Pular para o conteúdo principal

Leonor Rizzi - Biografia

Itu, uma estância turística do Estado de São Paulo, viu nascer em 2 de fevereiro de 1944 a professora e genealogista Leonor Rizzi, uma descendente de imigrantes italianos da região de Gênova, cujos pais foram o ferroviário Diniz Rizzi e a costureira Malvina Demarqui Rizzi.

Estudou no tradicional Collégio Nossa Senhora do Patrocínio, sob os cuidados das Irmãs de São José de Chambéry¹. Aquele local, assim como boa parte de sua terra natal, é constituída de antigos monumentos arquitetônicos oitocentistas. Sendo também catecista e "filha de Maria".

Casou-se em 1964 com o professor Wagner Pereira da Mota e mudaram-se para a cidade de São Paulo em busca de melhores oportunidades de emprego. Lá ela ingressou no magistério público municipal, lecionando em diversos bairros da capital paulista, mas foi principalmente na década de setenta no bairro de Pirituba, no Paque Infantil Piritubinha², que desenvolveu uma metodologia de ensino própria que deu origem a obra "Atividades Lúdicas na Educação da Criança", feito em parceria com a Professora Regina Célia Cazaux, e publicado pela Editora Ática.

Por vários anos dirigiu a Escola Municipal de Educação Infantil Aluísio de Almeida, onde buscou incentivar a participação da comunidade nos problemas escolares. Graças ao trabalho de voluntários e com a ajuda dos pequenos empresários do bairro, conseguiram ampliar e dinamizar a escola. Neste local começou um trabalho de valorização do patrono da escola, o que lhe fez pela primeira vez entrar em contato com um instituto histórico e genealógico.

Ainda em São Paulo, formou-se em pedagogia pela Faculdade Campos Salles, e após sua aposentadoria escolheu viver na cidade de Carmo da Cachoeira, no Sul de Minas Gerais, onde buscou refúgio a vida agitada da megalópole paulista.

A possível possível reativação do Matadouro Municipal no berço da cidade e a criação de um Centro de Zoonoses, fez com que se uni-se a um grupo que veio a formar o GAPA, Grupo de Apoio e Proteção aos Animais. Inicialmente este grupo conseguiu o arquivamento do projeto do Matadouro e iniciou um trabalho de castração e de posse responsável de animais domésticos. Nos primeiros anos deste século, sob sua presidencia, a associação voltou sua atuação para a educação e conscientização da população para a importância de respeito aos animais.

O ambiente familiar e cultural de sua cidade natal, somados ao trabalho de conscientização feito pelo GAPA, fizeram-na paulatinamente desenvolver um trabalho de pesquisa sobre as origens do povo cachoeirense, originando o blog carmodacachoeira.blogspot.com, hoje a principal referência sobre a história e a genealogia da cidade. Ao seu trabalho uniram-se dezenas de cidadão mineiros interessados no engrandecimento e resgate cultural da região, formando o Projeto Partilha.

Em 2007 fez construir com o apoio da comunidade e autorização do sacerdote, um novo ponto de religiosidade na cidade, um pequeno Santuário Mãe Rainha e Vencedora Três Vezes Admirável de Schoenstatt em Carmo da Cachoeira, local hoje utilizado por diversas pessoas diariamente para suas orações.

1. Congregação das Irmãs de São José de Chambéry no interior paulista, 1889-1930: A Congregação feminina francesa irmãs de São José de Chambéry, exerceu durante a República Velha no interior paulista, considerável influência na organização da cultura, mormente sobre as mulheres. A educação religiosa feminina, principal atividade das irmãs, junto a manutenção de hospitais, creches, orfanatos e asilo para idosos, foram demasiadamente difundidas dentro dos propósitos da hierarquia religiosa católica adepta do ultramontanismo, que possuía um determinado conjunto de valores e posicionamentos em parte não condizentes com os propósitos sócio-culturais do novo sistema político que estava sendo estabelecido, a República. A presente comunicação tem o intuito de elucidar a participação desta Congregação no seio da hierarquia católica e, destacadamente, na formação de uma dada cultura feminina no Brasil relacionada em princípio com os grupos sóco-econômicos dominantes. Fonte: Patrícia Carla de Melo Martins - Unirp Unorp – São José do Rio Preto.
2. Atual na atual EMEI "Profª Olga Maria Germano Martins
Domingos".

Comentários

Leonor,
cliquei na sua biografia para me certificar sua residência,se em Carmo da Cachoeira, ou outra localidade - depois conto o motivo.
O interessante de tudo foi"dar de cara"com uma "patrícia" minha (sou cidadã) e de meu marido, Giovanni Boglione,de Revello(CN),a 50km de Turim.
E eu, coincidentemente,cara Leonor,assim como vc,sou neta de italianos vindos para o Brasil antes da virada do séc.XIX.Minha avó se chamava também Malvina ( e olha que este nome não é comum na Itália), Malvina Banterli( costureira tb,além de cabelereira p/homens),filha de Elisa Poletti e Alessandro Banterli- ela de Verona e ele de Nápoles. Se deslocaram para para este país, com os mesmos sonhos dos seus,melhoria da qualidade de vida,principalmente para os filhos,cujas vidas seriam em breve "honradas"com as armas da Pátria em guerra entre as naçõe; o adeus à Velha Pátria fazia-se necessário, como a centenas de milhares de italianos naquele mesmo período abandonaram a Itália!...o Porto de Santos e ... cada um para o lado que lhe aprouvesse... Vieram para o Sul de Minas e se firmaram em Dores da Boa Esperança.
Minha avò muito alegre, habilidosa com qualquer instrumento, piano, bandolim, harpa, acordeon etc... logo se casou - conquistou o marido de imediato, fácil, não lhe parece? com tantos meios de sedução a lhe favorecer?!... com Júlio César de Lara Silva(Família Bernardes de Lara de Carmo do Rio Claro),construtor,responsável por inúmeras antigas residências( luxuosas),hoje tombadas pelo Patrimînio Hist.da Cidade;e minha avó com seu atelieur de costura, além da criação de modelos da moda,belos vestidos em cetim de seda rebordados inteiros c/sotacho,muito usados pelas grandes damas da época.Sua auxiliar direta era Hermínia,a irmã mais velha,sempre atenta às "ordens" de minha avó sempre muito orgulhosa de suas obras de arte!Ainda havia o tio Hugo Banterli c/c Adelaide Freire, tia de Nelson Freire e prima de Newton Freire Maia,o grande cientista brasileiro, meu tio porque casou-se com a irmã caçula de meu pai, Flávia Naves Freire Maia.
Pois é,meu pai era José Lourenço Leite Naves, farmacêutico,poeta e prefeito por 2 mandatos,c/c Eunice Baterli Silva Naves.
E meu pai, caros Leonor e TS Bovaris,integra uma das grandes ramificações de um único tronco: João Naves Damasceno e Anna Vittoria de S.Tomé,onde tb estão o Abilon,o Nilson e tantos outros...Vcs nem podem calcular quantos!?!...
Bom, resido em Belo Horizonte c/meu marido e 1 filho, Stefano Naves Boglione,em junho próximo, advogado,como a mãe e pela mesma Universidade,a PUC, Pont.Univ.Cat.de M.Gerais.
Sou Dorense,como vcs podem perceber,pois, para meu pai "ser dorense"já traduzia uma honrosa qualidade!
Agradeço-lhes de coração pela alegria da recepção-tão raro nos dias atuais.
Se tudo hoje significa uma caixa de surpresa ( não é assim que comentam os "cumprades" e as "cumadres"? Terei sido premiada por vcs dois,e tão pertinho da minha terra,sutilmente,plantada aos pés da linda Serra!!!...
E lembre-se minha amiga, já nascemos com "gen" da Vitória...Paz para vocês!
Meu carinho,um beijo e muito sucesso SEMPRE!
Maria Eunice Naves
Meu e-mail: eunicenaves@terra.com.br
Baci !
Carlos Alberto Caldeira disse…
Parabéns Dona Leonor pela linda biografia e principalmente pelo teu exemplo de cidadania.Um grande abraço de seu amigo.
Anônimo disse…
Boa noite Leonor,

Vi um comentário seu no blog do Roberto Superconsignado, que me remeteu até aqui. Pergunto-lhe se sabe alguma coisa sobre as origens de Ribeirão Vermelho, como primeiros habitantes, fazendas, etc. Se puder entrar em contato comigo meu e-mail é mto1962@terra.com.br
Grato, Marcelo Teodoro
Patrícia Mares Guia disse…
Leonor,

Em primeiro lugar queria dar-lhe os parabéns pelo seu trabalho. Chamo-me Patrícia Mares Guia e sou bisneta de Luis Galvão Corrêa. O "médico dos pobres" de Carmo da Cachoeira. Tenho muita curiosidade de conhecer as descendências do Vô Luis(z).Graças à sua pesquisa, tenho hoje, os nomes dos pais , dos irmãos e data de falecimento. O destino uniu-me a Portugal; Sou casada com um português e pretendemos fazer uma trabalho de pesquisa no próximo agosto em Portugal.Não consegui encontrar o nome da terra onde nasceu meu bisavô. Sei que é da região de Trás-os Montes, mas essa é uma região muito grande. Portanto procuro informações de nome de cidade por onde possa ter passado ou vivido. Agradeço qualquer informação. Hoje fiquei sabendo que vô Luis era muito amigo e conterrâneo de "Seu Valadas", não encontrei nenhuma referência a essa família em Carmo da Cachoeira. Meu email é patricia_mguia@yahoo.com.br
Agradeço antecipadamente. Um abraço; Patrícia
Anônimo disse…
Sra. Leonor,
Sou do Rio de Janeiro, faço pesquisa genealógica, descendente de italianos, austríacos, ..., e um ramo da família brasileira encontrei na Paróquia de Carmo da Cachoeira, uma certidão de casamento dos meus tetravós: Casimiro José Eduardo e Anna Francisca de Jesus do Nascimento, casados na Ermida dos Terras em 24 de junho de 1871. Até conhecer seu blog hoje, nunca tinha encontrado nenhuma referência a tal "Fazenda e Oratório dos Terras". Poderia me ajudar a encontrar algum documento dessa fazenda, onde talvez exista alguma certidão de batismo desses meus tetravós, só assim poderei continuar minha pesquisa. Aguardo seu contato: rodandrian@yahoo.com.br
Agradeço sua atenção.
Rodrigo.
MarceloT. disse…
Olá Leonor,
Vi no blog Família Rattes um comentário seu a respeito da Fazenda Porto Alegre em Ribeirão Vermelho. VOcê tem alguma informação sobre ela e a família de Ana Custódia do Nascimento ?
Grato,
Marcelo Teodoro
mto1962@terra.com.br
TS Bovaris disse…
Prezado Senhor Marcelo Teodoro,


Conversei com a Profª. Leonor a respeito de seu questionamento e ela sugeriu que o senhor procure o historiado Salviano da cidade de Ribeirão Vermelho. Pede ela tambuém que lhe diga que no blog www.carmodacachoeira.net existem vário dados que podem lhe ajudar. Lhe envio um link que pode lhe ajudar na busca:


Ribeirão Vermelho: http://www.google.com.br/#sclient=psy-ab&hl=pt-BR&rlz=1R2GPCK_pt-BRBR419&source=hp&q=%22Ribeir%C3%A3o+Vermelho%22+site:carmodacachoeira.net&pbx=1&oq=%22Ribeir%C3%A3o+Vermelho%22+site:carmodacachoeira.net&aq=f&aqi=&aql=&gs_sm=e&gs_upl=2305l20113l0l20471l47l46l1l0l0l0l590l11049l2-32.7.1.1l42l0&rlz=1R2GPCK_pt-BRBR419&bav=on.2,or.r_gc.r_pw.r_cp.,cf.osb&fp=d80edc2b7e0980f8&biw=1601&bih=865
Cátia Primon disse…
Oi Le,
desculpe-me por utilizar este espaço, mas foi a única maneira que encontramos para entrar em contato com você. Hoje, seu aniversário, gostaríamos de te desejar muita paz e saúde! Não conseguimos contato por telefone, estamos muito preocupados, por favor nos envie notícias.
Grande beijo,
Cátia, Suelí, Alvaro e Paulinho.
e-mail: catiaprimon@uol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…