O medo dos brancos e a inferioridade dos negros.

Entretanto, mesmo que os quilombolas fossem identificados como sendo “inimigos capitais”, havia um outro elemento, segundo as autoridades, com muito maior capacidade para levar à ruína a colônia. Tratava-se da própria população livre que o alimentava e através de seus exemplos, conduzia os cativos aos desvios:

"... O dano maior que considero no caso que os negros se levantem não é tanto das conseqüências que isto pode produzir, como do terror pânico dos brancos que com a menor coisa se desanimam e é sem duvida que por isto não é de pouca ponderação a matéria porque ainda que os negros não tenham ordem nenhuma, e por isso seria menos durável a sua sublevação: o medo dos brancos podia causar maior desordem, e dar aos outros maior atrevimento para o que ajuda muito as consciências gravadas, o concubinatos, e os malefícios deste país que clamam ao léu pelo seu castigo, e quando Deus o quer dar aos que merecem não busca meios estrondosos, mas serve-se daqueles que aos olhos humanos parecem mais desprezíveis..."1

Para o autor, os negros, ainda que rebelados, não possuiriam condições de provocar danos irreversíveis à sociedade e, por conseguinte, à escravidão, porque eram inferiores aos brancos e não tinham condições de se manterem organizados. O perigo real estava no seio do grupo senhorial e dos homens livres e em função de seus próprios problemas e fraquezas, eles estariam colocando a segurança e o progresso da colônia em risco.

Os cativos, neste discurso, não tinham elementos civilizatórios suficientes para se estruturarem de forma significativa e destruir a sociedade. Os danos causados pelos negros deixavam, portanto, de fazer parte de um contexto sócio-econômico e se tornavam um castigo divino. Com esta explicação era retirado dos escravos fugidos a possibilidade deles se rebelarem e agirem enquanto agentes históricos possuidores de uma consciência e de vontades. Tratava-se de um castigo da ordem do divino e não dos homens. Portanto, a solução estaria dentro da própria sociedade: bastaria acabar com os elementos de desordem e de desapego à fé e, consequentemente, a Deus e este não mais castigaria a população usando os seres “mais desprezíveis”.

Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: As malícias diabólicas do Estado do Brasil.
Texto Anterior: Os ferozes monstros do quilombo do Campo Grande.

1 Carta do Conde D. Pedro de Almeida, Conde de Assumar para Ouvidor do Rio das Mortes, em 24 de março de 1719. APM SC 11. P. 118,118v.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.