Os escravos forros de Minas entre 1786 e 1821.


A busca pelo passado perdido no momento da compra esteve também presente nos anúncios publicados: Natário, um crioulo de cerca de 30 anos, fugiu de seu senhor e foi para Coramatahi, de onde era natural1. Parece que a movimentação de fugitivos era constante não só dentro do espaço de Minas Gerais, como também entre Minas e Rio de Janeiro.

No dia 9 de abril de 1832, um anúncio publicava que 17 escravos haviam fugido de uma fazenda
situada em Campos dos Goitacases, Rio de Janeiro, e segundo o senhor sabia, teriam subido para Minas Gerais2. O mesmo aconteceu com Salvador, um preto Cabinda fugido da Corte3, e com quatro escravos de Antônio José de Souza Braga.4

Uma alternativa para o escravo fugido era fingir-se de forro. Misturando-se a uma população de escravos, mestiços, forros e escravos coartados, não deveria ser muito difícil se esconder nas cidades mineiras e passar como livre. Goulart5 apresenta dados interessantes sobre esta população em Minas Gerais: segundo ele, entre os anos de 1786 a 1821 a população forra variou de 34,4% a 41%. Assim, ter-se-ia os seguintes números de Minas Gerais:


Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: As fugas e as famílias dos escravos mineiros.
Texto Anterior:
O gancho de ferro ao pescoço não impediu a fuga.

1 Anúncio do Jornal "O Universal", 3.2.1832
2 Idem, 9.4.1832
3 Idem, 14.6.1830
4 Idem, 25.11.1831
Tabela (dados) - GOULART, Maurício.
Escravidão Africana no Brasil. São Paulo: Livraria Martins Fontes Editora S.A, 1950 228 Citado por Almeida, Carla Maria Carvalho de. Op. Cit. P. 106

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

A organização do quilombo.