O Padre Manoel Francisco Maciel de Baependi-MG.

Família do Padre Manoel, procedente de Baependi, terra do Mons. Marcos Pereira Gomes Nogueira, sacerdote ilustre, nascido em 18 de junho de 1847, na chácara que havia pertencido a Manuel Constantino Pereira Guimarães, seu tio. Seu pai, João Constantino Pereira Guimarães, filho de Manuel Joaquim Pereira e Ana Joaquina Rosa, portugueses, falecidos na província do Minho. Sua mãe, dona Ana Engrácia Nogueira Meireles, nascida em Baependi, em 16 de abril de 1821,foi casada duas vezes. O primeiro casamento com Salviano de Meireles Freire - o moço, e a segunda, o acima mencionado, João Constantino. Mons. Marcos pertencia, pelo lado materno ao tronco baependiano, através de seu avô, capitão Antonio Gomes Nogueira Cobra, e sua avó Maria Custódia de Meireles Freire, filha de José de Meireles Freire - o moço. O capitão Antonio Gomes Nogueira Cobra, era filho de Caetana Nogueira de Lemos, casa em Baependi com o furriel, da Campanha, filho de Domingos Rodrigues Cobra e Ana Isabel de Gouveia (Gouvêa). Dona Caetana Nogueira de Lemos, era filha de Joana Nogueira do Prado Leme, filha de Tomé Rodrigues Nogueira do Ó e de sua mulher, Maria de Leme do Prado. Uma das irmãs do Mons. Marcos, dona Maria da Glória da Glória Junqueira, casada com Francisco Fajardo da Costa Junqueira (Faxardo). Outra, dona Prisciliana Nogueira Batista, casou-se com Inácio Batista Lopes. Tinha outros outros.

Numa das conferências proferidas pelo Monsenhor Marcos Pereira Gomes Nogueira disse: "O pugilo de homens recém-chegados e os que foram encontrados na terra do ouro, e que juntos constituiam a creança baependyana, estavam talhados mais para pastores e agricultores do que para mineiros. Enamorados da espessura das nossas florestas sul mineiras, e da belleza dos nossos campos, os quaes se desdobram desde o Cajurú até as vastas campinas do Angahy, Favacho, Campo-Lindo, e muito além, dedicaram-se logo à lavoura e à criação; e foram os fructos destes trabalhos de matto e de campo, os elementos das primeiras fortunas deste Sul de Minas - de que foi Baependy o primeiro núcleo".

Alfredo Valadão, em Campanha da Princesa, diz que até 1737 as notícias das minas do Rio Verde vagamente chegavam até Vila Rica.

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próxima matéria: A certidão de batismo do Padre Victor de Campanha.
Artigo Anterior: O casamento de Antônio Ferreira Pinto Barra.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.