Os índios nas terras de Lavras do Funil, antiga sede do distrio de Carmo da Cachoeira.


Além dos obstáculos que a terra mineira apresentava aos que a vieram desbravar, pelo relevo acentuado, pelos rios invadiáveis, pelos sertões ínvios, pelas febres mortíferas e pelos animais ferozes, outros se encontram, devido à presença de tribos selvagens, algumas das quais ofereceram resistência ao invasor. Entre as mais antigas tribos que se estabeleceram em Minas, o historiador José Lúcio dos Santos assinala os Tupis, os Goiás, os Goianás, os Tupinakis, os Carijós, os Tupinambanás, os Aymorés, os Tapajós, os Tamoios, os Goitacás e os Cataguás ou Cataguases, nação que dominou o Sul de Minas, estendendo-se depois pelos sertões do Araxá e São Francisco.

O predomínio desta tribo foi tão grande que, primitivamente o território de Minas era conhecido como o "País dos Cataguás" e "Campos Gerais dos Cataguases" denominação esta que só desapareceu de todo depois de criada a Capitania de Minas, separada de São Paulo em 1720. Ocupavam desde o Sul de Minas, até o triângulo Mineiro, São Francisco, Oeste do Campo das Vertentes sendo suas trilhas aproveitadas pelos bandeirantes.

Habitavam seus povos em aldeias formadas de pequenas choças e alimentavam-se de caça, pesca, frutos e raízes, assentando-se à beira d´água (rios e lagos), nos sítios mais favoráveis à obtenção do necessário alimento, emigrando dali quando escasseavam os recursos. Serviam do arco e flecha e do tacape com grande destreza e eram profundamente supersticiosos, acreditando em espíritos subalternos, protetores alguns e malfazejos outros.

Em regra, devoravam os prisioneiros de guerra e não tinham propriamente um ritual, mas, cultuavam danças guerreiras e festivas. Os seus pajés não eram sacerdotes, mas feiticeiros e curandeiros. O seu governo e de caráter patriarcal e o chefe da tribo era o mais poderoso.

Jacy de Souza Lima (1968), em Lavras do Ouro e das Escolas com base em Batista Caetano de Almeida (1827), um dos principais folcloristas de seu tempo e cultor da língua tupi-guarani, relata-nos que o escriba real Bento Pereira de Souza Coutinho escrevendo ao rei de Portugal em 1694, sobre a descrição dos caminhos percorridos pela expedição de Fernão Dias, mencionando sobre a colina dos ferozes Cataguases alcançada pela força das armas quando concluía a primeira etapa da destemida bandeira antes de fundar o arraial de Ibituruna próximo à Cachoeira Afunilada do Rio Grande, ressaltando a grande valentia na resistência dos bandeirantes na luta travada com uma horda de índios nesta encosta, quando então os Cataguases chegaram atacando de surpresa com flechas, burdunas e tacapes sobre os caçadores de esmeraldas que revidaram o repentino ataque utilizando de suas armas de fogo e de seus bacamartes, causando terrores e pânicos aos belicosos íncolas que se viram obrigados a abandonar suas ocas nas redondezas da visada colina, evadindo-se para outras plagas, onde posteriormente, foram vencidos definitivamente por Lourenço Castanhos, no lugar que recebeu o nome de Conquista (Itaguara) indo embrenhar-se na bacia do São Francisco.

A relação dessa luta com a história de Lavras, está ligada a denominação do ribeirão Vermelho, entre a serra da Bocaina e as florestas do Rio Grande, que entretanto, serviu de palco para a violenta batalha entre os bandeirantes, desbravadores e caçadores de esmeraldas, e os índios Cataguases, habitantes naturais da região, quando, então, o sangue derramado, pelos corpos lançados nesse ribeirão, tingiram, simbolicamente, suas águas de vermelho. O município de Ribeirão Vermelho com seus 40,3 Km2 de extensão territorial, possui dois sítios arqueológicos pró-coloniais: Monte Alegre e Cacho de Ouro, testemunhos de antigos aldeamentos de grupos ceramistas.

A Formação Histórica de Santa'Ana das Lavras do Funil. de Márcio Salviano Vilela.

Comentários

Ademario disse…
Márcio Salviano Vilela, parabéns!

Belo talento, belos recortes! Quem te um Márcio em seu Estado ou Cidade - tem um cofre de sabença e ensinança!

Gostaria de saber sobre as antigas tribos de MG e em particular sobre aquelas que se localizavam ao norte de Minas. Vc tem alguma referência?

Saúde, paz e êxito!

Ademario Ribeiro - Bahia
Renata disse…
Olá..
Gostei muito...
Eu sou estudande de história da Universidade Federal de Juiz de Fora e estou fazendo uma pesquisa sobre os índios Cataguás..
Gostaria de saber as referencias que vc utilizou para fazer este trabalho e se em sua cidade é forte a tradiçao da suposta existencia dos índios Cataguás..
Eu sou de Cristais-MG e dae vem meu interesse por esse tema..
Agradeço muito se vc puder me ajudar e farei as devidas referencias se utilizar seu trabalho
Att
TS Bovaris disse…
O texto foi retirado da obra: A Formação Histórica de Santa'Ana das Lavras do Funil de autoria de Márcio Salviano Vilela. Não tenho a obra em mãos, mas a pesquisadora Leonor Rizzi poderá lhe passar maiores dados sobre o autor e suas fontes: leonrizzi@hotmail.com - Obrigado pela participação.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.