Pular para o conteúdo principal

O Povoado da Estação em Carmo da Cachoeira.


"... num trecho do Campo Grande, no território de Carmo da Cachoeira, o Ribeirão do Servo deságua na margem esquerda do Rio Grande. Suas nascentes ficam no rumo da Serra das Carrancas. Apresenta o afluente Couro do Servo que segundo o Dr. Tarcisio José Martins é o Ribeirão do Carmo. Segundo ele o local é conhecido hoje como Povoado da Estação. O ribeirão aí é chamado de Salto, a oeste do município recebe na sua margem esquerda o Ribeirão do Carmo e o Ribeirão São Marcos. O Povoado da Estação foi originário da Fazenda Retiro ou Couro do Cervo, de propriedade de Manoel Reis e Silva."

A forquilha dos ribeirotes fica, mais ou menos, à latitude 21° 42’ e longitude de 45° 20’ e que em 1860 foi motivo de avaliação com a presença do tenente Joaquim Antônio de Abreu. O local, na ocasião era a residência de Dona Ana Jacinta de Figueiredo, viuva. O tenente Joaquim Antonio de Abreu, foi um dos eleitos como juiz de paz do Distrito de Carmo da Boa Vista em 1844.

Em 1825 o inventário de Rita Maria de São José, cativa do capitão Antônio Carvalho de Azevedo e casada que foi com Vicente Gonçalves Pereira, é assinado ‘Capão dos Óleos’, Freguesia das Dores, 18 de novembro de 1818 (cx 122 MRSJDR) :

Aqui, na Fazenda Capão dos Óleos a Ermida de Dona Ana Jacinta de Figueiredo. Em 4/12/1861 casa-se Joaquim Cândido de Figueiredo e Dona Elizia de Figueiredo.

Evaristo Gomes de Paiva em 13/05/1891, vende a Augusto Ribeiro Naves, nesta freguesia de Carmo da Cachoeira terras "... a margem direita do Ribeirão Couro do Cervo, ambos moradores neste distrito.”

Próxima matéria:
Artigo Anterior: O Porquê da Escolha da Imaculada como Padroeira

Comentários

projeto partilha disse…
"... córrego Mateus da Costa Manso ..." trecho contido na lei de Criação da Companhia de Ordenanças DUAS BARRAS, primeira Instituição Civil de Carmo da Cachoeira, de que, por ora, têm-se notícias."COSTA MANSO" - MARIA DA COSTA MANSO, presente, como avó, em documento de 1754 - Lavras do Funil.

"Aos doze dias do mês de maio do ano de mil setecentos e cinquenta e quatro na capela de Sant´Ana filial desta freguesia Pe. Francisco Gonçalves Lopes de minha licença pôs os santos óleos em Manoel, filho legítimo de AMARO PEREIRA DE ARAÚJO, natural da freguesia de Santa Maria de Galvão termo de Chaves, Arcebispado de Braga, e de sua mulher BRÍGIDA GONÇALVES PEREIRA, natural da Vila de São José, deste Bispado, neto paterno de FERNANDO PEREIRA ARAÚJO e de ANNA MARTINS, naturais e moradores na dita freguesia de Santa Maria de Galvão, e materno de MANOEL GONÇALVES FERREIRA, natural da cidade do Porto, e de MARIA DA COSTA MANSO, natural da dita Vila de São José, e nasceu o dito batizado aos vinte e nove do mês de agosto do ano de mil setecentos e concoenta e três, e foi batizado em caso de necessidade pelo mesmo padre Francisco Gonçalves Lopes, e por isso não teve padrinhos, de que fiz este assento que assinei. O vigário Manoel Martins".
projeto partilha disse…
Vamos ouvir um pouco da história da PARÓQUIA DE SANT´ANA DAS LAVRAS DO FUNIL, através de Márcio Salviano Vilela, p. 204, de A Formação (...) das Lavras do Funil:
"O arraial das Lavras do Funil (28/11/1748 - quando da "entrada solene em Mariana do seu primeiro bispo - D. Manoel da Cruz, 'Bispo do Maranhão', que aí chegou fazendo o percurso de São Luiz à Mariana, parte por terra, e parte, pelo Rio São Francisco), sofria uma reação por parte de seus habitantes. DIVERSOS AGLOMERADOS DE FAZENDAS se faziam sentir, reclamando a ereção de um templo. (...).
Para o esplendor do culto e fomento da piedade, algumas famílias destacaram-se nas atividades religiosas, entre eles: Antônio da Mota Ferreira, Teodósio de Moraes e Luiz Gomes Salgado, além da família de Manoel Francisco Xavier Bueno, o quarto filho do Cap. Francisco Luiz Bueno da Fonseca.
Aos 18 de setembro de 1751, é datada declaração pela autoridade eclesiástica de Mariana, expedindo a provisão de ereção da capela invocada à Senhora Sant´Ana.
Para a manutenção do culto divino, Luiz Gomes Salgado se prontificou em ceder um trecho de mato abandonado de sua propriedade, vizinho da capela, para patrimônio da Santa em forma de bens para a ordenação eclesiástica. A seguinte doação é datada em 21 de abril de 1753 e, recebeu a seguinte sentença, oficialmente reconhecida:
"Vistos estes autos de Patrimônio e escritura a folhas três e sumário de testemunhas, mostra-se que o doador LUIZ GOMES SALGADO para patrimônio da capela novamente ereta no lugar chamado O FUNIL - da freguesia das Carrancas, com a invocação Sant´Ana, lhe constitui o dito patrimônio em umas casas digo em umas capoeiras nas vizinhanças da dita nova capela, que o doador teve por título de compra que dela fez ao reverendo ANTÔNIO MARTINS GALVÃO e delas se acha o doador de posse, como juram as testemunhas a folha nove, folha doze, como também que rendem em cada ano dez ou doze mil réis para a Fábrica da dita capela e deu guisamento necessário. Portanto, julgo por válido o dito patrimônio e as ditas capoeiras, obrigadas à dita fábrica da referida capela e o doador a satisfazer anualmente a dita quantia de onze mil réis e para constar desse-lhe sua sentença, para asa custas. Mariana, de abril vinte e um de mil setecentos e cincoenta e três anos. Amaro Gomes de Oliveira". MESQUITA, Joannes R. de. X Anuário Eclesiástico da Diocese de Campanha. Campanha da Princesa: Imprimatur, 1948.
Projeto Partilha disse…
Ouvindo ARY SILVA, em sua obra genealógica, "Árvore Genealógica - Família DIAS DE OLIVEIRA - Bueno", p. 106:
"Francisca Cândida de Oliveira, nascida em 1838, casou-se a 5 de outubro de 1853, com José Teófilo de Moraes Salgado, nascido em 1822, filho do Capitão Teófilo Gomes de Moraes Salgado e Maria Ubaldina Cândida de Oliveira. Seus filhos:
Pn. - 189 - JESUINA CÂNDIDA DE OLIVEIRA, batizada em 12-IX-1854, casada com seu primo JOSÉ GOMES DE MORAES SALGADO, filho de JOÃO GOMES DE MORAES SALGADO e ANA TERESA DE JESUS, filha de JOSÉ ANTONIO PEREIRA e MARIA CUSTÓDIA DE JESUS.
Pn. - 190 - FRANCISCO JOSÉ DE MORAES, nascido 7-VIII-1857 e a 8-XI-1882, casado com sua prima Maria Eugênia da Costa, nascida 12-III-1865, filha de Carlos Eugênio Botrel e Ana Clara do Nascimento.
Pn. - 191 - Maria Umbelina de Oliveira, nascida 2-III-1861 e foi casada com Francisco Gonçalves de Rezende, sem geração.
Pn. - 192 - Álvaro Augusto de Oliveira, nascido em 27-VII-1866 e foi casado com Isabel Moreira Cardoso, sem geração.
Pn. - 193 - José Teófilo de Oliveira, nascido em 14-VII-1869.
Pn. - 194 - Ernestina Augusta de Oliveira, nascida em 26-III-1873 e a ll de agosto de 1891, casada com João Moreira Cardoso, filho de Manuel Cardoso de Andrade e Claudina Maria de Jesus.
Pn. - 195 - Bemvinda Augusta de Oliveira, nascida em 25-VII-1875, casada com Saturnino Buchool, seu primo, filho de Lídia Cândida de Oliveira, filha de dona JESUÍNA CÂNDIDA DE OLIVEIRA e do seu segundo casamento com JOSÉ DIAS FERRAZ DA LUZ.
Pn. - 196 - Gabriela Augusta de Oliveira, nascida em 28-I-1864 e a 4 de julho de 1894, casou-se com José Amâncio de Azevedo.
Pn. - 197 - Elvira Antonia de Oliveira, que a 4-VII-1894, casou-se com Davi Botelho de Siqueira.
Pn. - 198 - (obs. p. 110 da referida obra) Celina Dias de Oliveira, nascida a 1-IV-1866 em Perdões, liv.l, pg.146 e foi casada com (irmão de Ana Gabriela de Souza), ANTONIO MODESTO DE SOUSA, fal. 14- X-1940, filho de Francisco Modesto de Sousa e Maria Cândida de Jesus; neto materno de Francisco Antonio de Pádua e Ana Teresa da Silva; bn.m. de Carlos José de Oliveira, que a 15-XI-1819, casou-se com Antonia Maria de Oliveira, bat. 26-VII-1797, filha de Antonio de Pádua e Silva Leite, que a 13-VII-1796, casou-se com Ana Maria de Oliveira, nascida em 1776, filha do Capitão José Maria de Moura, natural de Sorocaba, que a 28-X-1767, casou-se com Genoveva Maria de Oliveira, filha de Francisco Mendes Carneiro e Josefa Maria de Oliveira; por Carlos José de Oliveira, terneta de José Manuel de Oliveira (José Manoel de Oliveira) e Brígida Ângela de Toledo (Brígida Antonia da Silva) (Silva Leme, vol. 1., p. 48).
projeto partilha disse…
Marta Amato, Revista ASBRAP, p.237 do Vol. de n.6, refere-se aos sogros JOÃO GOMES SALGADO, casado que foi com Francisca de MORAES, filha da paulista, Maria de Moraes Raposo, casada com Luiz Marques das Neves. MARTA AMATO diz " ... 1720 ... loja de mercadorias, indo para Minas Gerais".

Dona Francisca de Moraes e João Gomes Salgado foram pais de LUIZ GOMES SALGADO, citado por Márcio Salviano Vilela em sua obra A Formação (...) Lavras do Funil, p. 205.
projeto partilha disse…
Tentando sentir o território onde, MANOEL ANTONIO RATES em 1770 aparecia em documentos oficiais, na fala de Márcio Salviano Vilela, p. 206 da obra, A Formação (...) Lavras do Funil:
"Em 1760, contava o arraial dos Campos de Sant´Ana das Lavras do Funil com mais de mil habitantes e, muitas destas pessoas mobilizadas, dirigiram um memorial ao Bispo de Mariana, onde especificavam todas as vantagens da transferência da matriz de Carrancas para a nova capela das Lavras do Funil, onde o Pe. Manoel Martins, interessado pela medida oportuna, apresentava em 28 de agosto, após a visita do Dr. Visitador Geral José dos Santos, os principais motivos entre os quais destacavam-se, ser a capela de Carrancas particular e o seu protetor não permitir os aplicados fizessem casas em suas proximidades, além do desconforto do grande concurso de gente nas maiores festas (Natal, Páscoa e Missões), que não tinha alojamentos que os abrigassem, tendo que pousar muitas vezes no mato, assim como não possuir a capela, adro nem comodidade para poder andar procissóes ao redor (ARAUJO, Conego Hugo Bressane de. Notícias Históricas. Campanha, Typ. Colombo, 1925).
Os aplicados da nova capela de Sant´Ana das Lavras do Funil, congregados na maior parte dos moradores da freguesia, solicitaram a sua elevação à matriz que foi feita por D. Frei Manoel da Cruz, aos 21 de novembro de 1760, transferindo a sede da freguesia para os Campos de Sant´Ana das Lavras do Funil. Com a mudança de local, foi o vigário autorizado a residir definitivamente na nova sede, levando consigo o arquivo e algumas alfaias. A freguesia então, passou a denominar-se N. Sra. da Conceição das Carrancas e Sant´Ana das Lavras do Funil aparecendo com nome duplo por vários anos, até a emancipação ocorrida em 19 de junho de 1813 quando então, foram desmembrados da freguesia, os arraiais de N. Sr. da Conceição das Carrancas e DORES DO PÂNTANO. Dom Manuel da Cruz faleceu em 1764.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…