Pular para o conteúdo principal

Imagem barroca da cachoeirense fazenda do Itamaraty.


Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: O anjo barroco da fazenda Itamaraty em Minas Gerais.
Imagem anterior: A arte em tecelagem do artista plástico Nardo.

Comentários

projeto partilha disse…
Esta imagem nos reporta da Fazenda do Itamaraty. Foi lá que, durante décadas foi referencial da Ermida existente. Hoje sua guardiã zela dela cum muita devoção.
projeto partilha disse…
Continuação. Batizados. Ano:1869. Local: Freguesia do Carmo da Cachoeira, Minas Gerais. Manuscritos do Projeto Partilha:
Silvestre, na Capela das Luminárias, filho legítimo de João e Honorata. Padrinhos: Manoel e Fermina;
Carlos, crioulo, filho de João de Nação e Bastiana. Padrinhos: Galvão e Esméria;
Ermelinda, branca, filha de Cipriano Camillo de Oliveira e Maria Jerosalina da Conceição. Padrinhos: José Celestino Terra e Amélia Augusta de Toledo;
Sandro, pardo, na Igreja Matriz, filha legítima de José e de Delfina. Padrinhos: Julião e Ludmira;
na Ermida de José de Villela de Rezende, branco, A, filho de Domiciano José Faustino e Maria Simplícia da Silva. Testemunhas: José Fernandes Avelino e Joaquina da Silva;
Jacintha, branca, na Ermida de José de Villela de Rezende, branca,, filha de Domiciano José Faustino e dona Maria Simplicia da Silva. Testemunhas: Gabriel Flávio da Costa e dona Mariana Jesuina de Andrade;
Maria, branca, filha legítima de Aureliano Venâncio e de Carolina de Jesus, na Igreja Matriz. Padrinhos: Matheus T. da Silva e dona Mariana Felisbina de Oliveira;
Baptista, crioula, na Igreja Matriz, filha legítima de Marcolino e Nação e Teresa. Padrinhos: João e Baptista Venâncio de Jesus;
Francisca, crioula, na Igreja Matriz, filha legítima de Ricardo de Nação e Venância de Jesus.
(continua)
Luiz Paulo Vilela de Oliveira disse…
Homenagem à Escola Wanderley Ferreira de Rezende. Por Luiz Paulo:


Parecia tão comum e tão igual.
Apenas mais um, apenas mais um lugarzinho para passar o tempo normal.
Mal imaginava eu ser tão diferente!
Novos rostos, novos aprendizados, tanta gente...
novos pontos de vista, novos modos de pensar.

Gosto cada vez mais deste lugar, deste cantinho,
onde a ética, a amizade e a educação
nos dão força de vontade para seguir em frente
numa nova direção,
tornando-nos um dia, bons cidadãos.
E quando esse dia chegar
encherei o peito para falar:
-Eu aprendi aqui! ...
projeto partilha disse…
Luiz Paulo. O Projeto Partilha, mais uma vez, orgulha-se de você.
A Paróquia Nossa Senhora do Carmo, através de sua Padroeira, não se esquecerá, das infindáveis vezes que você subiu as escadas que o levaram até a "CASA DOS SINOS", e que através do toque de suas mãos vibravam, lembrando aos fiéis a hora da missa. Deus o abençoe, agora e sempre.
Luiz Paulo, agradeça, antes de tudo ao CRIADOR, que tudo conhece, sabe e acompanhava.
Que a Luz, o Amor Incondicional e Harmonia sejam uma presença constante em sua vida material e em sua VIDA ESPIRITUAL E ETERNA.
projeto partilha disse…
Quem é Luiz Paulo Vilela de Oliveira, muitos se perguntarão.
O Projeto Partilha o conhece e rende-lhe homenagens. Eis o depoimento que se faz e que gostaria de deixar registrado. O ideal seria colocá-lo na página que ele mantém na Internet, luizpaulovilela.blogspot.com , no entanto, hoje ela não está possibilitando postagem. Assim, usamos este espaço de carmodacachoeira.blogspot.com
No ano de 2005, a Paróquia de Nossa Senhora do Carmo, atenta ao resguardo de sua tradição, iniciou um trabalho de pesquisa que pudesse levá-la a conhecer as origens de sua primeira Capela - a barroca, citada por Padre Godinho, em sua obra Todas as Montanhas são Azuis. Uma pessoa, ao ser entrevistada disse: você já conversou com o Luiz Paulo? Ele tem um caderno com xerox de muitas fotos antigas. Esteve aqui em minha casa, e eu lhe emprestei algumas, que passaram a fazer parte de seu trabalho. Pois bem, o Projeto Partilha o procurou e viu o quanto este garoto é envolvido com o trabalho de resgate histórico da Paróquia de Nossa Senhora do Carmo, em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais. Hoje, o original de seu trabalho está na Diocese da Campanha, em mãos de seu Bispo, Dom Diamantino Prata de Carvalho.
Luiz Paulo prepara para um novo trabalho/projeto, acompanhado de seus professores, Vera, Márcio e Maristela, além dos regulares de seu curso - Escola Wanderley Ferreira de Rezende. Contará a história de Carmo da Cachoeira, Minas Gerais, através de suas fazendas. Estará escrita em inglês e português. O título está ainda em discussão e aperfeiçoamento, o Projeto é denominado hoje: "CACHOEIRA SOB O OLHAR DE UM FILHO, LUIZ PAULO". Será seu trabalho extra classe para o ano de 2009.
Luiz Paulo recebeu homenagem em www.carmodacachoeira.blogspot.com. É só conferir. O blog tem um espaço de consulta para suas pastagens mais antigas. É só digitar "Luiz Paulo" ou "Maria do Omar", que é sua querida avó. Lá os internautas terão outros dados sobre nosso futuro historiador.
Parabéns Carmo da Cachoeira por seis ilustres, desconhecidos e envolvidos filhos. Eles não a esquecem e, no silêncio, lhe são gratos. Gratos por tudo, inclusive, pelo AMOR INCONDICIONAL com que sua Padroeira, Nossa Senhora do Carmo, ou Nossa Senhora do Monte Carmelo, derrama sobre cada filho da Criação. Criatura e Criador, irmanados e imersos, na pura energia maternal e sob seu Manto Sagrado.
Anônimo disse…
Bom, não sei se este é o espaço adequado pois o assunto não tem a ver diretamente com esta rica imagem barroca. É que existe uma pessoa que as vezes recebe lindas inspirações e em consequencia escreve lindos e brilhantes versos. Herdou isso de seu falecido pai que foi Agente da extinta e saudosa estação de trem, o Sr. José Cândido Ribeiro. Ela mora no bairro São José Operário, com sua familia. E como ela gosta muito deste local, um dia destes, resolveu escrever os seguintes versos que transcrevo a seguir:
"Pedacinho do Céu"
Moro num lugar
Onde moram pessoas de bem.
É o bairro São José
Que aprendi a amar também.

Quando amanha vem chegando,
Com o canto dos pássaros desperto.
É crianças que chegam á Escola,
É onibus que passam perto.

O céu todo azulzinho
Cheio de nuvens de algodão
E o Sol todo amarelinho
Colorindo esse pedaço de chão.

São José nosso padroeiro
Santo bom, trabalhador.
Proteja nosso bairro querido
Nosso povo sofredor.

De: Lúcia M.R.V.Lima
projeto partilha disse…
A INSPIRADA, Lúcia M. Ribeiro Veiga Lima, nossa eterna e profunda gratidão.
O Projeto Partilha gostaria de apresentar a Lúcia, autora de - "Pedacinho do Céu". A temática que motivou tão singela poesia foi o Bairro São José Operário, Carmo da Cachoeira, Minas Gerais. Bairro de gente trabalhadora que, ao despertar da manhã, vê o sol nascer em seus locais de trabalho. Outros, como é o caso de Rudnei, aos primeiros raios do sol está voltando para a casa, após seu plantão da noite no hospital da cidade. O bairro foi se formando junto a um corredor que, durante muito tempo foi chamado de CORREDOR 1, ou Corredor do Nenzico, e hoje é a Rua Mizael Gouvêa. Este corredor foi utilizados pelas boiadas, que passando pelas terras dos Junqueiras/Gouvêa, primeira fazenda após a CHÁCARA (do Sr. José Costa Avellar), onde Manoel Ferreira Avelino também morava, seguia sentido Fazenda do Itamaraty - onde permaneceu por muitos anos a imagem postada hoje. Daí poderiam seguir para Três Corações, no sentido suleste, ou Três Pontas, no sentido oeste.
Lúcia mora aí com sua família e, bem cedinho, a casa já está com seus moradores em plena atividade junto do setor educacional da cidade. Lúcia, vai para a Escola e seu marido, como membro eleito para ocupar um cargo no Conselho Tutelar, vai para junto daqueles que necessitam de orientação e acompanhamento. As horas vagas são dedicadas para trabalho com crianças ligadas a Paróquia de Nossa Senhora. Marido e mulher fazem parte de equipes de caráter religiosos educativos. Assim é formado o Bairro que mereceu a atenção de Lúcia. É um bairro intensamente povoado e a presença maciça de crianças dá a ele um tom e som de alegria constantes.
Lúcia, aceite nossas homenagens e receba o espaço como sendo seu para novas postagens, poesias, comentários e/ou sugestões. Continue conosco, hoje e sempre. Este blog é de todos, especialmente seu. Já ouvi muitos na cidade dizerem "nosso blog". Então, vamos alimenta-los. Contamos com você.
projeto partilha disse…
Continuação. Batizados da Freguesia do Carmo da Cachoeira. Ano: 1869.
Marva, branca, na Igreja Matriz, filha legítima de Francisco Antonio Ferreira e Balduina Maria do Nascimento. Padrinhos: João Cândido da Silva e Anna Rita de Jesus;
Aureliano, branco, na Capella de Luminárias, filho legítimo de Domiciano Ferreira de Oliveira e Maria Flora de Oliveira. Padrinhos: Antonio Caetano de Andrade e dona Heloisa;
Delmira, parda, na Igreja Matriz, filha legítima de Manoel Ignácio de Abreu e Beatris Maria de Jesus. Padrinhos: Francisco Annes das Chagas e Marianna Luisa Emerenciana de Jesus;
no Oratório do Major Joaquim Andrade de Morais, Jesuína, parda, filha legítima de Serafim e Prudencianna. Padrinhos: Francisco José de Oliveira e Barbara Constança de Abreu;
Gabriela, crioula, no Oratório do Major Joaquim Andrade de Morais, filho legítimo de Misael e Cândida. Padrinhos: Antônio Cândido de Abreu e Idalina Constança de Abreu;
Baptista, crioula, na Capella de São Bento do Campo Bello, filha natural de Claudina. Padrinhos: Francisco de Paula Baptista e Laureana Rosa de Lima;
Luciana, crioula, filha legítima de Luciano e Rita. Padrinhos: Luís e Maria;
Antonio, branco, em São Bento do Campo Belo, filho legítimo de Gabriel José de Souza e Gabriela Cândida Diniz (Dinis). Padrinhos: Francisco Thomé de Souza e Leopoldina das Dores.
(continua)
projeto partilha disse…
Continuação. Batizados, ano de 1869
Niceta, crioula, na Capella de São Bento do Campo Bello, filha natural de Rozalina. Padrinhos: Thomé Ignácio de Souza e Maria José;
Nicésia, crioula, na Capela de São Bento do Campo Bello, filha natural de Flauzina. Padrinhos: Caetano José Martins e Antonio Ribeiro de Moraes;
Anna, branca, na Igreja Matriz, filha legítima de João Narciso Coelho e Maria Rita de Jesus. Padrinhos: José Alves de Figueiredo e Theodolinda Eulália de Carvalho;
Maria, crioula, na Igreja Matriz, filha legítima de João Gonçalves Braga e Maria Claudina de Meirelles. Padrinhos: João Antonio de Souza e Maria Jacintha de Souza, ou de Jesus;
Philippe, crioulo, na Igreja Matriz, filho natural de Paulina. Padrinhos: Urbano dos Reis e Felícia Genoveva dos Reis;
Germana, crioula, na Capella de Luminárias, filha legítima de André e Rita. Padrinhos: Sabino e Jacintha;
Maria, parda, na Igreja Matriz, filha de José Manoel da Silva e Joanna Luiza de Jesus. Padrinhos: Francisco Baptista Carneiro e Paulina Maria de Jesus;
Dorothéa, crioula, filha de Philippe de Nação e Emerenciana. Padrinhos: Valério e Ignácia;
João, pardo, na Ermida de Manoel dos Reis, filho legítimo de João Ponciano de Brito e Rita Ursula. Padrinhos Luiz Antonio Botrel e Anna Generosa de Meirelles;
Maria, parda, na Igreja Matriz, filha legítima de João Francisco das Chagas e Rita Cândida de Paiva. Padrinhos: Sebastião Reiz e Inocência Jacintha de Jesus;
Joselina, branca, na Igreja Matriz, filha legítima de João Gomes Nascimento e Luciana Cândida de Jesus. Padrinhos: José Carlos Dias Ladeira e Mariana Felisbina da Silva;
Isidia, crioula, na Igreja Matriz, filha legítima de Miguel de Nação e Senhorinha. Padrinhos: João Alves de Carvalho e Escolástica Maria de Jesus;
Júlia, crioula, na Ermida de José (?) Vilella de Rezende, filho legítimo de Juvêncio e Maria. Padrinhos: Romão e Maria;
Joaquim, pardo, na Capella de São Bento do Campo Bello, filho legítimo de Francisco de Assis Oliveira e Rita Umbelina. Padrinhos: Arit(ilegível) Hipólito de Souza e Francisca de Jesus;
Maximianno, pardo, na Capella de São Bento do Campo Bello, filho natural de Francisca Claudina. Padrinhos: Domingos Lopes Guimarães e Maria Constância de Jesus;
Geraldo, crioulo, na Capella de São Bento, filho natural de Zeferina. Padrinhos: Antonio Fortunato Garcia e Jacintha;
Lucianna, crioula, Capella de São Bento do Campo Bello, filha legítima de Dyonisio e de Sebastiana. Padrinhos: Francisco e Luciana;
Beatriz, crioula, Oratório de Manoel dos Reis Silva, filha legítima de João e Marcellina. Padrinhos: Fer. Joaquim dos Reis e dona Anna Jacintha de Figueiredo.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…