Neruda e os aromas palpitantes.

de: Francis Vilela - o pianista

Sou um apaixonado por Pablo Neruda. Estou sempre, sempre mesmo com o livreto, Cem Anos de Amor nas mãos. É da Coleção L&PM Pocket, cujos poemas apresentam-se nele traduzidos por Carlos Nejar.

De - Pablo Neruda

Recordarás aquela quebrada caprichosa
onde os aromas palpitantes subiram,
de quando em quando um pássaro vestido
com água e lentidão: traje de inverno.

Recordarás os dons da terra:
irascível fragrância, barro de ouro,
ervas do mato, loucas raízes,
sortílegos espinhos como espadas.

Recordarás o ramo que trouxeste,
ramo de sombra e água com silêncio,
ramo como uma pedra com espuma.

E aquela vez foi como nunca e sempre:
vamos ali onde não espera nada
e achamos tudo o que está esperando.

Comentários

francis vilela - o pianista disse…
Olá pessoal.
Além de ser um apaixonado por PABLO NERUDA, tenho outra paixão, que me ajuda a sobreviver: o piano.
Terminei meu curso em Campinas, e já estou em Carmo da Cachoeira, a partir desta semana. Meu piano e eu. Se você quiser aprender, aperfeiçoar-se, ou ter momentos de contato e convivência com este instrumento, fale comigo. Moro vizinho do Bar do Galvão, e leciono aulas de piano. Segundo o que está registrado em meus diplomas, de piano e de música eu entendo. O que eu posso afirmar com convicção é o seguinte: AMO MINHA PROFISSÃO. Francis Vilela.

Agora, um presente a todos. De Pablo Neruda. Tradução de Carlos Nejar.

AMOR MEU, o inverno regressa a seus quartéis,
estabelece a terra seus dons amarelos
e passamos a mão sobre um país remoto,
sobre a cabeleira da geografia.

Ir-nos! Hoje! Adiante, rodas, naves, sinos,
aviões acerados pelo diurno infinito
para o olor nupcial do arquipélago,
por longitudinais farinhas de usufruto!

Vamos, levanta-te, e endiadema-te e sobe
e desce e corre e trina com o ar de comigo
vamo-nos aos trens da Arábia ou Tocopilla,

sem mais que transmigrar para o pólen longínquo,
a povoados lancinantes de farrapos e gardênias
governados por pobres monarcas sem sapatos.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.