Padre José Procópio Júnior em Carmo da Cachoeira

Imagem
Paróquia Nossa Senhora do Carmo sob nova guiança Editorial Sai Pe. Daniel Menezes, e assume como administrador paroquial da acolhedora cidade de Carmo da Cachoeira, em fevereiro de 2019, o Pe. José  Procópio Júnior.
"Não cabe à pedra escolher o lugar que deve ocupar no edifício. Assim também não cabe à nós criaturas ditar ao Criador o que deve acontecer em nossa vida, pois Deus é quem sabe e dispõe com sabedoria própria." − Dom Servílio Conti, IMC Como página que observa os acontecimentos neste pedaço de chão mineiro, limitado por montanhas e que, segundo o cachoeirense Padre Godinho, “todas são azuis”, registramos o remanejamento ocorrido entre padres ligados a Diocese da Campanha no ano de 2019. Entre as mudanças encontra-se a Paróquia Nossa Senhora do Carmo/Carmo da Cachoeira – MG.

Sai nosso querido Padre Daniel Menezes. Por ele continuamos a rezar e o devolvemos, entre lágrimas e a esperança de um dia tê-lo entre nós. Somos eternamente gratos e devedores. Entra, aureola…

Carmo da Cachoeira: Compra de votos em eleição.


Apenas como curiosidade, vamos transcrever alguns documentos dos tempos passados, tais como se encontram nos originais. O primeiro deles é uma representação dirigida a Câmara de Lavras, assinada por 62 eleitores, nos seguintes termos:

IIImos. Snrs. Prezidente e Bariadores da Camara

Dizem os abaixo asignados, moradores no Distrito de N.S. do Carmo de Boa Vista, Termo da Vila de Lavras, q. se procedendo a Elleição de Juiz de Paz e Suplente deste Curato, comforme Officio recebido do IIImo. Snr. Prezidente da Camara e estando a Meza reunida, e já se ter reçebido algumas Cedulas, sucitouse hua duvida de suborno praticado pr Bernardo José Pea q. sem respeito do Publico oferecia descaradamte a quem nelle votasse bebidas e refrescos, por este modo convocando aos incautos a que votassem, e como os abaixo asignados conhecem a imoralidedo Supdo homem richoso e pr ter mmo amiacado aos abitantes deste Curato com o pezo de sua vara qdoa impunhase e todos q. nelle Supdo não votassem q. tudo os abaixo asignados podem provar e como a Lei das Instruções proibe a q. nenhu Cidadão suborne, sob pena de perder os votos e o Código Criminal Tit. 3º Art. 101 determina Pena pezadas pr tanto os abaixo asingados vem imbargar a posse do Supdo do emprego de Juiz de Paz Suplente em qto não se reprezenta ao Exmo. Sr. Prezide da Provincia pa pr sua sabias diliberações mdar o milhor visto q. a Meza pr incuria não marxou em Ordem e como os abaixo asignados achão offendidos a mais milidroza das Garantias q. he cada individo votar livremte suprimiu este direito e cauzou grande pertubação a Meza alterando vozes no recinto da Capela preste modo evitando q. se multasse como era de dever e os abaixo asignados vem aprezentar a VV.SS. tudo isto e esperão q. VV.SS. anuindo a suplicas dos supdos convoqm ao imidiato.

E. R. M.

Esta representação não foi datada mas alguém escreveu nela, a lápis a data de 7 de janeiro de 1839. Não acho que esta data seja verdadeira, porque nas atas lavradas o livro próprio não há nenhuma que se refira a eleição feita em 1839, e também porque em 1839 não existia nenhuma capela por aqui e as eleições eram feitas em fazendas. Por conseguinte devemos supor que tal representação tenha sido feita depois de 1845.

Prof Wanderley Ferreira de Rezende

trecho do Livro: Carmo da Cachoeira: Origem e Desenvolvimento.

Próxima matéria: As vendas das cabeças no distrito de Boa Vista.
Matéria Anterior: Um Companheiro de Todas as Horas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.