Pular para o conteúdo principal

Alguns dos descendentes de Artur Alves Costa.


Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Próxima imagem: Casal Veiga Lima de Carmo da Cachoeira.
Imagem anterior: Antigas paredes de uma fazenda cachoeirense.

Comentários

projeto partilha disse…
A Família "Alves Costa" fez e faz a história de Carmo da Cachoeira, Minas Gerais. Presente, desde o início de sua formação social, faz sua parte. Colabora com o que tem de melhor. Hoje, presente na sociedade cachoeirense, fazendo e marcando a diferença. Colabora com seu crescimento e amadurecimento. Por ocasião do Sesquicentenário da Freguesia da Paróquia de Nossa Senhora do Carmo, no ano de 2007, o já conhecido dos internautas, JOÃO PAULO ALVES COSTA foi o responsável pela gravação do CD comemorativo, com suas 19 faixas. O Professor Wanderley deixou registrada a figura de Artur Alves Costa. Já conhecemos também um trabalho de NARDO em tecelagem. As mulheres da família estão no campo da instrução. Maria José, trabalha na Associação de Apoio e Desenvolvimento da Criança e Gestante - ADECG, Unidade de Ensino,
que atende crianças até 6 anos. Além da Maria José, e foi a pessoa que identificou os personagens da foto. Muitas outras da família atuam como profissionais na Educação. O forte, e marca da Família Alves Costa é a criatividade. Precisou de arte, aí estão eles e atuam com perfeição como artistas que são. Manifestam como podem sua habilidade. Exercem as profissões de transformadores do ferro em lindos fechamentos das casas, executam cortes artísticos nos cabelos, desenham, pintam, tocam instrumentos, realizam composições musicas, interpretam. Estão no funcionalismo público cuidando de plantas e jardins, no entanto, preferencialmente, atuam como profissionais liberais. São alegres e integrados. Caminham seguros de que sua participação é importante, e preenchem o espaço, onde só a criatividade e arte podem deixar seu o tom. Estão ligados pelo casamento as famílias Gouveia, Souza, Naves, Mendes.
O espaço está aberto para complementação de informações e correções.
projeto partilha disse…
O rapaz da foto é Antonio Alves da Costa Filho. Seu pai, irmão de Benedito Alves Costa, cujo nome se mantêm vivo, através da denominação de rua. A sociedade reconhece os feitos da família. A de Antonio Alves Costa pelas terras no Bairro São José operário. A rua Benedito Alves Costa é a de entrada na cidade. Inicia-se após o túnel que fica abaixo da Rodovia Fernão Dias.
No centro e sentada, Tereza Alves da Costa. A que está a esquerda de quem olha, é Maria Alves da Costa. A da direita de quem olha depende de conformação, no entanto, está sendo indicada como sendo, a Amélia. Os outros dois estão sem identificação. Se alguém souber e puder partilhar, será muito bom.
projeto partilha disse…
Continuação. Batizados registrados na Freguesia do Carmo da Cachoeira, Minas Gerais. Ano: 1876.
José, na Igreja Matriz, filho legítimo de José Rodrigues e Ana Dina Maria de Jesus. Padrinhos: Joaquim da Costa Ramos e Ana Jacinta da Costa;
Joaquim, na Igreja Matriz, filho legítimo de João Antonio G. e Maria Meirelles Claudina. Padrinhos: João Paulo da Fonseca e Rita Emerenciana de Jesus;
Antonio, no Oratório da Fazenda dos Terras, filho legítimo de Casimiro José Eduardo e Ana Francisca do Nascimento. Padrinhos: Severino Augusto da Costa e Marciana Jesuína de Andrade;
Ana, no Oratório dos Terras, filho legítimo de Francisco Tristão Evangelista e Inácia Clementina de Souza. Padrinhos: Cândido José Garcia e Marciana Jesuína de Andrade;
Geraldino, na Igreja Matriz, filho natural de Ana Florência de Carvalho. Padrinhos: Antonio Dias Pereira de Oliveira e Marcina Antonia de Carvalho;
João, na Igreja Matriz, filho legítimo de João José de Sant´Ana e Francisca Maria de Jesus. Padrinhos: Manoel Branquinho de Souza e Maria Emília Teixeira;
Ana, na Igreja Matriz, filha legítima de Manoel Antonio e Maria Joaquina. Padrinhos: Antonio Vicente Ramos e Ana Vitalina de Jesus;
Esmeraldina, filha natural de Ana Luiza de Carvalho. Padrinhos: João Nestle e RITA VITALINA DE SOUZA;
Graciana, na Igreja Matriz, filha legítima de Manoel Francisco Galvão e Emerenciana Antonia de Carvalho. Padrinhos: José de Lima e Efrausina Antonia (Ephrausina).
(continua)
projeto partilha disse…
"Povoar os caminhos que levavam às zonas de mineração(...)". Aumentando nossos conhecimentos sobre os diferentes destinos seguidos pelos povoadores. Cf.
A EXPEDIÇÃO POVOADORA MINEIROS DO TIETÊ. Veja, Mineiros do Tietê - Windows Internet Explorer, em
www.epapromocoes.com.br/jornalnossaterra/ ... ...
projeto partilha disse…
Continuação. Últimos registros de batizados na Freguesia do Carmo da Cachoeira, Minas Gerais. Ano: 1876.
Joaquim, na Igreja Matriz, filho legítimo de Cirino Roiz da Silva (Rodrigues da Silva) e Ana Generoza de Jesus. Padrinhos: Antonio Justiniano dos Reis e Bernardina Luciana de Jesus;
Ana, na Igreja Matriz, filha legítima de Juventino Gomes de Aguiar e Porfíria Maria Cristina. Padrinhos: Antonio Justiniano dos Reis e Maria Flausina de Jesus;
João, na Igreja Matriz, filho legítimo de José Francisco Caldeira e Mariana Francelina de Jesus. Padrinhos: José Joaquim Cláudio e Feliciana Ferreira do Nascimento;
Evaristo, na Igreja Matriz, filho legítimo de Francisco Roberto. Padrinhos: Francisco de Paula Cândido e Maria Madalena de Jesus;
Antonio, na Igreja Matriz, filho legítimo de Joaquim José de Mesquita e Maria Silvéria Terra. Padrinhos: José Fernandes Avelino e Rita Vitalina de Souza;
José, filho legítimo de Domingos José de Oliveira e Claudina Maria do Carmo. Padrinhos: Padre Antonio Joaquim da Fonseca e Carlota Maria do Espírito Santo;
André, na Igreja Matriz, filho legítimo de Joaquim Francisco de Souza e Maria Teodora de Jesus. Padrinhos: João Batista Pereira Pinto e Maria Alexandrina Pinto;
Cândida, na Igreja Matriz, filha natural de Isabel de Jesus. Padrinhos: Benedito da Silva e Venância de Jesus;
Avelino, na Igreja Matriz, filho legítimo de Joaquim Francisco de Souza e Maria Teodora de Jesus. Padrinhos: Domingos José Filho e Ana Alexandrina de Carvalho;
filho de Lúcio de Paula Barreto e Sebastiana Cândida de Jesus, no Oratório de Antonio Severiano de Gouvêa. Padrinhos: Manoel Inácio Alves da Costa e Cândida Alexandrina Lázara;
Antonio, no Oratório de Manoel Antonio Teixeira, filho de Domingos Alves Teixeira e Ana Alexandrina Pinto. Padrinhos: Manoel Antonio Teixeira e Maria Vitória de Carvalho;
José, no Oratório de Severino Ribeiro de Rezende, filho legítimo de Gregório Alves de Figueiredo e Porcina Leopoldina de Rezende. Padrinhos: Severino Ribeiro de Rezende e Jacinta Ponciana de Rezende;
Maria, na Igreja Matriz, filha legítima de Francisco de Sales Bispo e Jacinta Leopoldina de Jesus. Padrinhos: Manoel Antonio Teixeira e Carolina Constança Teixeira;
Rita, na Igreja Matriz, filha legítima de José André de Souza e Rita Cândida de Jesus. Padrinhos: Estevão André de Souza e Ana Flausina da Luz.

Ano de 1877:
José, filho legítimo de José André do Nascimento e Mariana Leopoldina de Jesus. Padrinhos: João Ludgero do Nascimento e Cândida D. de Figueiredo;
Francisco, na Igreja Matriz, filho legítimo de Belarmino Ponciano e Ana Francisca de Jesus. Padrinhos: João Gomes do Nascimento e Luciana Cândida de Jesus;
Ana, na Igreja Matriz, exposta na casa de José Henrique do Nascimento em 04/02/1877. Padrinhos: José Henrique do Nascimento e Ana Claudina de Jesus;
Cândida, no Oratório de José Martins de Andrade, filha legítima de José Marciano da Costa e de Cândida Umbelina de Andrade. Padrinhos: André M. de Andrade Primo e Cândida Umbelina Branquinho;
Basiliça, na Igreja Matriz, filha legítima de Manoel dos Reis Silva e Maria Emília Teixeira. Padrinhos: Gabriel dos Reis Silva e Maria Clara de Gouvêa.
(continua)
paulo costa campos disse…
PORTEIRA DE TÁBUAS.

Localidade situada ao Sul da Serra de Três Pontas, próxima à Fazenda do Triunfo. Em cartas geográficas mais antigas figura com o nome e PONTE DE TÁBUA. Existia lá uma ponte de táboas, na passagem de um curso d´água que era conhecido como Córrego da Ponte de Tábua. Equivocadamente, muitos passaram a chamar a região de Porteira de Tábuas e, ao que o parece, ficará assim conhecida.
Maria José Naves Costa e família. disse…
Leonor,
Fiquei emocionada com o seu reconhecimento em resgatar a história da família.Realmente a família marcou presença muito forte no muncípio de Carmo da Cachoeira.
Sinto ter perdido algumas anotações sobre fatos acontecidos politicamente envolvendo o meu bisavô Artur Alves Costa e meu avô Antonio Alves da Costa (Antoinzinho Piruca).
Desde de pequena eu ouvia as histórias, achando que o meu bisavô era uma figura um pouco político e engraçado, pois com jeitinho conseguia certas regalias, como por exemplo: acompanhar grandes políticos cidades vizinhas. O meu pai Antônio Alves da Costa também tinha esse lado politíco, trabalhou como autonômo, funcionário público municipal e por último funcionário estadual.
Bom lembrar que Nenê Piruca ou Nenê do Antoinzinho como era conhecido, muito "colaborou" (nunca foi muito apegado ao dinheiro) com a formação da municipalidade, sabia nome completo de todos os habitantes da cidade, endereço e até metragem dos terrenos, por muito tempo foi arquivista na prefeitura. Lembro que esmerava no trabalho, pouco foi reconhecido financeiramente por isto. "Velhos tempos" que não voltam mais, diferentes de HOJE...
Voltarei para mais registros.
Gratidão a você pela oportunidade.
Maria José Naves Costa e família.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…