Padre José Procópio Júnior em Carmo da Cachoeira

Imagem
Paróquia Nossa Senhora do Carmo sob nova guiança Editorial Sai Pe. Daniel Menezes, e assume como administrador paroquial da acolhedora cidade de Carmo da Cachoeira, em fevereiro de 2019, o Pe. José  Procópio Júnior. "Não cabe à pedra escolher o lugar que deve ocupar no edifício. Assim também não cabe à nós criaturas ditar ao Criador o que deve acontecer em nossa vida, pois Deus é quem sabe e dispõe com sabedoria própria." − Dom Servílio Conti, IMC Como página que observa os acontecimentos neste pedaço de chão mineiro, limitado por montanhas e que, segundo o cachoeirense Padre Godinho, “todas são azuis”, registramos o remanejamento ocorrido entre padres ligados a Diocese da Campanha no ano de 2019. Entre as mudanças encontra-se a Paróquia Nossa Senhora do Carmo/Carmo da Cachoeira – MG. Sai nosso querido Padre Daniel Menezes. Por ele continuamos a rezar e o devolvemos, entre lágrimas e a esperança de um dia tê-lo entre nós. Somos eternamente gratos e devedores. Entr

As malícias diabólicas do Estado do Brasil.

... as idéias de Benci, para quem as crises pelas quais passava a colônia eram causadas pela ausência de consciência cristã nos senhores. Para solucioná-las, deveriam deixar de ser infiéis, gentios, brutos, irracionais, homicidas, mentirosos e pecadores1. Deveria-se criar na colônia uma verdadeira cristandade através do reforço da noção de família e da depuração dos hábitos sexuais, sempre tão desregrados. Assim, vivendo de forma correta e dentro dos ensinamentos de Cristo, os senhores tratariam bem de seus escravos, e estes, não fugiriam.

Benci não era o único que pensava assim. Em 1728, foi publicada em Lisboa uma obra que tinha como único objetivo mostrar e sanear os problemas de ordem moral que ocorriam no Brasil. Entre os anos de 1728 a 1765, o livro teve cinco edições, o que demonstra sua aceitação pelo público leitor. Refiro-me ao "Compêndio narrativo do peregrino da América” que trata de vários discursos espirituais e morais, e muitas advertências e documentos contra os abusos que se acham introduzidos pela malícia diabólica no Estado do Brasil”2. Seu autor detectou inúmeros problemas de ordem moral na colônia e se propôs, através da parábola de um peregrino, a mostrá-los a fim de que fossem eliminados e que a fé verdadeira e pura pudesse ser vencedora da luta entre o bem e o mal. Para ele, diversos abusos eram cometidos no Brasil em nome da luxúria, da soberba e da vaidade, e as pessoas deveriam mudar suas formas de vida para que não fossem condenadas ao inferno. Com relação aos escravos, aconselha a paciência e que prestassem obediência aos senhores e, a estes, que fossem cristãos e que dessem bons tratamentos aos cativos a fim de que não fugissem.

Pode-se perceber que para todos os autores tratados aqui, o quilombo não era identificado como fazendo parte de um projeto de vida dos cativos. O escravo só fugiria se não tivesse um bom tratamento.

Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: Os negros escravos fogiam pois eram maltratados.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.

1 BENCI, J. op. cit. P. 80
2 PEREIRA, Nuno Marques. Compêndio Narrativo do Peregrino da América em que se tratam de vários discursos espirituais e morais e muitas advertências e documentos contra os abusos que se acham introduzidos pela malícia diabólica no Estado do Brasil. Lisboa, Oficina de Manoel Fernandes da Costa (Impressor do Santo Ofício), 1728.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

As três ilhôas de José Guimarães.

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.