Uma carta do Prof. Wandico para você.


Carmo Cachoeira, junho de 1975.

Caros amigos,

Quando pensei em escrever as páginas de que compõe o livrinho, Carmo da Cachoeira - Origem e Desenvolvimento, não tive em mira fazer obra literária, mas apenas passar para o papel, em linguagem simples e clara, tudo aquilo que eu sabia, por tradição ou baseado em documentos antigos, sobre as origens e desenvolvimento de Carmo da Cachoeira.

Descendentes de famílias das mais antigas que povoaram esta região, como Reis, Branquinho e Rezende, seria de admirar que eu nunca tivesse ouvido de meus avós, que por sua vez ouviram de seus antepassados, muita coisa do que por aqui aconteceu em tempos antigos. Por outro lado, os dados que consegui através de livros de atas e outros documentos originais foram gentilmente mandados pelo meu prezado amigo Ari Florenzano, muito me auxiliaram na realização desta obrinha.

Há tempos, conversando com o Dr. Joaquim Fernandes Vilhena Reis (1948) , que como seu saudoso pai e como leu muito se interessa pelas coisas do passado desta terra, eu lhe disse que estava encontrando sérias dificuldades em conseguir certos dados de que necessitava para escrever a história, mesmo resumida, de nosso município. Disse-me ele, então, que eu deveria escrevê-la mesmo com imperfeições, pelo menos para que não se perdesse tudo o que eu sabia, enquanto outros ignoravam. É o que estou fazendo. Sei que há lacunas e imperfeições sob vários aspectos, mas para alguma coisa deverá servir.

Apesar de pequeno, o livrinho por mim escrito está dividido em duas partes: a primeira foi escrita com base na tradição e em documentos originais; quanto à segunda, é composta de alguns trabalhos por mim escritos em 1957, a pedido do então vigário da paróquia. Revmo. Pe. Manoel Francisco Maciel, e publicados em "A Voz Diocesana", de Campanha. Neles se encontram aspectos da vida cachoeirense nos últimos 60 ou 70 anos e, por conseguinte, ligados à história do município. Por este motivo resolvi incluí-los na obra.

Quando algum outro puder fazer trabalho completo e mais perfeito, porque disponha de tempo e recursos para investigações mais profundas, poderão os cachoeirenses possuir uma história mais ampla e talvez mais exata de sua terra.

Por enquanto, deverão contentar-se com esta.

Wanderley Ferreira de Resende

trecho do Livro: Carmo da Cachoeira: Origem e Desenvolvimento.


Observações do Projeto Partilha:
Como o próprio professor registrou, ele é descendente de três ramos familiares de Carmo da Cachoeira: Reis, Branquinho e Rezende, portanto está ligado, em suas origens a fazenda Boa Vista de José Joaquim Gomes Brancquinho, que tem como sustentáculo a família Moraes, através de sua mãe Ângela Ribeiro de Moraes (Ângela Ribeira de Moraes) ;
Nesta carta, em nenhum momento o professor se referiu as outras famílias que fizeram parte da formação da sociedade cachoeirense, falando apenas, de suas origens e no decorrer de sua obra ele mostra outras presenças; e
O leitor deve compreender durante as leituras dos textos do professor, o contexto em que ele vivia na década de setenta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.