Pular para o conteúdo principal

O Padre Manoel Francisco Maciel e as crianças.


Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Próxima imagem: A antiga escola particular de Carmo da Cachoeira.
Imagem anterior: Ancestrais dos Garcias e Custódios Cachoeirenses.

Comentários

projeto partilha disse…
Pe. Manoel Francisco Maciel e um grupo e estudantes. A Escola era particular e funcionava na Antiga casa do sub delgado José Fernandes Avelino. O aluno mais alto é o Nilo, da Família Nascimento que, mais tarde, seria o marido de Teresa Maciel. Pe. Manoel foi o Pároco da Igreja Matriz de Carmo da Cachoeira, Minas Gerais, de 09.05.1944 a 1965.
projeto partilha disse…
O grupo de estudantes e o pároco professor estão o espaço interno do, próximo ao jardim da Escola onde era o belíssimo casarão colonial, residência o subdelegado José Fernandes Avelino, casado em primeiras núpcias com dona Maria Clara Umbelina, e em segunda, com Rita Victalina de Souza. Na época desta foto, o belo casarão, presente na foto de ordenação do Pe. Godinho, já havia sido desmanchado. As informações vem da doce, meiga, e muito querida professora e ex - diretora Escolar em Carmo da Cachoeira, Hilda de Mesquita. Seus pais, e ela própria, conheceram o antigo prédio, desmanchado por dona Felícia de Figueiredo, casada na FAMÍLIA GARCIA. Dona Hilda é moradora, ainda hoje, na mesma casa, situada bem em frente a entrada principal da Igreja Matriz. As árvores são as da praça Nossa Senhora do Carmo.
projeto partilha disse…
Livro I - Cemitério.

"Servirá este livro para nêlle se lançarem os nomes dos que forem sepultados no Cemitério desta paróchia indicando o mez, dia, nome, estado, edade, número de sepultura e quanto pagou, ou se tem sepultura perpétua.
Carmo da Cachoeira, 1 de janeiro de 1916. O Vigário, Pe. João Pina do Amaral".

FRANCISCO TERRA, com 78 anos 9FRANCISCO DA TERRA) em 13.05.1920.

Cf. Projeto Compartilhar, *Manoel Martins Bahia.

Cf. Descendência de Domingos Borges da Silva (Filho).
projeto partilha disse…
No Livro I - Cemitério.

Em 10.02.1923, Victoriano Pinto Ribeiro (Vitoriano Pinto Ribeiro).


Cf. Alguns ancestrais da FAMÍLIA PINTO RIBEIRO em:

Manoel Alves Taveira (Manoel Álvares Taveira). Projeto Compartilhar, e

Florência Maria de Jesus, também em Projeto Compartilhar.
projeto partilha disse…
Tendo como impulso o nome de uma pessoa presente no Livro I - Cemitério, o de Vitoriano Pinto Ribeiro, em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais, e, na falta de dados da Capela do Palmital do Cervo, partilharemos aqui, alguns dados pertencente àquele espaço geográfico (a leste da cidade de Cachoeira). Para que não se percam o repassamos. Estão sob forma de manuscritos estão nos arquivos do Projeto Partilha. Foram muitos os dados coletados. Estes foram obtidos, quando de seu trabalho junto aos antigos livros, na Casa Paroquial de Lavras. Para o Projeto Partilha, no momento, os dados apresentam-se soltos. Internautas que acompanham o blog poderão ter elementos que os encaixem em uma linha histórica específica. Aí estão, para que possam ser úteis a alguém, em algum tempo. Referem-se a uma, das muitas famílias de nossa região pouco estudadas, os "Taveiras", que está entre os "Valins", os "Naves", os "Rates", os "Marques", entre outras. Encontramos na ermida de São Bento do Campo Belo, com assinatura do reverendo João Rodrigues Penteado um casamento, depois de outros dados em livros anteriores no mesmo local. O padre João foi um sacerdote que parece ter tido alguma liderança local. Existem relatos de que, quando ele saiu para a região de Passos/Ventania/Alpinópolis, foi acompanhado de muitas famílias moradoras aqui. Ele já havia participado de muitos atos religiosos, como por exemplo, São Thomé das Letras e na Ermida do Rio do Peixe. Na Ermida de Nossa Senhora das Dores, na Fazenda do Rio do Peixe, aplicação de São Bento do Campo Belo Belo, aparece como conhecido de Joaquim Martins da Luz, filho de Francisco Martins da Luz e de Tereza Maria de Oliveira. Nossa referência é a do casamento de Manoel Joaquim Álvares Taveira (Alves Taveira), filho de Estanislau Álvares Taveira (Alves Taveira). O Estanislau era casado com dona Angela Maria dos Santos. Manoel Joaquim estava se casando com uma filha de Ignácio Álvares, dona Joana. As testemunhas foram: José Lourenço de Abreu e Joaquim da Silva Torres. Não nos prendemos a detalhes, desde que a busca primeira do Projeto Partilha é encontrar dados de seu primeiro morador, MANOEL ANTONIO RATES.
Pelo fato de ter informado os internautas sobre uma medição de Sesmaria, em que os "Barbosas" se queixavam dos "poderosos Fonsecas", e cita especialmente José Antonio da Fonseca, vamos repassar o dado contido também entre os livros consultados na referida Paroquia. Foi quando José Antonio levou sua filha Emerenciana para ser batizada na Ermida de São Bento. Emerenciana aparece como filha dele com Ana da Conceição. O coadjutor da Paróquia de Lavras era o Pe. Joaquim Dias de Oliveira, e quem batizou a menina foi o Pe. Faustino da Silva Rocha. Há também no livro de batizados um da FAMÍLIA MORAES. É o de Joaquim, filho de Escolástica Maria de Moraes, no ano de 1782, além de muitos outros que, direta ou indiretamente estão ligados a família, motivo de nossos estudos. Os livros estão em péssimo estado, dado seus quase trezentos anos de existência. Poderá haver lá muitos dados interessantes, no entanto, a leitura fica interrompida por grandes espaços já carcomidos pela traça. Pelo menos estes ficaram preservados. Jorge Fernando Vilela irá repassar muitos outros, através de sua obra.
projeto partilha disse…
Retificação: O aluno mais alto não é Nilo e sim NITON, da Família ALVES NASCIMENTO. Assim, leia-se, NILTON ALVES DO NASCIMENTO, casado com Teresa Maciel, sobrinha de Pe. Manoel Francisco Maciel e do cartorário de Carmo da Cachoeira, Minas Gerais, Antonio Bonifácio Maciel.
projeto partilha disse…
Buscando conhecer as origens dos "Taveiras", no Brasil, recorremos ao Livro, "Carrancas - Laços e entrelaços familiares", por Maria Esther Teixeira. Editora Komedi. Campinas. 2005. Seu trabalho foi e baseado nos livro dos seguintes autores: Marta Amato; José Guimarães, Ari Florenzano, com sua Genealogia Mineira: Taveiras; Marcos Paulo de Sousa Miranda; Família Rezende de Artur Vieira de Rezende e Família Pereira de Américo Arantes Pereira.
Diz a autora, em nota introdutória, p.13: "Manuel Alves Taveira tem sua origem n Freguesia de São Romão do Nogueira, termo de Barcas, Comarca de Viana, Arcebispado de Braga que, nos anos de 1730, veio com seus oito filhos para os Sertões das Carrancas, onde deixou vasta descendência". Na Unidade 4, p.537 introduz o leitor no tema específico, em 1.0 MANOEL ALVES TAVEIRA, casado com JOSEFA LEMES SILVA, da seguinte forma: "Conforme o estudioso e grande genealogista Ari Florenzano "essa família foi a primeira que povoou os sertões das Carrancas nos idos de 1730, assentando pouso com sua comitiva num espigão que naquele tempo chamava-se Nossa Senhora da Conceição das Carrancas e ali deu princípio àquela povoação".
Manoel Alves ou Álvares Taveira era filho de Mateus da Silva (ou Matias Francisco conforme Marta Amato) e Maria Taveira. O testamento data de 4-6-1748 e nele pede para ser sepultado dentro da matriz junto à Capela-Mor, das grades para cima.
Sua mulher Josefa Lemes era filha de João Bicudo do Espírito Santo e de Maria de Lima Soares, nascida em São Paulo.
O casal teve oito filhos e como curiosidade citarei o nome deles:
Maria Alves Taveira, batizada em 22-5-1732, casada com Estanislau Teixeira de Andrade, em Carrancas, em 19-8-1747, filho de Antônio Teixeira de Andrade e Sebastiana da Silva, naturais de Santo André dos Molares, Arcebispado de Braga, Portugal.

Cap. Luiz Alves Taveira, batizado em 8-1-1736 em Carrancas e faleceu em 5-10-1818. Casou duas vezes. A primeira vez com Maria Bárbara da Conceição, falecida em 11-8-1787, filha de Pedro Mota Paiva e Maria Silveira da Conceição. Segunda vez com Maria Madalena de Jesus, falecida em 18-2-1830, filha de João Vieira Pacheco e Teresa Branca da Silva;

Helena Alves Taveira, batizada em 1738 em Carrancas, casou-se duas vezes. A primeira com José Francisco da Silva, filho de Francisco João e Domingas da Silva, naturais de Santa Maria das Águas Santas, da cidade do Porto, Portugal. Segundo casamento com Luís Antônio Rodrigues;

Antonio Alves Taveira, batizado em 1911-1740, com sucessão ignorada;

Quitéria Alves Taveira, batizada em 14-5-1742 em Carrancas, casou-se em 7-6-1754 com Cap. Pedro Ferreira Pires, filho de Manuel Ferreira Pires e Rosa Maria, naturais da Freguesia de Santa Bárbara da Ribeira, Arcebispado de Braga (com descendência numerossíssima na região);

Joaquim Alves Taveira, batizado em 13-9-1744, casou-se em 17-6-1772 com Joaquina do Espírito Santo, filha de Manuel Pereira do Souto e Isabel Lourença de Assunção;

Estanislau Alves Taveira, batizado em 1-1-1746, casado com Ângela Maria dos Santos;

Ana Rodrigues Lima, casada com Manuel Pereira Bessa, em 22-2-1751, filho de Manoel da Costa e Luísa Pinto, naturais de Santa Luzia da Vila de Camargos - sobre Toneza, Bispado do Porto, Portugal

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…