Doenças e problemas físicos dos escravos.



O panorama fornecido pelos anúncios permite-nos identificar um quadro de carência alimentar provocando más formações ainda durante a gestação, um diagnóstico de disseminação de doenças virais, no caso, a varíola, exacerbada pelas condições de vida nas senzalas, e um tipo de alimentação favorável ao surgimento de diferentes problemas, dentre eles, os dentários.

Concluindo pode-se afirmar que os anúncios do Jornal “O Universal” demonstraram um perfil do escravo fugido que se pautava pelo predomínio do homem africano, ainda que seguido de perto pelo crioulo, sem especialização profissional, detentor de traços culturais vários e de diversos tipos de problemas de saúde.

Demonstraram também que, ainda que portadoras de elementos culturais, as imagens passadas pelos senhores sobre esta população se revestiam todo o tempo de significados negativos.

Entretanto, para as autoridades coloniais ou mesmo para uma parcela considerável da população,
pior e mais perigoso que um escravo fugido, somente um aquilombado, pois este reunia em si a fuga, a rebeldia e a possibilidade de conseguir viver à margem do sistema associando-se a outros tão perigosos quanto ele.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.