A antiga capela de São Tomé das Letras.

(...)

O capelão de São Tomé era, então, o afamado jesuíta Padre Francisco Álvares Torres, que aí permaneceu como Capelão até 1781. A Capela de São Thomé foi erigida em 1770, a seu pedido. Em 1795, construiu-se Igreja nova. O cemitério, que, anteriormente, era dentro da própria Capela, hoje se estende ao lado e atrás da mesma.

O primeiro Vigário da Paróquia criada em 1840 e instituída canonicamente em 1841, foi o Padre João Ribeiro Maya, cujo nome encontramos nos casamentos, batizados e óbitos de boa parte da família.

Em 18 de outubro de 1808, foi nomeado Guarda-mor da localidade Francisco da Costa Rios.

Na Igreja, chama a atenção a pintura feita na madeira larga do teto, bem como um grande retrato do Barão de Alfenas, Gabriel Francisco Junqueira, colocado normalmente na Sacristia e pintado pelo italiano Nicolau Fachinetti. Chama também a atenção do turista a Igreja até há pouco inacabada, iniciada há mão se sabe quantos anos pelos escravos. Toda feita de pedra mineira superposta com amarração própria, chegou assim até o respaldo. Jamais até agora1 se iniciara a cobertura, e as paredes, extremamente largas, pedra sobre pedra, ali permaneceram por tempo indeterminado, atestando o penoso trabalho escravo. Inúmeros habitantes da terra sonharam um dia terminá-la. Soube que alguém talvez um paulista, a estava terminando ... da maneira moderna que conhecemos. A ser verdade, lamentaremos muito.

Com a intensificação do comércio de pedras e com alguma propaganda turística, o município pôde emancipar-se. O progresso bate às portas, mudando, entretanto, com grande mágoa para os conservadores, a feição tri ou quatricentenária que o marcou até hoje.

Joana Maria da Conceição, batizada na Capela de Ibertioga pelo Coadjutor Padre Manuel da Fonseca, aos 25 de junho de 1749, tendo como padrinhos Manuel Teixeira Maciel e dona Joana Rodrigues, casou-se aos 23 de fevereiro de 1773, pelas "7 para 8 horas da manhã", na Matriz do Pilar, com as bênções na Capela de São Francisco de Assis do Onça, com Inácio Gomes da Rocha, filho legítimo de Manuel Gomes Batista e de dona Maria Gonçalves da Rocha. Testemunharam: o Padre José Rodrigues de Matos Marins e Francisco da Costa Dias. Inácui era irmão de, pelo menos: dona Maria Teresa de Jesus, casada em primeiras núpcias com Inácio Franco e, em segunda núpcias, com Bento Rabelo de Carvalho.

Continua ...

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próxima matéria: Dona Maria Teresa de Jesus, madrinha de Anna Francisca do Valle.
Artigo anterior: São Thomé das Letras no tempo de dona Maria Teresa.

Matéria baseada na obra: Thomazelli, Apparecida Gomes do Nascimento, 1984. As famílias de nossa família (mineiros e paulistas). Belo Horizonte/ São Paulo, ed. do autor, p.81/82/83
1 1984

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.