Padre José Procópio Júnior em Carmo da Cachoeira

Imagem
Paróquia Nossa Senhora do Carmo sob nova guiança Editorial Sai Pe. Daniel Menezes, e assume como administrador paroquial da acolhedora cidade de Carmo da Cachoeira, em fevereiro de 2019, o Pe. José  Procópio Júnior.
"Não cabe à pedra escolher o lugar que deve ocupar no edifício. Assim também não cabe à nós criaturas ditar ao Criador o que deve acontecer em nossa vida, pois Deus é quem sabe e dispõe com sabedoria própria." − Dom Servílio Conti, IMC Como página que observa os acontecimentos neste pedaço de chão mineiro, limitado por montanhas e que, segundo o cachoeirense Padre Godinho, “todas são azuis”, registramos o remanejamento ocorrido entre padres ligados a Diocese da Campanha no ano de 2019. Entre as mudanças encontra-se a Paróquia Nossa Senhora do Carmo/Carmo da Cachoeira – MG.

Sai nosso querido Padre Daniel Menezes. Por ele continuamos a rezar e o devolvemos, entre lágrimas e a esperança de um dia tê-lo entre nós. Somos eternamente gratos e devedores. Entra, aureola…

O Capitão Mateus Luis Garcia segundo Miranda.


Como nós já temos conhecimento, Domingos José Garcia é um dos filhos de dona Francisca Maria de Jesus, filha de José Martins Borralho e de Teodora Lima, falecida em 1819. A meação do viúvo, capitão Matheus Luiz Garcia, décimo quarto filho de Diogo Garcia e Júlia Maria da Caridade, importava em 7:217$137. O capitão Matheus Luís Garcia sobreviveu à mulher durante cinco anos. Faleceu aos 2 de outubro de 1824, na freguesia de São João Nepomuceno. Seu inventário está arquivado no Cartório de Primeiro Ofício de Lavras e dele consta o nome de Domingos José da Costa, batizado em 29 de novembro de 1792, casou-se com dona Vicência Cândida Cesarino. Sobre seu pai, Dr. Marcos Paulo de Souza Miranda, de sua obra Jurisdição dos Capitães, diz o seguinte:

Capitão Mateus Luis Garcia.

Mateus Luís Garcia, nasceu em Carrancas, Minas Gerais, e aos 11 de junho de 1764 casou-se em Aiuruoca com Francisca Maria de Jesus, filha de José Martins Borralho, natural de São Vicente de Alfena, Portugal; e de Teodora Barbosa Lima, natural de Lorena-SP; neta paterna de Manoel Antônio e de Isabel Martins Borralho, naturais de São Vicente de Alfena, Bispado do Porto; e neta materna do Sargento-Mor Francisco Barbosa Lima, natural da cidade de São Paulo; e de dona Maria de Andrada, de Jacareí-SP¹.

Mateus afazendou-se na freguesia de Lavras, onde recebeu sesmaria de meia légua em quadra no ano de 1784. Foi pai de numerosa família. É considerado o fundador da cidade de Nepomuceno, pois em terras que doou para construção de uma capela dedicada a São João Nepomuceno surgiu um pequeno arraial que deu origem à cidade de que tratamos.

Em 24 de maio de 1803 recebeu de Bernardo José de Lorena, Capitão-General da Capitania de Minas Gerais, carta patente do posto de Capitão do Distrito de São João Nepomuceno, então pertencente ao termo da vila de São João del-Rei². Já havia ocupado o posto de Alferes anteriormente.

Marcos Paulo de Souza Miranda

trecho do Livro: Jurisdição dos Capitães.


Próximo trecho:
Trecho anterior: O Capitão Januário Garcia Leal e seus os bens.

1. GUIMARÃES, José de - As Três Ilhôas, v.2,t.2,p.1209-1210.
2. APM, SC297,p.282,v-283.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.