O patrimônio inicial da capela de N. Sra. do Carmo.


Vamos ouvir o que o mestre, prof. Wanderley Ferreira de Resende, sobre a doação do terreno que viria a constituir o patrimônio da futura paróquia em Carmo da Cachoeira:

"Segundo os velhos cachoeirenses o terreno hoje ocupado pela cidade, fora doado, uma parete, da Rua Antonio Justiniano dos Reis para leste, pelos Rattes (Rates) e outra parte pelo Tenente Coronel da Guarda Nacional, José Fernandes Avelino, fazendeiro, que fez construir e nela residiu, o velho casarão situado na esquina da Praça do Carmo, onde está hoje a casa pertencente ao Sr. Júlio Garcia e antes pertencera à sua mãe, dona Felícia Ambrosina Garcia".

trecho do Livro: Carmo da Cachoeira: Origem e Desenvolvimento.

Próxima matéria: As fazendas do Distrito de Boa Vista.
Matéria Anterior: Algumas palavras sobre o livro do prof. Wanderley.

Comentários

Anônimo disse…
Quem não viu, volte-se para os comentários da página de ontem. JOSÉ FERNANDES AVELINO atuou em 3 legislaturas na CÂMARA MUNICPAL DE LAVRAS.
Anônimo disse…
O Projeto Partilha não poupou esforços a fim de encontrar o documento em que consta a PROVISÃO, para funcionamento da sua ANTIGA IGREJA BARROCA, tão decantada pelo ilustre cachoeirense, Pe. Godinho. A cidade de Três Pontas buscou por muito tempo, tanto quanto o Projeto Partilha, o documento, que deu origem a PÚBLICA FORMA e que corresponde ao território doado e que corresponderia ao patrimônio da Capela de Nossa Senhora da Ajuda e Arraial do mesmo nome. Eis como nosso colaborador, o historiador Paulo Costa Campos coloca o assunto, em seu Dicionário Histórico e Geográfico de Três Pontas, p. 112:

"PÚBLICA FORMA - Definição de pública forma é dada como: "cópia integral, exata e certificada, de um documento, feita por tabelião, e que pode substituir esse documento na maioria dos casos" (Dic. Aurélio). Alguns historiadores se baseiam em uma pública forma, datada de 20 de julho de 1895, para atribuir a doação do patrimônio da Capela e do Arraial de Nossa Senhora da Ajuda das Três Pontas a Bento Ferreira de Brito. O documento original não é conhecido e nem a sua transcrição foi encontrada nos livros cartoriais locais, pelo menos até agora (2004). Existe uma cópia arquivada na cúria Diocesana de Campanha, que se diz ser o documento original (MG). Há uma inscrição no Cartório de Registro de Imóveis, em 12 de junho de 1912, ou seja, após 17 anos da lavratura do dito documento e 118 anos depois dos fatos alegados, dificultado sobremaneira a elucidação da veracidade da questão. O documento, que teria dado origem à pública forma, seria de 9 de outubro de 1794 e nele haveria referências às medições e demarcações das sesmarias da Capela e Arraial de Nossa Senhora da Ajuda das Três Pontas e de Bento Ferreira de Brito. Entretanto, no Arquivo Público Mineiro só foram encontradas as cartas de sesmarias, datadas 12 de junho de 1793 e de 24 de setembro de 1793. A primeira requerida por Leonardo Correia Lourenço, Luiz Lourenço Mariz, José Joaquim dos Santos, Manoel de Siqueira, João de Siqueira, João de Faria Neves e outros moradores da Aplicação da Capela de Nossa Senhora da Ajuda e a segunda por Bento Ferreira de Brito. Os registros de confirmação da posse das sesmarias não foram encontrados".

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

Pesquisando a genealogia italiana

A organização do quilombo.