Pedágio em Carmo da Cachoeira, mais segurança e dinheiro para o município mineiro.


Carmo da Cachoeira não será a mesma. A grande revolução virá do dinheiro pago pelos usuário da rodovia Fernão Dias (BR-381), que liga São Paulo a Minas Gerais. Os pedágios provavelmente começarão a operar a partir do dia 15 mês de agosto.

Serão instaladas oito praças de pedágios na rodovia, duas no Estado de São Paulo e seis em território mineiro, uma dela no quilômetro 724 fica em território cachoeirense.

A concessão ficou com a empresa espanhola OHL, deverá antes de começar a cobrança da taxa, concluir as obras e passar por fiscalização da ANTT. e, caso haja aprovação, a concessionária terá o direito de iniciar as cobranças, desde que as praças de pedágio já estejam prontas.

Vidas serão também poupadas, pois a rodovia passará a contar com uma melhor pavimentação, sinalização, iluminação, dispositivos de segurança, os serviços de atendimento ao usuário, incluindo atendimento médico e mecânico de emergência, sistemas de circuito fechado de TV ao longo da estrada, guinchos, equipes de vigilantes, brigadas de combate a incêndios e centros de atendimento médico.

Se por um lado haverá um aumento do custo de transporte, por outro lado a cidade passará a receber os impostos referentes ao pedágio, e este, se bem administrado, poderá alavancar o crescimento do município.

Comentários

leonor rizz disse…
É por isso e muito, muito mais que se pode acreditar: O PARAÍSO É AQUI.
Rogerio Vilela disse…
A título de informação, aqui vão os numeros: A OHL pagará a todos os municipios cortados pela Fernão Dias, que é dividido em percentuais de extensão. Em Carmo da Cachoeira é cortada por 26 km, o que corresponde a 4% de toda sua extensão. Ao percentual de hoje do ISS cobrado pelo municipio que é de 3%, arrecadaria no ano R$ 199.000,00 - mas como tem municipio que cobra 5%, a OHL propos ao municipio que tbem. passe seu percentual para 5% - o que depende ainda da aprovação da Câmara, e que daria uma arrecadação anual na casa dos R$ 322.000,00 (trezentos e vinte e dois mil reais). É mais uma receita, que bem administrada, trará muitas melhorias para o municipio.
Sou contra privatizações, ainda mais com a instabilidade democrática que vivemos. Mas vivemos também uma realidade cachoeirense em que poucos tem muito.... que essa arrecadação seja utilizada em investimentos para aqueles que não tem, é uma questão de prioridade social do município!

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.