José de Moraes Raposo.

José de Moraes Raposo foi irmão de Helena de Moraes?

Helena de Moraes, casada com Jacome Fernandes Neves é mãe de Francisca de Moraes, casada com Gregório Saldanha. Dona Francisca já era falecida em em 1760, quando Manoel Antônio Rates ainda era vivo. Manoel Antonio Rates (Rattes) foi casado com dona Maria da Costa Moraes ou apenas Maria da Costa, conforme alguns registros.

Marta Amato¹ refere-se aos sogros João Gomes Salgado²: " ... 1720 ... loja de mercadorias, indo para Minas Gerais". Dona Francisca de Moraes e João Gomes Salgado foram pais de Luiz Gomes Salgado, citado por Márcio Salviano Vilela em sua obra A Formação (...) Lavras do Funil (p. 205).

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próxima matéria: A origem de José Roberto Reis.
Artigo Anterior: Algumas linhas sobre Domingos José Garcia.

1. Revista ASBRAP, p.237 do Vol. 6
2. João Gomes Salgado casado que foi com Francisca de Moraes, filha da paulista, Maria de Moraes Raposo, casada com Luiz Marques das Neves.

Comentários

projeto partilha disse…
Dona Francisca de Macedo, casada com Antonio Vieira foram país, entre outros de ANTONIO VIEIRA DE MORAES, casado com dona Ana Pires. A partir desta geração muito tem sido escrito e provado através de documentação. Elas são fartamente disponibilizadas pela GENEALOGIA VILLASBOAS e pelo PROJETO COMPARTILHAR.
O ANTONIO VIEIRA DE MORAES, casado com dona ANA PIRES, já falecida por ocasião de sua filha Ângela Pires de Moraes em 03-10-1749. Nesta cerimônia de casamento foi uma das testemunhas, Antonio do Vale Ribeiro, irmão de Ângela de Moraes Ribeiro (Ribeira) (Morais), mãe de José Joaquim Gomes Branquinho da Fazenda Boa Vista, sede do Distrito da Boa Vista, Município de Lavras do Funil, antiga sede do Distrito, que após sua transferência para a CACHOEIRA DOS RATES, recebeu nova denominação - CARMO DA CACHOEIRA DOS RATES, hoje Carmo da Cachoeira.

O casal ANTONIO VIEIRA DE MORAES
e do Ana Pires, filho de Antonio Viera e dona Francisca de Macedo foram pais de 5 filhos:
- Ângela Pires de Moraes, nascida em 1736 e casada com Mathias da Silveira Andrade (Matias), da Ilha do Faial. Nosso foco nesta filha não tem outra intenção, a não ser ligá-la, pela geração, a MANOEL ANTONIO RATES (Rattes), que deve ter nascido nesta mesma época (em meados do século XVIII);

- Maria da Assunção Moraes;

- José de Moraes e Oliveira;

- Francisco Pires de Moraes;

- Carlos, com 10 anos em 1740.

Conferir, Projeto Compartilhar:
Antonio Vieira de Moraes e Ana Pires, filho de FRANCISCA DE MACEDO.
projeto partilha disse…
"Aos sete dias do mes de julho do ano de hum mil setecentos e sessenta e hum nesta capela de São Gonçalo, filial desta Matriz de São João del Rey o Reverendo Capelão da mesma, Francisco José Matta baptizou a MARIA exposta ao alferes JOSÉ DA COSTA HOMEM. Foram padrinhos: Ignácio da Costa Homem e dona Michaella de Gusmão, todos desta Freguesia".

Maria, do registro acima é MARIA PERPÉTUA DE SÃO JOSÉ, casada com Francisco José de Souza, pais do Padre Francisco José de Souza Monteiro. Nora de Domingos de Souza Monteiro, natural de Portugal e de sua mulher Maria de Souza Monteiro, natural de Pernambuco. Os irmãos de Pe. José Francisco são: Cândida Umbelina de Souza; Maria Antonia e Beralda Lúcia de Souza. As terras que fizeram parte do Patrimônio de Pe. José Francisco foi doação de Maria Antonia de Souza e seu marido José da Fonseca de Carvalho.
O historiador, professor e pesquisador, JOSÉ GERALDO BEGNAME, localiza nos registros do Arquivo Eclesiástico de Mariana Provisões em nome do Pe. JOSÉ FRANCISCO DE SOUZA e não como buscamos, Francisco José de Souza Monteiro. José Geraldo nos enviou um relatório, o de n.1, em 03-03-2006, onde figuram os Padres citados em relatórios anteriores nos Liv. de Provisões, com o seguinte recado: "Selecionei todos os Padres citados nos relatórios conforme listagem abaixo. Depois, pesquisei nos catálogos de DE GENERE para ver o que encontrava. O resultado esta descrito abaixo. Entre outros:

Pe. José Francisco de Souza.
Não consta De Genere".

A irmã de Pe. José de Souza Monteiro, dona Cândida Umbelina de Souza, casou-se através de "escritura de ARRAS", depois de 1831, com o viúvo de ANA ROSA LUDOVINA DE PAIVA, o alferes José de Andrade de Mello, filho de José de Andrade Peixoto e Mariana Vitória do Nascimento.

Ana Rosa Ludovina de Paiva, casada com o alferes Francisco José de Andrade Mello, tiveram 4 filhos. Uma delas, dona FRANCISCA DE PAULA DE JESUS, nascida por volta de 1810. Em 1824 casou-se com José Villela Reis, filho do alferes Francisco Tomás Villela e de dona JOAQUINA TOMÁZIA DOS REIS, irmã de dona MARIA VICTÓRIA DOS REIS E SILVA (Vitória), casada com JOSÉ JOAQUIM GOMES BRANQUINHO, da Fazenda da Boa Vista, local onde funcionou a sede do Distrito do CARMO DA BOA VISTA, posteriormente transferido de local e, consequentemente nome, ficou CARMO DA CACHOEIRA DOS RATES (Rattes), hoje o Município de Carmo da Cachoeira, no Sul de Minas Gerais.
projeto partilha disse…
Já é conhecido dos internautas de www.carmodacachoeira.blogsopt.com o casal ANTONIO VIEIRA DE MORAES, casado com dona FRANCISCA DE MACEDO, pais de Ângela de Moraes Ribeiro e também de dona MARIA DE MORAES RIBEIRO, falecida em 14-5-1794, casada com Antônio de Brito Peixoto, falecido em 29-2-1758. Entre outros filhos, Maria e Antônio de Brito teve a MANOEL JOAQUIM DE ANDRADE que se casou com dona Laureana de Sousa Monteiro (Souza), pais de dona VENÂNCIA CONSTÂNCIA DE ANDRADE. Em seu testamento, aberto em 1846 e escrito e assinado em 1841, dona Venância diz, fls.06: "fui casada com Manoel Joaquim de Santana. Tivemos três filhos: José Marcelino de Andrade; Maria Emerenciana de Andrade e Laureana Felícia de Andrade (Lauriana).
O casal Venância Constância e Manoel Joaquim fazem a seguinte ligação:
- com Antonio Vieira de Moraes, através de Dona Venância e seus pais;
- com Diogo Garcia e Júlia Maria da Caridade através de Manoel Joaquim de Santana;
- com Maria Pedrosa e Gaspar Vaz da Silveira, através de Maria de Nazaré Andrade, mãe de Manoel Joaquim e filha de Isabel Pedrosa e José Rodrigues Goulart.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.