Os negros escravos fugiam pois eram maltratados.

... o quilombo não era identificado como fazendo parte de um projeto de vida dos cativos. O escravo só fugiria se não tivesse um bom tratamento.

Estas mesmas colocações podem ser identificadas no poema a seguir de autoria de Joaquim José de Lisboa, alferes do Regimento Regular de Vila Rica:

“...Os escravos pretos lá
Quando dão com mau senhor
Fogem, são salteadores
E nossos contrários são

Entranham-se pelos matos
E como criam e plantão
Divertem-se, brincam, cantam
De nada tem precisão.

Mas ainda, que não criassem,
Ou que não fizessem roças,
Benignas as terras nossas.
Mil silvestres frutos tem.

E como eles sejam ágeis
Descobrem naquelas matas,
Carajú, cará, batatas,
E muito mel que há também.

Vem de noite aos arraiais,
E com indústrias e tretas
Seduzem algumas pretas,
Com promessas de casar

Elegem logo Rainha,
E Rei, a quem obedecem,
Do cativeiro se esquecem
Toca a rir, toca a roubar

Eis que a notícia se espalha,
Do crime e do desacato.
Caem-lhe os capitães do mato
E destróiem tudo enfim.

Ora ai vem o pobre preto
Entre cordas, prezo, e nu,
Vão lhe os bacalhaus ao c...
E o seu Reino acaba assim...”1

Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: Estudando o poema arcadista do alferes mineiro.
Texto Anterior: As malícias diabólicas do Estado do Brasil.

1 LISBOA, Joaquim José de. Descripção curiosa das principaes produções, rios e animaes do Brasil, principalmente da Capitania de Minas Gerais. Lisboa, na Impressão Regia, 1806.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

Pesquisando a genealogia italiana