Mito e história de Carmo da Cachoeira.


Tal como geralmente acontece na história dos povos, não podemos afirmar que tudo quanto ouvimos, desde a nossa infância, sobre o passado de Carmo da Cachoeira, seja totalmente verídico; baseiam-se tais informações na tradição, em narrações transmitidas de pais a filhos e poderão ter sofrido adulterações no decorrer dos tempos. Entretanto, queremos crer que tais adulterações, se de fato houve, não sejam tantas nem tão expressivas que modifiquem substancialmente a realidade dos fatos.

Sabemos que a 21 de julho de 1674, partida de São Paulo rumo a Minas, a célebre bandeira de Fernão Dias Paes. Afonso de Taunay, na sua "história das Bandeiras Paulistas", diz que sobre o itinerário da bandeira não há documentação precisa, mas apenas hipóteses; mas Capistrano de Abreu, em "Os Caminhos Antigos e o Povoamento do Brasil", afirma que o caminho seguido por Fernão Dias era bem conhecido e mais de uma vez foi trilhado por pessoas que do sertão vinham pedir reforços ou de Piratininga iam levando auxílios mandados pela família no decurso da expedição em que finalmente deixou a vida. Por sua vez, Augusto de Lima Júnior, em "A Capitania das Minas Gerais", baseando-se em Francisco Tavares de Brito, nos fornece o seguinte roteiro da Bandeira: Embaú, Pinheirinho, Rio Verde, Pouso Alto, Boa Vista, Caxambu, Baependi, Pedro Paulo, Angaí, Taquaintuba, Carrancas, Rio Grande, Tijuca, Rio das Mortes Pequeno, e São João del Rey.

Se seguirmos pelo mapa este roteiro, verificaremos que a bandeira dava muitas voltas, o que era natural, considerando-se que eram caminhadas feitas pelo sertão, com todas as dificuldades, atravessando rios e serras e, deste modo, procuravam-se sempre os lugares onde a marcha se tornasse mais fácil.

Pois bem. Segundo tradição corrente entre os velhos cachoeirenses, Fernão Dias, na sua penetração em território mineiro, esteve durante algum tempo parado na fazenda Boa Vista o primeiro local desta região, habitado por civilizados. Mas não confundamos esta Boa Vista com aquela outra que, conforme o roteiro de Francisco Tavares de Brito, estava situada entre Pouso Alto e Caxambu.

Estes fatos serão aqui narrados para que mais adiante possamos esclarecer, tanto quanto possível, a verdade sobre as origens de Carmo da Cachoeira.

Prof Wanderley Ferreira de Rezende

trecho do Livro: Carmo da Cachoeira: Origem e Desenvolvimento.
Próxima matéria:

Matéria Anterior:
Várias versões, mesmo fato, assim se faz a história.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.