Os escravos forros de Minas entre 1786 e 1821.


A busca pelo passado perdido no momento da compra esteve também presente nos anúncios publicados: Natário, um crioulo de cerca de 30 anos, fugiu de seu senhor e foi para Coramatahi, de onde era natural1. Parece que a movimentação de fugitivos era constante não só dentro do espaço de Minas Gerais, como também entre Minas e Rio de Janeiro.

No dia 9 de abril de 1832, um anúncio publicava que 17 escravos haviam fugido de uma fazenda
situada em Campos dos Goitacases, Rio de Janeiro, e segundo o senhor sabia, teriam subido para Minas Gerais2. O mesmo aconteceu com Salvador, um preto Cabinda fugido da Corte3, e com quatro escravos de Antônio José de Souza Braga.4

Uma alternativa para o escravo fugido era fingir-se de forro. Misturando-se a uma população de escravos, mestiços, forros e escravos coartados, não deveria ser muito difícil se esconder nas cidades mineiras e passar como livre. Goulart5 apresenta dados interessantes sobre esta população em Minas Gerais: segundo ele, entre os anos de 1786 a 1821 a população forra variou de 34,4% a 41%. Assim, ter-se-ia os seguintes números de Minas Gerais:


Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: As fugas e as famílias dos escravos mineiros.
Texto Anterior:
O gancho de ferro ao pescoço não impediu a fuga.

1 Anúncio do Jornal "O Universal", 3.2.1832
2 Idem, 9.4.1832
3 Idem, 14.6.1830
4 Idem, 25.11.1831
Tabela (dados) - GOULART, Maurício.
Escravidão Africana no Brasil. São Paulo: Livraria Martins Fontes Editora S.A, 1950 228 Citado por Almeida, Carla Maria Carvalho de. Op. Cit. P. 106

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.