Álvaro Dias de Oliveira, o agente postal cachoeirense.


Álvaro Dias de Oliveira, de tradicional família cachoeirense, irmão de Ernesto Dias de Oliveira, que morava na Praça da Matriz morador do districto do Carmo da Cachoeira testemunhou:
- durante perto de 30 anos agente postal local;
- na partilha dos bens da filha de Francisco Alves da Costa;
- em 28 de novembro de 1884 em casa de Francisco de Paula Gonçalves, o casamento de José Batista de Sant'Ana e dona Maria Secunda;
- em 11 de janeiro de 1905, assina como testemunha o testamento de Rita Victalina de Souza; e
- em 11 de outubro foi sepultado em Carmo da Cachoeira.

Comentários

projeto partilha disse…
O Projeto Partilha ao desenvolver seu trabalho de busca, alicerçou-se ao tratar da FAMÍLIA DIAS DE OLIVEIRA no trabalho do pesquisador ARY SILVA, na obra ÁRVORE GENEALÓCIA - FAMÍLIA DIAS OLIVEIRA - BUENO. Ao iniciar sua obra, Ary Silva faz uma homenagem póstuma a ARY FLORENZANO grafada nos seguintes termos: "A elaboração deste trabalho é dedicado em memória do se. ARY FLORENZANO, insígne genealogista, falecido em Lavras, a quem muito devo, pelo incentivo de continuá-la até o possível, a sua obra 'OS BUENOS DA FONSECA', Vol. V-433, ns.2-4. Que Deus o guarde". ARY SILVA.
A referida obra, após homenagear o genealogista Ary Florenzano, traz as fotografias da matriarca da FAMÍLIA DIAS DE OLIVEIRA, dona JESUINA CÂNDIDA DE OLIVEIRA; do casal ANTONIO DIAS PEREIRA DE OLIVEIRA e esposa TEODOLINA EULÁLIA DE CARVALHO; de SATURNINO DIAS PEREIRA DE OLIVEIRA, sua esposa BEMVINDA GUILHERMINA DA GAMA e a filha ORDÁLIA; de JOÃO DIAS DE QUADROS ARANHA e sua esposa CÂNDIDA FRANCELINA DE OLIVEIRA; de dona FLORENTINA CÂNDIDA DE OLIVEIRA; de dona LÍDIA CÂNDIDA DE OLIVEIRA e seu marido FRANCISCO CARLOS BULCHOOL; de dona ANA JOAQUINA TEIXEIRA, esposa de FILETO DIAS DE OLIVEIRA, e de dona AUGUSTA DIAS DE OLIVEIRA, mãe do autor do trabalho, ARY SILVA, primo do sr. Percy, conforme dedicatória presente na cópia do referido trabalho, e presente nos arquivos do Projeto Partilha. A dedicatória se apresenta nos seguintes termos: "Ao primo sr. Percy oferece (segue a assinatura do autor). Carmo, 13/09/87". O senhor Percy é o marido de dona Zilah dos Reis Oliveira, citada várias vezes durante este trabalho. Sentimos imensamente não poder mostrar as fotos aos internautas do Projeto Partilha. A má qualidade apresentada pela cópia da referida obra, impede-nos de fazer a partilha.
Ary Silva inicia sua abordagem através: 1- do CACIQUE TIBIRIÇA, pai de ISABEL DIAS (BARTIRA), casada com JOÃO RAMALHO e BEATRIZ DIAS, casada com LOPO DIAS;
2-do CACIQUE PIQUEROBY
irmão do Cacique Tibiriça), pai de: ANTONIA RODRIGUES, casado com Antonio Rodrigues, pais de: ANTONIA RODRIGUES, casada com ANTONIO FERANDES;
3- de PEDRO AFONSO - SL. Vol. 1, casado com a ÍNDIA TAPUYA, pais de MARIA AFONSO, casada com PEDRO ÁLVARES FERNANDES, em segundas núpcias;
4- do CACIQUE DA ALDEIA DE CARAPICUIBA (junto Mboy), pai de: FULANA DE GUASSÚ, casada com DOMINGOS LUIS GROU.
Ás fls. 87, sob o título DESCENDENTES DE 'AMADOR BUENO' O ACLAMADO - rei de SÃO PAULO - 1641, E COMO ADITAMENTO 'OS BUENOS DA FONSECA', inicia-se o estudo da Matriarca dona JESUINA CÂNDIDA DE OLIVEIRA, mãe de Antonio Dias Pereira de Oliveira, nascido em 1/11/1836, casado com dona Teodolinda Eulália de Carvalho, filha de Alípio José Teixeira de Carvalho, casado em Lavras, em 22/9/1827, com Áurea Maria da Silva, natural de Três Pontas, filha natural de Francisca Maria de Jesus e do tenente-coronel José Pereira da Silva Guimarães, natural de Portugal.
O senhor Álvaro em referência é filho do Sr. Antonio, nasceu em 07/04/1876 e faleceu em 17/10/1930 e foi casado com dona Ana Augusta Naves (aparece também como Anna), filha de João Augusto Naves (aparece também como João Antonio Naves) e dona Inácia Constância de Rezende (aparece também como Ignácia), nascida em 19/05/1847, filha de Severino Ribeiro de Rezende e Inácia Constânça da Costa Junqueira aparece também como Ignácia Leopoldina da Costa).
projeto partilha disse…
O Projeto Partilha tomou conhecimento, através de FAMÍLIA DIAS DE OLIVEIRA de Carmo da Cachoeira-MG, de um trabalho desenvolvido pelo senhor ANTÔNIO MUSA, casado com dona Evelina Afonsina da Fonseca Musa. Um dos filhos de ANTÔNIO e EVELINA, o JOSÉ AFONSO MUSA foi casado com dona Teresa Dias Musa, irmã de Álvaro Dias Pereira de Oliveira, casado com dona Edith e moradores em Carmo da Cachoeira -MG. Segundo os dados transmitidos durante o referido trabalho, dona Evelina Afonsina nasceu na FAZENDA DA BARRA, em Três Corações, filha de JOSÉ FERREIRA PINTO (BARRA) e de AFONSINA CORINA DA FONSECA. Foi homenageada com o título de Honra ao Mérito pela Câmara Municipal de Três Corações. José Ferreira Pinto (Barra), filho de Antônio Pinto Ribeiro e de Helena Cândida da Fonseca ou Helena Cândida Ferreira, fazendeiro em Três Corações e depois em Fama. Segundo o trabalho desenvolvido pelo senhor ANTÔNIO MUSA, dona Helena Cândida e o senhor Antônio Pinto Ribeiro foram pais de 9 filhos. Além de José Ferreira Pinto (Barra) já mencionado; Maria Carolina Ferreira; Antônio Ferreira Pinto (Barra); Joaquim Ferreira Pinto (Barra); Anna Carolina Pinto (Barra); Cândida Carolina Ferreira; Vicente Ferreira Pinto; João Ferreira Pinto e Elizário Ferreira Pinto.

Dona Afonsina Corina da Fonseca e dona Elisa Cândida da Fonseca foram filhas de FRANCISCO BATISTA DA FONSECA e de dona MARIANA CÂNDIDA DA FONSECA e moradores na FAZENDA CAMPO FORMOSO, no município de São Bento Abade/ Três Corações-MG.
Dona AFONSINA CORINA DA FONSECA foi casada com JOSÉ FERREIRA PINTO (BARRA) e tiveram os seguintes filhos: Mariana Barra do Prado; Helena Pereira da Silva; Maria Afonsina Cambraia; EVELINA AFONSINA DA FONSECA MUSA e Antônio Pinto da Fonseca, sogros de Teresa Dias Musa, irmã de Álvaro Dias de Oliveira casado como dona Edith e moradores na Praça Nossa Senhora do Carmo, em Carmo da Cachoeira-MG.
O magestoso casarão colonial da VELHA FAZENDA DA BARRA foi demolido recentemente. Era avistado pelos que passavam pela rodovia Fernão Dias. Ainda permanece no local defronte ao casarão demolido, uma imensa paineira que chama a atenção dos viajantes em seu período de floração. No outono, a frondosa árvore se cobre de branco emitindo, em seu silêncio, mensagens de paz e harmonia.
Não confundir a "FAZENDA TRÊS BARRAS" citada no estudo "FRANCISCO XAVIER DA CRUZ NÃO FOI MORADOR DE VARGINHA", de nosso colaborador JORGE FERNANDO VILELA, autor da obra O SERTÃO DO CAMPO VELHO. Esta poderá ser assim definida: (...) "nas terras que se estendem ao longo dos vales dos ribeirões do Maranhão e Água Limpa. A Fazenda de Francisco Xavier da Cruz era vizinha da "FAZENDA TRÊS BARRAS" e da "FAZENDA DO MARANHÃO", ambas no município de Lavras, onde existem com o mesmo nome até hoje"(VILELA, 2004).
A "FAZENDA TRÊS BARRAS" de Três Corações foi conhecida, e é ainda lembrada hoje pelos descendentes dos proprietários e de antigos empregados da antiga FAZENDA ITAMARATY, como A VELHA FAZENDA DA BARRA, de João Bernardes Pinto.
Anônimo disse…
***Por favor..minha avo se tem o sobrenome dias de oliveira e é originaria da bahia..alguma conhecidencia ou parentesco?

Ficarei agradecido se responderem..sinto muito falta dela..

emanuelbatera@gmail.com
Anônimo disse…
tenho uma irmã por nome de theodolina dado pelo nosso pai em homenagem a nossa bisavó uma india gostaria de saber temos parentesco em comum
no aguardo
j.s10@hotmail.com
DANIEL DE SOUZA disse…
OLÁ MEU NOME É DANIEL ,PROCURO MINHA AVÓ CATARINA DIAS DE OLIVEIRA E GOSTARIA DE SABER SE ELA FAZ PARTE DA GENEALOGIA DO SITE JÁ QUE PELO POUCO QUE SEI ELA ERA DE LAVRAS,TENHO POUCAS INFORMAÇÕES SOBRE ELA MAS ACHO QUE POSSO ENCONTRAR MAIS DETALHES

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.