O varíola em Carmo da Cachoeira e a crise laboral.


Nos seus primeiros tempos de vida como Distrito e Freguesia, a administração de Cachoeira do Carmo, ao que parece, estava sob a responsabilidade dos Concelhos Paroquiais e é paupérrima de fatos importantes. Deste modo, não temos notícia de nenhum acontecimento digno de menção entre 1857 e 1926, a não serem dois que se deram em 1873 e 1883. O primeiro foi a terrível epidemia das "bexigas" que grassou o Distrito no 2º semestre de 1873, matando mais de 200 pessoas, entre as quais o vigário da paróquia, Padre Baltazar Corrêa Simões de Barros, sepultado no cemitério paroquial a 3 de setembro de 1873.

A mortandade, principamente de escravos, causou grave crise na lavoura e luto em quase todas as famílias. O segundo, foi o desmembramento do Distrito, do Município de Lavras e sua passagem para o de Espírito Santo da Varginha, fato este ocorrido em 1883.


Prof Wanderley Ferreira de Rezende

trecho do Livro: Carmo da Cachoeira: Origem e Desenvolvimento.

Próxima matéria: O coronelismo na antiga Carmo da Cachoeira.
Matéria Anterior:
Os membros da Guarda Nacional 1862 à 1867.

Comentários

projeto partilha disse…
Errata. Tipo de erro: Conceitual

* A "Tal epidemia", não foi da doença "tifo";

* a crise foi na lavoura, segundo o professor Wandico. O livro de óbitos, ao registrar mortes, não especifica se são escravos. Caberia aprofundamento nesta "tal epidemia", que matou 30 pessoas em Varginha, com muito mais habitantes que Carmo da Cachoeira e segundo dados publicados por Saturnino da Veiga. Que não foi tocada pelo Município de Três Pontas, nem de Lavras.

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

Pesquisando a genealogia italiana