As eleições no antigo distrito de Boa Vista.


Quando ainda criança, sempre ouvia meus avós e meus tios comentarem sobre a importância da fazenda da Boa Vista na vida desta região. Diziam eles que naquela fazenda até eleições se faziam.

Naquela época eu não podia compreender muito bem o significado de tais comentários e mais tarde julgava que havia certo exagero no que diziam. Porém, há algum tempo meu prezado amigo e paciente genealogista Ari Florenzano descobriu em Lavras, e teve a gentileza de nos remeter, alguns livros de atas e outros documentos que datam no ano de 1833 e anos posteriores, que vieram confirmar tudo quanto meus avós contavam sobre os acontecimentos da Boa Vista. No mais velho desses livros, por exemplo, encontra-se o seguinte termo de abertura:

"Servirá este livro para nele se lançarem as Actas das Eleições para Juízes de Paz do Distrito da Boa Vista, e vai numerado e rubricado com o meu apelido - Teixeira - de que uso e no fim se achará o termo de encerramento declarando o nº de folhas que contém. Lavras do Funil, 1º de junho de 1833. O Presidente da Câmara, Francisco José Teixeira e Souza."

Neste livro estão as atas de quatro eleições para Juízes de Paz do Distrito da Boa Vista:
a a primeira delas, datada de 9 de junho de 1833, foi feita na Matriz de Lavras do Funil, Comarca do Rio das Mortes, tendo sido eleitos o Capitão João Damasceno Branquinho, residente na Boa Vista, o Capitão Joaquim Fernando Ribeiro de Rezende (Joaquim Fernandes Ribeiro de Rezende) , da fazenda das Abelhas e o Alferes Luís Gonzaga Branquinho, da fazenda Serrinha;
a a segunda eleição foi realizada na casa de residência do Juiz de Paz suplente, Martinho Dias de Gouvêa, da fazenda do Rancho, sendo eleitos o mesmo Martinho Dias de Gouvêa, Joaquim Fernando Ribeiro de Rezende e João Damasceno Branquinho. Esta eleição foi a 7 de setembro de 1836;
a a terceira, em 7 de setembro de 1840, foi na casa de residência do cidadão Joaquim José Pereira, da fazenda do Rio do Peixe; e foram eleitos Joaquim José Pereira, Francisco Joaquim de Souza e Francisco dos Reis Silva; e
a a eleição de 7 de setembro de 1844, última cuja ata s3e encontra no livro, foi feita na casa de residência do Capitão João Damasceno Branquinho, isto é, na fazenda da Boa Vista, sede do Distrito e foram eleitos Gabriel José Junqueira, Francisco Daniel da Costa e Joaquim Antônio de Abreu.

Naquela época era escrivão do Juiz de Paz o senhor Manoel Teodoro Neto, carpinteiro, residente na fazenda do Campo Limpo.

Prof Wanderley Ferreira de Rezende

trecho do Livro: Carmo da Cachoeira: Origem e Desenvolvimento.
Próxima matéria: Várias versões, mesmo fato, assim se faz a história.
Matéria Anterior:
Uma carta do Prof. Wandico para você.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.