Pular para o conteúdo principal

A matriarca Maria Secunda Ribeiro, Padre Edigard Sant'Anna com suas irmãs e seu cunhado.


Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Comentários

projeto partilha disse…
Pe. Edgard, suas 2 irmãs e cunhados e a vovó muito amada por ele, dona Secunda.
Anônimo disse…
Distrito da cidade de Carmo da Cachoeira, comarca de Varginha - MG

"Certifico, a requerimento da pessôa interessada, que revendo, em meu cartório, os livros de registro de casamento, no de n.1, fls.47 a 48, consta o termo do teor seguinte: 'Aos vinte e oito dias do mês de novembro de mil oitocentos e noventa e quatro, do ano do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo, em casa do cidadão Francisco de Paula Gonçalves, onde eu fui vindo, compareceram para se casar José Batista de Sant´Ana e dona Maria Secunda, aquele filho legítimo de João J~sé de Santana e de dona Francisca Batista da Fonseca, nascido em São Tomé das Letras, e a contraente filha legítima de Vicente Luiz Ribeiro e de Maria Teodora do Nascimento, ambos já falecidos, nascida em Campo Belo, Minas, ambos hoje residentes neste distrito. Cumpridas as formalidades da Lei, e não tendo aparecido impedimento algum, o Juiz fez os mesmos nubentes repetirem a formula legar, em presença de suas testemunhas Eduardo Alves de Gouvêa e Francisco de Paula Gonçalves, e declarado finalmente o juiz que em nome da Lei, considerava os mesmos nubentes casados. E como nada mais houvesse, mandou o Juiz lavrar o presente, em que assina o Juiz, nubentes e pessôas do povo que quizerem. Eu, Adelino Eustachio de Carvalho, Escrivão de Paz e Oficial do Registro Civil que escrevi e assino". Seguem as seguintes assinaturas: Adelino Eustáchio de Carvalho; Eduardo Alves de Gouvêa,fazendeiro; Francisco de Paula Gonçalves, 31 anos, negociante; Carolina de Gouvêa Vilhena; Manoel dos Reis Silva; José da Fró(rasgado)..celo; Álvaro Dias de Oliveira; Antonio Vilhena. "É o que contém o livro e fls., para aqui fiélmente transcrito "verbum ad Verbum". O referido é verdade e dou fé". Carmo da Cachoeira, 16 de (ilegível de 1942. Selado, assinado e carimbado como: José Godinho Chagas, Escrivão de Paz. Carmo da Cachoeira - Minas.

O Projeto Partilha agradece a colaboração da FAMÍLIA SANT´ANA que disponibilizou tão importante documento.
col. em Coqueiral disse…
JOAQUIM JOSÉ DE SANTANA, casado com ANA OU ROSA ANTÔNIA DA PORCIÚNCULA, são pais de João Antonio Barbosa, casado a primeira vez em 1834, com dona Rosa Maria da Conceição, que aparece também, em alguns documentos como Rosa Maria de Jesus.
Projeto Partilha disse…
Errata. Tipo de erro, denominação do postador. Leia-se, PROJETO PARTILHA e não como constou, anônimo, por erro de postagem. O artigo refere-se ao requerimento e certidão de casamento de José Batista e dona Secunda, a nós enviado pela FAMÍLIA SANT´ANA.
projeto partilha disse…
Neste domingo, quando Coqueiral se faz presente, vamos ouvir Otávio J. Alvarenga, da Academia Belo-Horizontina de Letras, em sua obra, "Terra dos Coqueiros", Reminiscências. Minas Gerais. 1978. Segunda edição, de quem Plinio Mota em 1939 diz o seguinte: 'Já palmilhei "A ESTRADA DE DAMASCO". E, como Saulo, transmudei-me em Paulo, recebendo a água lustral de tua maravilhosa Arte. Pelo conseguir tamanho trato, no teu longo jornadear artístico, impende muito talento a pari passou de muita cultura literária. Há em teu magnífico volume, uma cópia de imagens, qual a qual mais formosas, que nos assoberbam o espírito. Anotei-a, todas, e arrecadei-as em meu "dossier" de obras primas'. Pois, é desta obra que transcraveremos, no próximo comentário, trechos que aproxima Cachoeira dos Rates de Terra dos Coqueiros, através de sua gente, suas genealogia. O Projeto Partilha rendeu homenagem a Otávio J. Alvarenga, no ano do sesquicentenário da Paróquia de Nossa Senhora do Carmo, Carmo da Cachoeira - MG. Diocese da Campanha. Vigário, Pe. André Luiz da Cruz.
Projeto Partilha disse…
Em Terras dos Coqueiros, Otávio J. Alvarenga às fl. ll, fala sobre a fundação de Coqueiral-MG, relatando da seguinte forma: "CORRIA o último quartel do século XVIII. Morto já era FERNÃO DIAS PAES LEME". Esclarece em nota de rodapé o seguinte: "Para Afonso A. de Taunay, o famoso bandeirante nunca usou o nome LEME. Quanto a nós, porém, temos ainda dúvida e continuamos a usá-lo. Não sabemos se a genealogia de FERNÃO alcançava, ou não, a de PEDRO LEME, pai de Leonor LEME, vinda de Funchal (Portugal). Casou-se ela com Braz Esteves, em São Paulo. Desse casamento, segundo Frei Gaspar da Madre de Deus, descenderam os LEMES da CASA DE SANTANA". Fl. 13, lê-se mais: "(...) Sob o tremular dessas Bandeiras, com a esperança irmanadas, passou a expedição por Pindanhonhangaba, Guaratinguetá. Através do Vale do Paraíba do Sul, chegou à Mantiqueira, transpondo-a, em íngreme e escabrosa caminhada, pela garganta do Embaú. (Em nota de rodapé esclarece: Antes de feita e fechada a famosa tranqueira do guarda-mor João Veríssimo de Carvalho). Vadeando outros rios, grimpando nas serras, transpondo florestas, enfrentando feras, índios, alimentando-se de frutas silvestres e de mel de abelha, de pesca e de caça, aqui chegou no ano do nascimento de D. João VI, ainda por via das, hoje, Cidades de São Gonçalo do Sapucaí, Campanha, Três Corações, Carmo da Cachoeira e margem do Rio Grande".
"Nos ínvios sertões de Cataguás, que não resistiram ao combate homérico de um Lourenço Castanho Taques e de seus estrênuos companheiros. (Em nota de rodapé esclarece: No dealbar do9 ciclo do ouro, vários roteiros eram palmilhados pelos homens das Entradas e Bandeiras, da Vila de S. Paulo até às Minas Gerais dos Cataguás, no batismo do então Governador Paulista Artur Sá. Por um deles, no curso aproximado de dois meses, a caminhada assim se fazia: partindo os caminheiros da referida Vila de S. Paulo, passando por N. Sa. da Penha, Taquaquissetuba, Mogy, Laranjeiras, Jacareí, Taubaté, Pindamonhangaba, Guaratinguetá, atravessava a Mantiqueira pela garganta do Embaú. Passando, depois, pela estalagem do Rio Verde, Ubay, Ingay, atingiam o Rio Grande, do qual iam ao Rio das Mortes e, a seguir, à Serra de Itatiaia. Dali, em bifurcando, iam a N. Sa. do Carmo, Vila Rica e Rio das Velhas".
"Também se veio realmente, a caravana sob a chefia de Matias da Silva Borges, pela trajetória que aludimos. Foram, pois, ao embalo e ao fascínio dos seus sonhos áureo-verdes, os pioneiros, os desbravadores. Do seu impulso telúrico, da sua ambição, o bandeirantismo. Deste nascia sempre mais um sinal no mapa geográfico da Terra, que amanheceu sob o signo abençoante e luminoso da Cruz!".
projeto partilha disse…
Ainda ouvindo o academicista Otávio J. Alvarenga, fl. 15 em, PRIMEIROS POVOADORES.
"Logo após a fundação do burgo, ainda de Taubaté, o fundador Matias da Silva Borges, providenciou a vinda de sua esposa Mariana Joaquina do Sacramento. De parentes e de outros companheiros seus. Pouco depois, de São João del-Rei, o Cap. João Manuel de Siqueira Lima, com seus amigos e parentes, aqui aportou, apossando-se das terras situadas nos lugares, hoje, conhecidos por "Coqueiros", "Córrego da Colher" e "Marimbondo". Dos lados de Conceição do Serro, vieram uns tropeiros e peões chefiados por João Sacramento. Com o Cap. Manuel, vieram, dentre outros: Abílio Lélis Pereira, Antônio Furtado de Mendonça (pai e filho) e Jerônimo da Mata".
Mariana Joaquina do Sacramento, filha de João Pereira Lisboa e Águida Maria da Conceição, encontra-se grafada também como Agueda, casada com Matias da Silva Borges, é irmã de Rosa Maria da Conceição, casada com Francisco de Faria Leite.






Fl. 17, em GENEALOGIA LOCAL
projeto partilha disse…
Segundo consta procedente de São João del Rei e primeiro comandante da Companhia dos homens pardos libertos, criada em 26/03/1781, o capitão João Manuel de Siqueira Lima (II, ou Junior), segundo Otávio J. Alvarenga fl. 17, foi "casado com Rita de Jesus, natural de Santa Catarina da Costa Branca (Fayal, uma das três ilhas do Arquipélago dos Açores). João Manuel I, casado com Joaquina Guilhermina. Filho do capitão João Manuel de Siqueira Lima era Antônio Ferreira de Siqueira, de quem descende, além de outros, Joaquina Guilhermina das Dores, casada com Francisco Miguel da Silva, pais de Jonas Miguel do MONTE CLARO". Em Silva Leme, p. 488, Joseph Ferreira da Costa, branco, 48 anos, casado com dona Joanna de Toledo teve, entre outros JOÃO DE PIZA CASTELHANOS, casado com dona Maria MONTE CLARO, filha do sargento-mor Manoel Pinto Barbosa.
Ao falar nas FAMÍLIAS FIGUEIREDO, VILELA, ANDRADE, JUNQUEIRA e REIS, Otávio Alvarenga diz: "Arrimando as nossas pesquisa em linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José do Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda, ratificamos a ascendência mais remota, conhecida, em MANUEL GONÇALVES CORRÊA(o Burgão) e em Maria Nunes"(Açoreanos). Especialmente falando da ilhoa Julia Maria da Caridade, casada com Diogo Garcia diz, p. 18: "Deste casal descendem, além de outros, se incontestáveis as fontes em que nos louvamos: Cap. Mateus Luís Garcia, um dos fundadores de Nepomuceno, ao lado de José Simões de Aguiar, Francisco da Silva Teixeira, ALKFERES FLÁVIO ANTÔNIO DE MORAIS e outros".
projeto partilha disse…
Segundo a obra "A Terra dos Coqueiros", as Famílias ALVES e TEODORO tem sua ascendência vinda dos filhos de JOAQUIM JOSÉ ALVES, de quem, por igual, descendem os AQUINO ALVES, da Cachoeira, na pessoa de ANTÔNIO INÁCIO DA COSTA, casado que foi com Maria Diniz Junqueira. Desse casal, descende FRANCISCO INÁCIO DE SOUZA, nascido em 1803, casado que foi com Ana Francisca de Paula, que era filha de Francisco Antônio de Sousa, morador " há mais de um século, no sítio de sucessores de Leonides Alvarenga". Marta Amato diz: Antonio Francisco de Sousa (...) 1862. Este nome liga-se a família Morais, através de Maria de Morais Ribeiro, Sesmaria Serra das Bicas (1759).
projeto partilha disse…
Ana Elídia.

Os nomes Elídio é significativo em nossa busca. Cipriano/ Cipriana e Felizarda, também. Em sua forma feminina encontramos algumas referências e, sempre que aparece o colocamos em foco na expectativa de que possa haver ligação com a Família Rates. Aqui, p. 33 de Terra dos Coqueiros temos a seguinte: José Borges, português do Minho, Província da Beira Alta, casado com Ana Felizarda de Figueiredo, proveio a família Borges Freire. A terceira filha do casal, dona "ANA ELÍDIA DE FIGUEIREDO FREIRE - casada que foi com João Delmonte Freire" deixaram descendência em Coqueiral, sendo dois deles, José Cipriano Freire e Maria José Freire Silva. Foi casada com Casimiro Antônio da Silva, cujos filhos constituem verdadeiro patrimônio moral, intelectual e cívico, constituído de expoentes assim:deputado Geraldo Freire da Silva, José Freire Silva, Dorival Freire Silva, Laércio Freire Silva, Palmira Freire Barbosa. Ainda descendem de Ana Elídia de Figueiredo, através de Castorina Freire Maia (...) homens de alta ciência e verdadeiro orgulho para Boa Esperança e Coqueiral.
projeto partilha disse…
Dona Ana Maria de Oliveira.

Natural de São João del Rei, filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Casou-se com o bracarense, capitão Bento de Faria Neves. Em 1769, nasce o filho do casal Bento de Faria Neves Júnior que casou-se a 16-2-1792, com RITA DE TAL, em Lavras, "sendo ali batizada em 26-7-1774. Era filha de Nicolau Martins Saldanha e de seu primeiro casamento, Inácia Maria de Barros. A primeira filha de Nicolau e Inácia, Maria Joaquina do Espírito Santo casou-se com JOÃO GARCIA LEA, irmão de JANUÁRIO GARCIA LEAL - o sete orelhas. O segundo casamento de Nicolau Martins Saldanha foi com dona Maria Josefa de Gouveia ou Aguiar, filha de Josefa de Oliveira e Mathias Fernandes da Silva. Segundo Otávio Alvarenga, BENTO DE FARIA NEVES JÚNIOR, casado com RITA DE TAL em 1792, deixou com descendência em Lavras: capitão João Bento de Faria, que foi casado, primeiramente, com Emília Esmeraldina de Faria e, depois, com Irene da Costa Ribeiro; João Domingues de Faria, casado com Joana Pereira e Margarida Neves de Faria, de quem foi esposo Gonçalves Pereira de Araújo. Outros filhos em que Otávio Alvarenga não especifica a localização de destino: cap. Joaquim Silvério de Faria; Raohael de Faria Marins e Bento José de Faria.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…