Um governo de oposição ao Palácio da Liberdade.


Para as eleições de 23 de novembro de 1962, desfeita a coligação que havia vigorado em Carmo da Cachoeira nos dois pleitos anteriores, a UDN apresentou como seu candidato ao cargo de Prefeito, o nome do Dr. Moacir Rezende, enquanto o PSD lançava o Sr. Saul de Oliveira Vilela.

A campanha política ia correndo normalmente e quando mais animada se tornava, quase nas vésperas da eleição, um fato lutuoso veio, até certo ponto, esfriar o ardor combativo das duas facções adversárias, pois veio a falecer repentinamente em Três Corações, onde residia, o Dr. Moacir Rezende. A sua morte abalou profundamente os cachoeirenses, sem distinção de cor partidária, mas a campanha deveria prosseguir e a UDN voltou à luta apresentando como novo candidato o Dr. Joaquim Fernandes de Vilhena Reis1.

Realizadas as eleições, foi vitorioso o candidato do PSD, Sr. Saul de Oliveira Vilela, que a 1º de fevereiro de 1963 tornava posse do cargo.

Nos dois primeiros anos de seu governo encontrou o Sr. Saul de Oliveira Vilela sérios obstáculos à sua administração, porque não contava com o apoio do Governo do Estado, então sob a chefia do Sr. Magalhães Pinto. Mesmo assim realizou o Prefeito boa administração:

- calçou alguns trechos de ruas;
- conseguiu a instalação do Telégrafo Nacional na Agência Postal locas;
- providenciou a mudança da Prefeitura para o local onde ainda hoje [1975] se encontra;
- mandou fazer e colocou 10 mata-burros de ferro;
- não descuidou da conservação das estradas municipais;
- construiu, com a cooperação de fazendeiros da vizinhança, no Rio Cervo, uma ponte na estrada para Luminárias; e
- últimos tempos de sua gestão, iniciou a construção da Praça do Carmo, que deixou praticamente concluída.

Foi durante o governo do Sr. Vilela que a Revolução de Março de 64 veio, pelo menos temporariamente, livrar o Brasil da baderna subversiva orientada e dirigida por estes mesmos homens que atualmente [1975] por ai se encontram na crista da onda, falando grosso e soltando livremente entrevistas nos jornais, no rádio e na televisão.

Prof Wanderley Ferreira de Rezende

trecho do Livro: Carmo da Cachoeira: Origem e Desenvolvimento.

Próxima matéria: Várias versões, mesmo fato, assim se faz a história.
Matéria Anterior: Carmo da Cachoeira e o governo do militar.

1. Em 1963, Joaquim Fernandes de Vilhena Reis é um dos signatários da Ata da sessão de instalação do município de São Bento Abade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

Pesquisando a genealogia italiana