Pular para o conteúdo principal

A família do Cônego Manuel Francisco Maciel.


Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Próxima imagem: A antiga igreja de Carmo da Cachoeira.
Imagem anterior: Erguendo o Cruzeiro em Carmo da Cachoeira.

Comentários

Projeto Partilha disse…
Cônego Manoel Francisco Maciel.
projeto partilha disse…
Em 20.01.1874, nasce José Francisco Maciel que, em 08.09.1898 casou-se com Tereza Luiza da Conceição, nascida em 24.08.1875 e filha de José Coelho de Abreu. Entre os filhos de José Francisco e Tereza Luiza, estão dois com atuação na sociedade cachoeirense: o Cônego Manoel Francisco Maciel, Vigário Paroquial, e o cartorário José Bonifácio Maciel, cidadão honorário, cujo título lhe foi outorgado pela Câmara Municipal de Carmo da Cachoeira, quando na sua presidência estava Francisco Chagas. A família é composta de:
Antonio Bonifácio Maciel, casado com Creusa Vilela Maciel;
Maria Escolástica Maciel, casada com Francisco Antonio Maciel;
Maria Madalena Maciel, teve dois casamentos: o primeiro com José Daniel, viúva, casou-se com Joaquim Fernandes Maciel;
João Evangelista Maciel, solteiro, morreu afogado;
Maria Salomé, casada com José Maurício Pereira, conhecido por José Cassiano;
Rita Juliana Maciel, casada com José Prudente dos Santos;
José Silvestre Maciel, casado com Ana Alvarenga Maciel (prima da nossa querida Ninita e Ziquinha, da Família Sant´Ana, assíduas frequentadoras da Paróquia, moradoras à Rua Dr. Veiga Lima, em frente a Prefeitura Municipal);
Cônego Manuel Francisco Maciel, nascido em 24.05.1912 em Baependy, e após prestar serviços a Igreja, morreu em sua terra Natal;
Domingos Francisco Maciel, morreu solteiro;
Ana Francisca Maciel, morreu criancinha.

Carmo da Cachoeira rende homenagem a esta atuante família cachoeirense, através de seus parentes (tios, em especial ao ramo de Carmo da Cachoeira, através de Tereza Maciel e sua descendência e, também a seus primos e sobrinhos), aos filhos do Sr. Antonio Maciel e Creusa, seus netos e bisnetos, genros e noras. Filhos de Antonio e Creusa, com exceção da Maraíza, todos em Carmo da Cachoeira:
Wagner Vilela Maciel, casado com Leonara Veiga Maciel;
Elizabeth Vilela Maciel, casada com José Carvalho Vilela;
Maraiza Vilela Maciel, casada com Amsterdã Ferreira Soares;
Denise Vilela Maciel, casada com Moisés Bernardo da Silva e Milton Vilela Maciel, casado com Danusa Naves Veiga Maciel.

Seu Antonio Maciel, durante as infindáveis conversas que mantinha com o Projeto Partilha, contava sobre seus "velhos parentes". Dizia, já nos útimos dias de sua vida, cuja lucidez o acompanhou até seus últimos momentos, principalmente, enquanto tomava o sol da manhã no portão de sua casa. Dizia ele: meus tios, irmãos de meu pai, filhos de Manuel Francisco Maciel, O Sebastião Maciel; o Joaquim Francisco Maciel; a Rita Maciel que se casou com José de Abreu; a tia Lica, que se casou com Pedro Ignácio Lopes; a tia que se casou com Joaquim Carlos Nogueira (dos Nogueira do Ó, sabia?; o Domiciano Esaú dos Santos, meu padrinho, que nasceu durante a Guerra do Paraguai; a tia Terezinha, a caçula.
Dizia mais. Falava de JUSTO DOMINGOS MACIEL, da seguinte forma: "este meu ancestral, foi pai de Manoel Domingues Maciel, pai do Barão de Maciel, em Baependi.

Já internado, Dr. Antonio Bonifácio Maciel, pediu que uma pessoa anotasse o texto que se segue abaixo. Pediu que o mesmo fosse encaminhado ao Frei Dom Diamantino Prata de Carvalho. A família tomou todas as providências para que este desejo se cumprisse. Eis o texto:

Excelentíssimo Reverendíssimo Dom Frei Diamantino Prata de Carvalho, Bispo da Diocese da Campanha - Minas Gerais.


Ref.: NHÁ CHICA (Francisca de Paula de Jesus) - UM CLARÃO DE LUZ SOB O CÉU DE BAEPENDI.

Eu, Antonio Bonifácio Maciel, nascido em Baependi em 25.10.1915, irmão do Cônego Manoel Francisco Maciel, pároco em Carmo da Cachoeira - MG de 09 de maio de 1944 a 1965, residente em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais tendo, vivido os princípios pregados pela Santa Madre Igreja Católica, encontro-me hoje internado no hospital da cidade para realização de exames médicos. Fortaleceu em mim, neste período e enfermidade, a devoção para com NHÁ CHICA - Serva de Deus nas terras de Baependi. Lembrei-me então de um recorte de Jornal de 15.12.2005, que guardo com muito carinho. Foi por ocasião da inauguração do Memorial NHÁ CHICA, que contou com a presença de V. Excia. Pelos esclarecimentos prestados fiquei sabendo detalhes sobre o andamento do processo de beatificação de NHÁ CHICA, instaurado em 1993 pela Diocese da Campanha, Minas Gerais, e que, em 30 de abril de 2004, os religiosos brasileiros reunidos na 42 Assembléia Geral de Bispos (CNBB) assinaram um documento pedindo a sua beatificação. Soube também que o documento reuniu 204 assinaturas de Bispos de 25 Estados brasileiros e que foi encaminhado por V. Excia, ao Papa João Paulo II. Aproveito esse momento especial de minha vida para reflexões, e confesso o meu profundo amor e devoção a essa Serva, que minha minha mãe conheceu. Peço, através de nosso Pároco - Padré André Luiz da Cruz, que encaminhe a V. Excia um pedido: publicar e enviar as Paróquias dessa Diocese meu depoimento. E o meu preito de gratidão a essa alma devocional que foi NHÁ CHICA, e em cujo berço - Baependi, viveu e repousa seus restos mortais. Foi aí também que vive os melhores anos de minha vida - os da infância.

NHÁ CHICA - UM CLARÃO DE LUZ NO CÉU DE BAEPENDI.

Antonio Bonifácio Maciel.
Carmo da Cachoeira,MG, 31-MAI-2006.
projeto partilha disse…
A Paróquia de Nossa Senhora do Carmo em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais, guarda os nomes dos casais que contraiam matrimônio no ano de 1862. Os dados, fazem parte dos documentos arquivados como, "Manuscritos", e presentes nos arquivos do Projeto Partilha, obtidos através de livros Paroquiais. Ora postados, tem como único objetivo, o aspecto cultural local, e eventualmente, aos interessados em cultura. Foram 15 os casamentos realizados no referido ano. São eles:
Valério e Mafalda, na Igreja Matriz. Testemunhas: Gabriel José Junqueira e José Rodrigues;
Roque e Rufina, na Igreja Matriz. Testemunhas: Gabriel Junqueira Junior e José Rodrigues;
Francisco e Angélica, na Igreja Matriz. Testemunhas: Jerônimo e Matias;
João Cândido da Silva e Ana Antonia de Jesus, na Igreja Matriz. Testemunhas: ten. cel. José Fernandes Avelino e José P. Ferreira;
Joaquim Lourenço Machado e Iria Máxima de Jesus, na Igreja Matriz. Testemunhas: Francisco de Paula Batista e João Alves de Gouveia;
José Pedro da Silva e Balandina Cândida de Jesus, no altar de João Gomes do Nascimento. Testemunhas: ten. cor. José Fernandes Avelino e Manoel F. Avelino;
Antonio Jacinto da Costa e Pracedina Cândida do Nascimento, na Igreja Matriz. Testemunhas: João Alves de Gouveia e Gabriel Junqueira Júnior;
João Francisco da Costa e Jacinta Sevilha da Silva, na Igreja Matriz. Testemunhas: Francisco de Azevedo Sobrinho e José P. Ferreira;
Joaquim Francisco Nascimento e Delfina, no altar do ten. Joaquim Antonio de Abreu. Testemunhas: Felisberto P. de Oliveira e capitão Joaquim José de C. Ferro;
Serafim e Prudenciana, no altar do ten. Joaquim Antonio de Abreu. Testemunhas: Valentim José da Fonseca e Antonio P. de Andrade;
Manoel e Auta, no altar do ten. Joaquim Antonio de Abreu. Testemunhas: Cândido José de Carvalho e Valentim José da Fonseca;
Silvestre Alves do Nascimento e Maria Vicência, no altar do ten. Joaquim Antonio de Abreu. Testemunhas: Joaquim José de C. Ferro e Felisberto P. de Oliveira;
Cesar Augusto da Silva e Bárbara Constância de Abreu, no altar do ten. Joaquim Antonio de Abre. Testemunhas: Joaquim J. de Abreu e alf. José C. de Mesquita;
José Antonio Pereira e Maria Teresa de Jesus, na Igreja Matriz. Testemunhas: Antonio José Ribeiro e Joaquim Ferreira da Silva;
Cezário e Juliana, na Igreja Matriz. Testemunhas: José Celestino Terra e Manoel Ferreira Avelino.
projeto partilha disse…
Em 1863 foram 21, os casamentos registrados na Freguesia do Carmo da Cachoeira, Minas Gerais. São eles:
Geraldo e Fermina, na Capela de Luminárias. Test. João Correia de Souza e Fermiano A. da Silva;
Pedro e Hemiliana, na Igreja Matriz. Testemunhas: Manoel Ferreira Avelino e Luiz Antonio Ferreira;
Gabriel Francisco Ribeiro Junqueira e Cândida Gabriela da Costa, no altar do ten. Gabriel Flávio da Costa. Testemunhas: Francisco Daniel da Costa e Joaquim Flávio da Costa;
Manoel Bernardo de Brito e Mariana Antonieta Ribeiro, na Igreja Matriz. Testemunhas: Juventino Gomes de Aguiar e João Pinto de Brito;
Justino e Joana, na Igreja Matriz. Testemunhas: Juventino Gomes de Aguiar e João P. de Brito;
Joaquim Garcia de Figueiredo, filho de Francisco Garcia de Figueiredo e Ana Cândida dos Reis, filha de José dos Reis Silva, na Ermida de José dos Reis. Testemunhas: João Cândido dos Reis e Francisco dos Reis Silva;
João Antonio Gonçalves, filho de Antonio Gonçalves Braga e Maria Claudina Meireles, filha de Maria Cândida de Jesus, na Ermida do Taquaral. Testemunhas: Severino Ribeiro de Rezende e Custódio Villela Palmeira;
Luiz e Inácia, na Igreja Matriz. Testemunhas: João Feliciano e Luiz;
Manoel Januário da Silva e Severina Emídia de Jesus, filha de Jerônimo Pimenta, na Igreja Matriz. Testemunhas: Cesário M. do Espírito Santo e José Felício da Silva;
Fortunato e Marcela, na Ermida do Taquaral. Testemunhas: Antonio de Nação e Caetano;
José Francisco Bandeira, filho de Antonio Rodrigues Barreiros e Francisca Cândida de Jesus, filha de José Joaquim de Lima, na Igreja Matriz. Testemunhas: Joaquim José de Lima e José Joaquim de Lima;
Antonio e Maria, na Igreja Matriz. Testemunhas: André e Leão;
Domingos Teixeira de Rezende, filho do capitão Antonio Teixeira e Ana Marcelina dos Reis, filha de Domingos Marcelino dos Reis, na Ermida de Domingos Marcelino dos Reis. Testemunhas: Joaquim Antonio de Abreu e José Alves Silva;
Vicente e Ana, na Ermida da Fazenda do Taquaral. Testemunhas: Antonio de Nação e Romão;
Camilo e Joana, na Ermida do Sr. Severino Ribeiro de Rezende. Testemunhas: Joaquim de Rezende Branquinho e Manoel;
Misael e Joana, na Igreja Matriz. Testemunhas: Joaquim Pedro da Silva e Antonio de Nação;
João Bernardo Arruda e Maria do Nascimento, na Igreja Matriz. Testemunhas:Joaquim F. dos Reis e Francisco de P. F. Sobrinhos; (?)Gruentiliano Francisco Xavier e Ana Bernarda de Rezende, na Igreja Matriz. Testemunhas: Rafael dos Reis Silva e José de O. Ezequiel;
Cezário Africano e Francisca, na Igreja Matriz. Testemunhas: Gabriel José Junqueira Júnior e Joaquim Fernandes dos Reis;
Justino e Joana, na Igreja Matriz. Testemunhas: Gabriel José Junqueira Júnior e Joaquim Fernandes dos Reis.
Anônimo disse…
Fazendo uma pesquisa na internet cheguei ao texto que fala do meu bisavô Justo Domingues Maciel. Impressionate o poder da internet em trazer conhecimentos e aproximar as pessoas. Não sabia que os Maciéis dai são meus parentes.
Parabéns a cidade de Carmo da Cachoeira.

Paulo Maciel Junior
Caxambu - Minas Gerais
maciel disse…
Gostei do artigo sobre o Cônego Manoel Francisco Maciel,somos parentes,uma vez que como estudo genealogia da familia maciel,sou descendente de justo domingues maciel.Se houver interesse de alguem parente gostaria de conhecer.
Anônimo disse…
Maciel, pelo que parece somos parentes. Gostaria de conhece-lo.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…