Pular para o conteúdo principal

Escola Dr. Moacir Rezende - Carmo da Cachoeira.


Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Próxima imagem: Carmo da Cachoeira, cidade de fé.

Imagem anterior: Carmo da Cachoeira entra no século XXI.

Comentários

projeto partilha disse…
Exatamente hoje, a Escola Moacir Rezende, e estas felizes crianças estão recebendo um esplendoroso presente da MÃE NATUREZA. O IPE, que os internautas veem junto das crianças, se vestiu para festa. Está exuberante em sua roupagem leve, fluídica, harmônica e dourada. É uma, entre centenas delas, a homenagear o SENHOR DA CRIAÇÂO e espalhar beleza com sua presença. E o cachoeirense, imerso nesta alegria indefinida, que não sabe de onde vem, sente-se preenchido, inspirado e estimulado. Tocado pela singeleza e simplicidade, eleva-se, transcende-se, transforma-se, no simples ato de olhar para esta cena montada pelo espetáculo da natureza, que se confunde com o sol irradiante. Rogério Vilela e Evando, certamente, com suas lentes atentas, já circulam pela cena do espetáculo. Representação da cor do intelecto, este que se vê na foto, não poderia ter escolhido melhor lugar para morar, dentro de uma Escola - ponto de difusão do saber e do conhecimento. Aí, esta árvore mãe, amiga e protetora, inunda todo o ambiente de luz e vida. Um espetáculo raro nas grandes cidades, esbanja aqui, beleza e alegria. Na primeira chuva da primavera novo espetáculo. Todo o chão transforma-se num tapete espesso, de amarelo dourado irradiante. Despede-se, após ter deixado sua marca impregnada e mentes mais lúcidas e claras. Mais um passo em direção a sabedoria divina.
projeto partilha disse…
Falando em Escola e Saber, o Projeto Partilha incumbiu-se de fazer seu "dever de casa", depois de ter assistido a aula do prof. Wandico. Ele disse: "Um acontecimento digno de menção: o desmembramento do Distrito, do Município de Lavras e sua passagem para o de Espírito Santo da Varginha, fato este ocorrido em 1883". Qual foi a lição de casa?
Procurar um historiador em Lavras e perguntar a ele sobre a evolução administrativa, política e social de centro de onde vinham as decisões que nos influenciavam até o ano de 1883, conforme o ensinamento de nosso mestre, prof. Wandico. A palavra fica então com outro mestre, o professor, Márcio Salviano Vilela, autor da obra A FORMAÇÃO HISTÓRICA DOS CAMPOS DE SANT´ANA DAS LAVRAS DO FUNIL, p.50: "No período colonial, ocorre o aparecimento de vários arraiais espalhados pelo interior da colônia, principalmente na Capitania de Minas, onde a busca pelo ouro havia sido intensa. Essa povoação de caráter temporário com características de ajuntamento para festas religiosas, cujo crescimento pressupunha, posteriormente, a sua elevação à condição de vila, teve na Igreja Católica o principal veículo que além de assistência espiritual, assegurava a instrução social e política de seus habitantes, em função a inexistência de qualquer tipo de investimento público.
Não diferente aos costumes e às tradições da época, o arraial de Lavras do Funil também em expansão populacional e agrícola crescente, com seus moradores economicamente motivados com a criação do Bispado de Mariana, erguem uma nova capela com ornamentação, santos óleos, pia bastimal, tudo que fosse necessário e passa a sediar a freguezia dessa zona, com o duplo nome de freguesia de NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO DAS CARRANCAS E SANTÁNNA DAS LAVRAS DO FUNIL, razão do curto espaço de tempo da criação das duas paróquias, chegando a mesma, já separada em 1813, ser constituída com trinta e um distritos no ano de 1826, véspera da sua elevação à condição de vila.
O Brasil tornava-se independente, nessa ocasião, e os acontecimentos que levaram a tal fato, proporcionaria o surgimento de uma nova política brasileira. O Conselho Geral da Província de Minas instalado em 1825, passava a atuar não só em matéria político-administrativa, mas também em medidas de desenvolvimento econômico. Nessa época, aparecem os primeiros partidos políticos do Brasil e, os CAMPOS DE SANT´ANA DAS LAVRAS DO FUNIL sobressai como um importante núcleo urbano e econômico da província, e seis meses após a abdicação de D. Pedro I, o então arraial é elevado à qualidade de Vila, com implantação de órgãos administrativos e criação da CÂMARA MUNICIPAL.
a expressão de melhores sentimentos à Pátria pelo povo lavrense é demonstrada com a adesão na Revolução de 1842, quando o Conselho Imperial do Estado, despreza as representações do povo, suspende as câmaras municipais e dissolve as câmaras dos deputados. A cidade de Lavras sendo a quarta a aderir ao movimento que duraria pouco mais de um mês, aparece no cenário político imperial.
Afastada dos grandes centros por falta de comunicações adequadas, e sem outros recursos da Corte Imperial, contava a Vila de Lavras do Funil somente com as autoridades administrativas locais, que desdobravam em esforços para assistir materialmente os seus ensejos de desenvolvimento e progresso, que só poderiam difundir-se em sua plenitude, com a autonomia político-administrativa, ou seja, a elevação de cidade, isto é, o legal reconhecimento das povoações de primeira ordem na província, ocorrido e 20 de julho de 1868.
A partir desta data, Lavras passa a incorporar-se como uma das mais promissoras cidades do sul da Província de Minas, atuando com força e decisão nas possíveis conquistas gerenciadas para o desenvolvimento local. A sua escolha para sediar os tribunais judiciais da Comarca do Sapucaí, deu mostras da sua influência e poder político, ocasião pela qual, o município passa a apresentar seus homens de valor no movimento republicano que substituiria o regime monárquico no Brasil.
projeto partilha disse…
Prof. Márcio Salviano Vilela, como estava organiza a questão "Comarca de Lavras para o ano de 1873?

Na p.78, da obra A FORMAÇÃO HISTÓRICA DOS CAMPOS DAS LAVRAS DO FUNIL, coloco o seguinte: "Aos 22 de abril de 1850, pela Lei n.464, o termo da Vila de Lavras do Funil foi incorporado à Comarca do Rio Verde, criada à 16 de março de 1839, com sede na cidade de Campanha da Princesa, voltando em seguida, o termo da Vila de Lavras do Funil, à Comarca do Rio das Mortes, aos 8 de maio de 1852.
Porém, a Lei n.719 de 16 de maio de 1855, determinou que a Comarca do Rio Verde passasse a constituir os termos de Campanha da Princesa, Três Pontas e Lavras do Funil, e com a extinção da Comarca do Rio Verde, em 22 de dezembro de 1865,, Lei n.1266, foi o termo de Lavras do Funil novamente anexado à Comarca do Rio das Mortes..
Posteriormente, o governo provincial ao reavaliar a disposição das comarcas de Minas, restaurou a Comarca do Rio Verde em 15 de setembro de 1870 e criou em 8 de outubro do mesmo ano (1870), a Comarca do Sapucaí pela Lei n.1740, formada por Três Pontas, Dores da Boa Esperança e a recém criada cidade de Lavras, que passou a sedar definitivamente Comarca do Sapucaí, a 10 de abril de 1872. Ainda, pela Lei n. 2002 de 15 de novembro de 1873, ficou esta Comarca do Sapucaí, somente composta do termo de Lavras e Dores da Boa Esperança, sendo que a Lei n.2273 do mesmo ano (1873), tirou del o termo de Dores da Boa Esperança que ficou substituido pelo termo de Bom Sucesso.
projeto partilha disse…
Óbitos registrados no ano de 1874 na Freguesia do Carmo da Cachoeira, Minas Gerais. Foram 7 os registros e são eles:
Jorge Coelho da Silva com 108 anos, viúvo;
Manoel dos Reis e Silva (II) com 75 anos, casado com dona Ana Generosa de Meireles;
Maria Angela da Cunha com 80 anos;
Roque, casado com Tereza;
Jacinta com 22 anos, solteira;
Antonio, filho de João Africano e Joana;
Manoel, filho de José e Mônica.

O ano de 1875 traz 19 registro de óbitos;
O ano de 1876 traz 20 registros de óbitos.
Paulo Costa Campos disse…
GRIPE ESPANHOLA - Um violento surto da doença acometeu a região, em 1918, ceifando muitas vidas. A fim de combater o mal, instalou-se um hospital de emergência na fazenda de Formiga, para onde os doentes foram conduzidos, a fim de receberem tratamento e evitar a propagação da moléstia. Muitos moradores da comunidade transferiram suas residências para as fazendas, fugindo ao perigo do contágio. Três Pontas, Minas Gerais.
projeto partilha disse…
Consultando José Roberto Sales, através de sua obra, Espírito Santo da Varginha, encontramos duas citações sobre epidemias. A primeira (p.192), colocado da seguinte forma: " É possivel constatar a distância entre os interesses das elites e os do povo, lendo a ata da sessão extraordinária da Câmara Municipal, datada de 13 de novembro de 1918 e convocada em plena epidemia da gripe espanhola em Varginha. O distanciamento entre a Câmara e o povo foi constatada com indignação por Evaristo Gomes de Paiva Júnior, redator da ata".
A segunda citação vem à fls. 320:
2.1 - Varíola (Bexiga, Alastrim)
A Mensagem da Assembléia Legislativa de Minas Gerais de 1916, revela que no início do século XX, a varíola era "varíola para uns, alastrim para outros". A Mensagem de 1915, se refere ao alastrim como uma forma atenuada de varíola, caracterizada pela baixa mortalidade e a "pequenos focos de varíola e de alastrim", donde se conclui que o termo varíola era utilizado para se referir à forma mais virulenta da doença.
Diz Saturnino da Veiga (1874), referindo-se a Varginha: "Somente no ano de 1873 assolou uma epidemia de varíola, que atacando a grande número de pessoas, levou ao túmulo mais de 30 vítimas". Em outro trecho, "em fins do século XIX, quando da última epidemia de varíola que vitimou muita gente da região, foi construído um pequeno cemitério, no alto de uma das colinas centrais da localidade (Fazenda dos Tachos), já se uso há mais de 100 anos, restando apenas as bases de pedra do muro de adobe que o cercavam".
"O memorista Nico Vidal, publicou o artigo "Varginha antiga - A Espanhola", no jornal Gazeta de Varginha (1987). De acordo com o autor, a epidemia da gripe espanhola em Varginha iniciou-se na primeira quinzena de outubro de 1918, levando 189 pessoas a óbito".
projeto partilha disse…
São 19 os registros de óbitos na Freguesia do Carmo da Cachoeira, Minas, no ano de 1875. São eles:
Matias com 50 anos,
Francelina, filha de Joaquim Fernandes e Maria Cândida Branquinho;

Antonio José de Souza Arantes com 47 anos;
Esmeraldina, filha de Ana Luiza de Carvalho;
Ana Tereza de Jesus com 36 anos, solteira;
Francisco José das Chagas, viúvo com 60 anos;
Joaquim, filho de José Ambrósio e Francisca Pe. Fonseca;
Joaquim Elias com 38 anos;
Francisca, viúva;
Teodora Umbelina de Jesus com 49 anos, solteira;
Gabriel Flávio da Costa com 70 anos, casado;
Joaquim da Nação com 70 anos;
Augusto, filho de Manoel C. F. Borges e Maria Flausina de Cassia;
José, filho de Joaquim Pedro de Rezende e Mariana L. de Rezende;
Zeferino, casado com 28 anos;
Maria e Ana, gêmeas;
Emerenciana, filha de Francisca Pe. Fonseca;
José, filho de Manoel Ponciano de Brito;
Alexandrina Maria de Jesus com 50 anos, casada Pedro Dias do Nascimento.
projeto partilha disse…
Morre em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais com 60 anos, em 21.02.1876,
MARIA CLARA UMBELINA.

Assina, o Padre Antonio Joaquim da Fonseca.
projeto partilha disse…
Aos dois dias do mês de março do ano de hum mil oitocentos e setenta em seis, morre em Carmo da Cachoeira - Minas Gerais Arlinda, filha de LUCIANO PEREIRA PENHA e dona Mariana Leopoldina. Assina, Pe. Antonio Joaquim Fonseca.
projeto Partilha disse…
"aos dezessete dias do mês de julho do ano de hum mil oitocentos e setenta e oito morre em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais, JOSÉ Fernandes Avelino com 70 anos, casado. Assina, Padre Antonio Joaquim da Fonseca.
Grupo Santuário da Mãe Rainha disse…
Grupo do Santuário da Mãe Rainha faz homenagem ao Pároco Padre André, pelo dia do Padre comemorado em 04 de agosto.

Querido Padre André,

Ser padre é ser abençoado e verdadeiramente escolhido por Deus. Sem dúvida nenhuma, somente alguém que tem Deus ao seu lado é capaz de realizar tantos feitos como celebrar a Eucaristia, pregar o Evangelho, acolher os pecadores, orientar e acompanhar como somente um pai pode fazer. Um pai espiritual dado pelo Senhor para nos guiar no caminho da salvação.

Ser padre não é uma tarefa fácil! Deixar tudo e entregar-se completamente nas mãos do Senhor pede vocação, força e fé. Muita fé. O padre é um ser humano sujeito a fraquezas e também emoções e sentimentos. É claro que, em alguns casos, nem sempre os limites humanos são superados, mas a graça divina e a oração constante são a melhor ajuda para os momentos de dificuldade.

O padre precisa de nós tanto quanto nós dele. Precisa do nosso apoio, colaboração e compreensão; precisa do nosso amor, da nossa amizade e de nossas orações. Precisa que rezemos pedindo que Deus o santifique, ampare e console nos instantes de fraqueza; que Deus lhe dê animo e coragem para seguir confiante e com alegria em sua missão.

Este dia deve ser repleto de agradecimentos e louvor pelo padre que temos. Deve ser o dia de um abraço caloroso e fraternal, de um ‘muito obrigado’ sincero e de festa. Ter um padre em nossas comunidades é uma benção de Deus e isto precisa ser celebrado com muito amor e alegria.

Felicidades Padre André. Que Deus sempre o abençoe e guarde, hoje e sempre. E obrigado por ser tudo isso e mais um pouco para nós....
Por Shirley M.Naves

Grupo do Santuário da Mãe Rainha
Agosto/2008
Grupo Santuário da Mãe Rainha disse…
Grupo do Santuário da Mãe Rainha faz homenagem ao Pároco Padre André, pelo dia do Padre comemorado em 04 de agosto.

Querido Padre André,

Ser padre é ser abençoado e verdadeiramente escolhido por Deus. Sem dúvida nenhuma, somente alguém que tem Deus ao seu lado é capaz de realizar tantos feitos como celebrar a Eucaristia, pregar o Evangelho, acolher os pecadores, orientar e acompanhar como somente um pai pode fazer. Um pai espiritual dado pelo Senhor para nos guiar no caminho da salvação.

Ser padre não é uma tarefa fácil! Deixar tudo e entregar-se completamente nas mãos do Senhor pede vocação, força e fé. Muita fé. O padre é um ser humano sujeito a fraquezas e também emoções e sentimentos. É claro que, em alguns casos, nem sempre os limites humanos são superados, mas a graça divina e a oração constante são a melhor ajuda para os momentos de dificuldade.

O padre precisa de nós tanto quanto nós dele. Precisa do nosso apoio, colaboração e compreensão; precisa do nosso amor, da nossa amizade e de nossas orações. Precisa que rezemos pedindo que Deus o santifique, ampare e console nos instantes de fraqueza; que Deus lhe dê animo e coragem para seguir confiante e com alegria em sua missão.

Este dia deve ser repleto de agradecimentos e louvor pelo padre que temos. Deve ser o dia de um abraço caloroso e fraternal, de um ‘muito obrigado’ sincero e de festa. Ter um padre em nossas comunidades é uma benção de Deus e isto precisa ser celebrado com muito amor e alegria.

Felicidades Padre André. Que Deus sempre o abençoe e guarde, hoje e sempre. E obrigado por ser tudo isso e mais um pouco para nós....
Por Shirley M.Naves

Grupo do Santuário da Mãe Rainha
Agosto/2008

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…