantavam.
Não é possível fecharmos os olhos às manobras que são feitas para perpetuar o sistema mercantilista colonialista que explora todos os países periféricos. Somos todos seres humanos com necessidades básicas semelhantes, com o direito e o sentido inerente de ser feliz e ter, no mínimo, aquelas necessidades básicas atendidas.
Vamos abrir os olhos!
Empresas transnacionais dominam todos os segmentos da produção e comercialização do trigo. As alternativas nacionais são bloqueadas e a dependência da importação fica muito forte.
Se foi criado o hábito do pão de trigo como alimento matinal e ele faltar, qual será a reação das pessoas?
Se surgirem obstáculos para a importação, até por razões climáticas na origem, teremos fome.
Num conflito de interesses, reter a vinda do trigo pode ser uma maneira vil, mas usada, para impor vontades. Lembre-se: o poder mundial não é exercido por santos ou iluminados, mas por escravos dos lucros.
Vamos fazer valer tudo que há de bom nesta terra abençoada. É muito melhor trabalhar com as plantas nativas, do nosso ambiente, do que ficarmos reduzidos à uma única fonte externa.
Não vale a pena diversificar os nossos alimentos?
Assim, o pão nosso de cada dia estará mais seguramente garantido.
projeto partilha disse…
... desenterrar a história e tentar fazê-la emergir é uma atividade altamente gratificante. Este sentimento "do passado", e aos degraus por eles construídos, o quais alicerçaram e sustentaram o que está hoje posto,torna-se infinito. Acentua-se, com maior força, no período que antecede as festividades natalinas, neste País Ocidental, e em especial aqui em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais.
Anos a fio, e mais um está por se fechar, em que duas perguntas continuam sem resposta embora muitos estejam inseridos na busca:

- Onde estará arquivada a PROVISÃO para funcionamento da Capela e ou Ermida pequenina sob o orago e NOSSA SENHORA DO CARMO, e que hoje se transformou em MATRIZ DE NOSSA SENHORA DO CARMO, em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais? Ela estava em terras da FAMÍLIA DE RATES.

- Quem foi MANOEL ANTONIO RATES/Rattes/Ratis/Raty?, e quem foram seus ancestrais? Qual foi sua história? O que ele e sua família faziam aqui?
Durante as buscas lembra-nos, entre tantas outras coisas, de Gilberto Freyre e seus trabalhos sobre o Brasil Colonial com suas fazendas, senzalas, cemitérios. Sobre este último ponto, Gilberto Freyre, embora tenha se debruçado, deixou obra inacabada, e sem publicação. Poderia nos auxiliar em buscas no que tange ao Morgado da Casa da Torre, da Família Garcia D´Avila. Enfim, partes desta imensa e infindável corrente, cujos elos encontram-se perdidos. Em Gilberto Freyre o Projeto Partilha leu:
"Os negros, é claro não se enterravam envolvidos em sedas e flores, nem dentro das igrejas. Enrolavam-se seus cadáveres em esteiras; e perto da CAPELA DO ENGENHO ficava o cemitério dos escravos, com cruzes de pau preto assinalando as suas sepulturas. Quando eram negros já antigos na casa morriam como qualquer pessoa: confessando-se, comungando, entregando a alma a Jesus e Maria; e a São Miguel, São Gabriel, São Rafael, São Uriel, São Teatriel, São Baraquiel. Arcanjos louros que devem ter acolhido os pretos velhos como São Pedro à negra Irene, do poema de Manuel Bandeira (...)(Freyre, 1933:455).
FREYRE, Gilberto. (1933). Casa Grande & Senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. São Paulo. Círculo do Livro. 1980.

Outro texto consultado foi o escrito por Alderi Souza de Matos, "O Cemitério dos Protestantes de São Paulo: Repouso dos Pioneiros Presbiterianos". Neste lemos:

(...) predomínio do catolicismo no País e do fato de a Igreja Católica ser a religião oficial, os não católicos enfrentaram sérios entraves a longo de boa parte do século XIX. Durante o período colonial não havia cemitérios no Brasil. As pessoas geralmente eram sepultadas sob o piso ou nas paredes das igrejas e dos conventos.
A partir de 1828, por razões de saúde pública, começaram a surgir leis que determinavam a criação de cemitérios municipais, que só começaram a ser usados em 1850. "Nas localidades onde não havia cemitérios, acatólicos (...) por vezes, os sepultamentos tinham de ser feitos no mar, perto das praias, em cemitérios de escravos ou em propriedades particulares". Com o advento da República houve em teoria a plena secularização dos Cemitérios.

MARTA AMATO levantou documentação encontrando Provisão de 2 deles, bem próximo deste território, no século XVIII. Aqui, na CACHOEIRA DOS "DE RATES" havia um cemitério em suas terras/Sítio da Cachoeira. Seria nele que os restos mortais de MANOEL ANTONIO RATES (Rattes/Raty/Ratis, se encontra?
projeto partilha disse…
Reiterando o que coloca MARIA LEÔNIA CHAVES DE RESENDE, no texto, Entradas e bandeira nas Minas dos Cataguases, temos a convicção de que a história de Minas, e em especial do CARMO DA CACHOEIRA DOS RATES esteve intimamente ligada à questão indígena. Aliás, nossa tese é a de que MANOEL ANTONIO RATES e, talvez seu ancestral, viva uma relação fraterna e amistosa com os índios locais.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…