A despedida do maestro José Augusto Terra.

Coqueiral, 10 de abril de 1970.

Um adeus ao maestro José Augusto Terra.

Foram com estas palavras que o Dr. Breno Soares seu grande amigo se despediu, após acompanhar o toque de silêncio e Adágio Funebre executados pelas Banda Musical do 12 do Batalhão da Polícia Militar:"Aqueles acordes comovedores, na hora penumbral e cor das violetas de Nossa Senhora da Despedida, bem simbolizaram, aqui na Terra, José, o definitivo silenciar do teu piston mágico, do teu próprio e imperturbável silêncio.Por tudo, livre do contingente, transite a tua alma redimida, agora e sempre, os caminhos clarificados do Senhor das Luzes! Muito além dos tumultos da matéria. Bem próximo das resplandecências astrais, onde imensa, extasiante e permanente Orquestra é indiferente ao escancaramento do túmulo, que zomba da fragilidade da Vida!...

Otávio J. Alvarenga, Terra dos Coqueiros - 1974.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.