Pular para o conteúdo principal

O cachoeirense Quinzinho chega ao Céu.

... e o Quinzinho começou assim a sua narrativa:

Não me será necessário procurar grande rodeio para dizer-lhes que morri, como também não lhes direito o que se passou com o meu espírito logo que escapou de sua residência material, porque os que já morreram o sabem com todos os pormenores e os que estão vivos o saberão um dia, infalivelmente. Por isto mesmo vou apenas dizer-lhes que, no exato momento em que a minha pobre carcaça era atirada ao fundo do buraco de sete palmos, meu espírito batia palmas à porta do céu e pedia licença a São Pedro para ir entrando. Confesso que meu espírito que, de modo geral, é calmo e bastante confiado, havia perdido de todo as estribeiras ao chegar perto daquela porta enorme, atrás da qual devia estar vigilante o enérgico e carrancudo guarda-chaves do Criador; e quando São Pedro, abrindo um pouco a entrada do Paraíso fitou em mim o seu olhar duro e penetrante, não tive nenhuma dúvida em compará-lo ao horrível Cérbero, tal e qual no-lo pinta o poeta inglês em seu grande poema "O Paraíso Perdido".

Pouco depois travava-se entre meu espírito e São Pedro o seguinte diálogo:

— Afinal, quem é você e o que quer aqui?

— Saiba Sua Santidade que eu sou Quinzinho, um humilde...

— Sua Santidade? Que tratamento é esse?

— Perdão, Senhor São Pedro. Eu disse Sua Santidade, porque os papas lá na terra são assim chamados; e como sempre ouvi dizer que São Pedro foi papa...

— Ora, tolices, seu Quinzinho. É verdade que dizem que fui o primeiro papa, mas no meu tempo ainda não haviam inventado esse negócio de Sua Santidade, Sua Eminência, etc., etc., e por isso todos me chamavam simplesmente de Pedro. Mas, vamos ao que interessa. Que ocupação era a sua lá na terra?

— Eu era guarda-livros, Senhor São Pedro.

— Formado ou prático?

— Formado pela Escola "Carlos de Carvalho".

— E quem era o diretor dessa Escola?

Eu disse o nome do Diretor e fiquei admiradíssimo quando São Pedro, em acabado de ouvir minha resposta me disse prazerosamente:

Ah! Sim. Conheço muito bem o Melo. É uma boa pessoa, boa mesmo até demais, porém tem um defeito: é muito irônico e por esse motivo, quando morres, não poderá vir diretamente para o céu; irá para o purgatório e, se abusar um pouco, o inferno o aguarda com todas as honras.

Temendo pela sorte que aguardava no outro mundo a alma de meu velho e presado amigo, humildemente roguei a São Pedro que tivesse piedade e não a fizesse sofrer por coisa tão mesquinha como é a ironia; mas São Pedro, que não gosta de ser contrariado, lançou-me um olhar tão mau, que comecei a tremer e a verdade é que, naquele momento, da salvação da alma do amigo, para somente, egoísticamente, cuidar de salvar a minha. Porém São Pedro, que já havia retomado o seu ar bonachão de pescador de almas, convidou-me a entrar, dizendo:

Entre, seu Quinzinho, e não precisa ficar triste porque seu amigo Melo, conforme proceder daqui para frente, virá também para o céu; mas, em castigo daquelas ironias causticantes, das quais nem eu nem você escapamos, vou obrigá-lo a criar aqui uma escola igual à que ele arranjou na terra. Aqui não há guarda-livros e eu estou muito velho e casado para fazer todo o trabalho que me é exigido pelo meu antigo companheiro de pescarias no mar de Tiberíades. Quanto a você, pode ficar já a meu serviço. É o meu secretário.

E foi assim, meus amigos, que tomei posse e assumi as funções no meu novo e inesperado emprego. No princípio, tudo corria às mil maravilhas e eu estava satisfeitíssimo; mas a minha alegria não devia durar muito tempo. Caramba! O diabo queria ser secretário de São Pedro. Quanta amargura, quanta decepção não se tem lá na porta do céu! Sim, porque o que lá se observa é que muita gente que aqui na terra é tida por criaturas santas, almas predestinadas, ao chegar à porta do céu passa pelo desgosto de ser enviada ao diabo, ao passo que muitas outras, tidas como pecadores, irreligiosas e perversas, tem o seu lugarzinho preparado na corte celestial.

Vou contar-lhes porquê e como foi que escapuli do céu.

continua...

Prof Wanderley Ferreira de Rezende

trecho do Livro: Gaveta Velha.

Próximo trecho: Os beatos e a justiça de São Pedro.
Conto anterior: A noiva do tropeiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…