O amor pelos cavalos unia os Gouvea e os Costa.

Fazenda da Chamusca, de João Alves de Gouveia - o Barão de Lavras, e o Hipódromo Prado, de Três Pontas (final do século XIX), sendo um de seus fundadores José Gonçalves da Costa, ambos tendo como foco: cavalos. Um como criadouro, outro como espetáculo e corridas.

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próxima matéria: Fatos a respeito de Mariana Felisbina dos Reis.
Artigo Anterior: Os primeiro crime registrado em Carmo da Cachoeira.

Comentários

Paulo Costa Campos disse…
JOSÉ GONÇALVES DA COSTA

Era de estatura pouco acima da média, tinha os olhos castanhos e usava longos bigodes e uma pêra (pequena quantidade de barba que se deixa entre o queixo e o lábio inferior, tão em moda novamente hoje). Trajava fraque e cartola por ocasião dos eventos sociais. Nascido em Vila Nova de Famalicão, do Concelho de Braga, Portugal, veio muito jovem para o Brasil, residindo algum tempo no Rio de Janeiro e fixando posteriormente residência em Três Pontas, Minas Gerais. Filho de Antônio Gonçalves da Costa e Maria Joaquina da Costa, casado com Leocádia Cândida Becker. Após a Proclamação da República, em 5 de fevereiro de 1890, foi instituída uma Intendência Municipal, da qual era integrante, como Adjunto. Foi o fundador do prado local e seu primeiro presidente. Incentivador da prática do futebol, na cidade, nos primórdios do século XX. Teve participação importante na construção do campo de futebol, construído na cidade. O campo confrontava pela frente com a Rua Minas Gerais, por outro lado com a Rua Belo Horizonte (atual Américo Miari) e pelo outro lado com a linha férrea, hoje Avenida Vicente Celestino, e aos fundos com vários moradores. O senhor Costa era alfaiate, comerciante, fazendeiro e político. Suas propriedades rurais compreendiam parte da "Formiga", "Toca" e "Barreirinha". Sua loja comercial ficava localizada na esquina das atuais ruas Minas Gerais e Marechal Deodoro. (06-ABR-1853 - 05-SET-1923)
paulo Costa Campos disse…
INTENDÊNCIA MUNICIPAL

Com a proclamação da República, em 15 de novembro de 1889, o Governo Provisório determinou a dissolução das Câmaras Municipais. Foram criadas INTEND~ENCIAS MUNICIPAIS, a fim de governar os municípios. A intendência era um órgão colegiado. Em Três Pontas, foi instalada em 5 de fevereiro de 1890. A escolha dos membros recaiu sobre os seguintes cidadãos: Doutor Josino de Paula Brito, Aureliano José d´Azevedo, conhecido por mestre Aureliano e José Epifânio de Figueiredo. A presidência ficou a cargo do Doutor Josino de Paula Brito. A antiga Câmara Municipal deu posse aos membros da gestora municipal. Em 10 de março de 1890, houve uma alteração na Intendência. Como Mestre Aureliano, estava impedido de exercer o cargo, por ser professor público, em seu lugar foi empossado o cidadão João Batista Fernandes S. Tiago. Como adjuntos, foram escolhidos Martiniano Vinhas de Arantes e José Tomás de Figueiredo. As alterações foram feitas por determinação do Governador João Pinheiro da Silva. Depois serviram como adjuntos Cândido Prado e José Gonçalves da Costa (Atas da Câmara Municipal).
projeto partilha disse…
Falar na FAMÍLIA GOUVEIA/ GOUVÊA, e lembrar-se da Fazenda Chamusca (Fazenda da Chamusca). Esta fazenda é vizinha da FAZENDA DO PALMITAL DO CERVO.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.