O Capitão Diogo Garcia da Cruz.

Gravura da obra O Capitão Diogo Garcia da Cruz de Ricardo Gumbleton Daunt, onde se lê: O Capitão Diogo Garcia da Cruz neto de Diogo Garcia e Júlia da Caridade naturais da Ilha do Faial e sua geração. A Edição de que o Projeto Partilha dispõe foi editada em São Paulo - 1974 foi revista, ampliada e atualizada pelo Professor Caio de Figueiredo e Silva.

Próxima imagem: Denise Garcia e os Garcia Frades.
Imagem anterior:
As três ilhõas de José Guimarães.

Comentários

projeto partilha disse…
Aos pés desta simbólica, rara e significativa tela, o seguinte conteúdo:

Ao terminar o estudo sobre minha avoenga dona Maria Carolina Garcia de Figueiredo, Baronesa de Monte Santo, e que fora publicado em 1938, nos n. 3 e4 da Revista do Instituto Heráldico-Genealógico, então denominada "Revista do Instituto de Estudos Genealógicos", acudiu-nos a idéia de proceder algumas pesquisas com o fim de atualizar o magnífico trabalho de Silva Leme, "Gen. Paulistana", vol. oitavo, Título DIAS, pg.62, com referência aos descendentes de Mateus Luiz Garcia (5-3), um dos fundadores de São João Nepomuceno, hoje Nepomuceno, em Minas Gerais, e, também, de coligir o maior número possível de dados biográficos daqueles meus antepassados maternos.
Para tanto, mantivemos com o distinto genealogista mineiro, sr. Ari Florenzano, residente em Lavras, uma correspondência epistolar.
projeto partilha disse…
Nas páginas de ontem, tivemos oportunidade de ver a obra HELENA MARIA DE JESUS, de José Guimarães - 1998. Helena Maria que foi casada com João de Rezende Costa, senhor do Engenho Velho dos Cataguás, é irmã de de Júlia Maria da Caridade, casada com Diogo Garcia. Diogo e Júlia são avós de Diogo Garcia da Cruz, nascido em 1772 e casado com dona Inocência Constança de Figueiredo. Maria Helena de Jesus e João de Rezende Costas, seus tios.
DAUNT destaca o seguinte em O Capitão Diogo Garcia da Cruz:

"Diogo Garcia e Júlia Maria da Caridade como padrinhos de Ana Antônia da Silva Rezende, que era filha de uma sua sobrinha, Maria Helena de Jesus, casada com o Capitão José Antônio da Silva. A cerimônia do batizado verificou-se a 24 de março de 1761, na capela de Santo Antônio da Lagoa Dourada, em Conceição dos Prados, Minas Gerais (obra cit., pg.557).
Em 3 de outubro de 1726, ao realizar-se, na Matriz de N. S. da Conceição dos Prados, a benção matrimonial de João de Rezende Costa com Helena Maria, figura, como uma das testemunhas daquele ato religioso, Júlia Maria da Caridade, irmã da nubente e dada como moradora na Freguesia de N. S. da Conceição dos Prados (ob. cit., pgs.11 e 13).
O nome de Júlia Maria da Caridade aparece, ainda, num assento de batismo da Matriz dos Prados, a 13 de junho de 1730, conjuntamente com MIGUEL DA COSTA PEREIRA, como madrinha de Josefe, filho de sua irmã Helena Maria (ob. cit., pg.314)).
O batizado seria, mais tarde, o Capitão José de Rezende Costa, o prestigioso lavrador, da fazenda dos Campos Gerais, que tomara parte saliente na Inconfidência Mineira e, por isso, condenado "a que com baraço e pregão fosse conduzido pelas ruas públicas ao lugar da forca, e nela morresse morte natural para sempre".
A pena, entretanto, fora comutada para o degredo em Bissáo, na África, por 10 anos, dele compartilhando o Conselheiro José de Rezende Costa, filho do Capitão José de Rezende Costa, que falecera em 1789, com a idade de 72 anos (ob. cit., pg.314).
A 5 de fevereiro de 1743, vemos Júlia Maria da Caridade, mulher de Diogo Garcia, madrinha de batismo de sua sobrinha, JOSEFA MARIA DE REZENDE, que mais tarde, aos 26 de setembro de 1764, no Oratório de N. S. do Carandaí, Freguesia de N. S. da Conceição dos Prados, contraía núpcias com o Coronel SEVERINO RIBEIRO, filho de ESTEVÃO RIBEIRO e de dona LEONARDA MARIA, ambos de famílias nobres de Lisboa (ob. cit., pg.779)".
Ira disse…
tb fazemos parte desta história....

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.