O fracasso de Pamplona e á tensão na região dos Botocudos.

Em 1782, Pamplona liderou uma expedição que tinha por objetivo exterminar este grupo e limpar a área. Ao que tudo indica, não conseguiu realizar plenamente seu intento, já que Cláudio Manoel da Costa em 1824, relatava que na área que dividia a Capitania de Minas Gerais com a de Goiás era grande o número de Caiapós, “que em contínuo giro anda acometendo aos viandantes, que por aqueles sertões transitam...1
Os índios do grupo Botocudo sofreram também uma perseguição implacável. Eram acusados de serem terríveis e de não aceitarem qualquer contato pacífico. Há que ressaltar, contudo, que eram denominados como Botocudos todos os índios que usavam botoques nos lábios e nas orelhas, não faziam parte do grupo Tupi e eram hostis ao contato com o branco. O grupo Puri, confundido inúmeras vezes com eles, vivia no Sul de Minas Gerais, no Norte do Rio de Janeiro, no Sudoeste do Espírito Santo e no Nordeste de São Paulo e sofreu constantes guerras justas. Os que restaram foram, muitas vezes, transportados de um lado para outro a fim de liberar novas áreas de terras aos colonos. Desta forma, índios que viviam em Minas Gerais foram levados aldeados para o Espírito Santo para abastecer a região com uma mão-de-obra alternativa e mais barata que a escrava. Assim, ficava mais difícil a fuga porque eles perdiam seus referenciais geográficos e culturais. O Comandante do Arraial do Cuieté, em uma carta enviada ao Governador Valadares, reclamava destes mesmos grupos e afirmava que eles eram muito bravos e que várias regiões eram povoadas e posteriormente despovoadas por causa deles:
"...há sem dúvida que o gentio Botocudo e Poris são as nações mais brabas que há e os que tem infestado com distúrbios os moradores de Santa Rita, São José, Ribeirão do Macuco, Santa Anna do Abrecampo e o próprio Cuieté, despovoado três vezes por conta do mesmo, roubando e destruindo tudo de tal sorte que se acham muitos sítios desertos e povoações solitárias... a causarem os danos que se experimentam fazendo com o temor das suas crueldades que os moradores se não alarguem a explorarem os córregos que se acham na Barra do rio Cuieté até o Mainguassu...” 2
No ano seguinte, em uma outra carta, confirmava a natureza agressiva dos Botocudos e afirmava serem antropófagos, “sustentando-se de carne humana, tanto dos índios que matam como dos católicos...”. Em função de todos os problemas causados pelos Botocudos, sugere sua completa extinção. 3
Entretanto, alguns dias antes, já havia sido dada uma ordem de ataque a estes indígenas acusados de responsáveis por algumas mortes na região do Pegabem. 3


Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.
Próximo Texto: Deus e as mortes, roubos e insultos que tem feito os gentios Payaguazes.
1 COSTA, Cláudio Manoel da. Memórias e notícias referentes a Provincia de Minas Gerais. -Biblioteca Nacional, Seção de Manuscritos - II. 36,9,30
2 Carta de Paulo Mendes Ferreira, Comandante do Cuieté ao Governador Valadares, em novembro de 1769. Arquivo Conde de Valadares -Biblioteca Nacional, Seção de Manuscritos 18,2,6
3 Carta de Paulo Mendes F. Campelo ao Conde de Valadares, em 23 de abril de 1770, Cuieté. Arquivo Conde de Valadares -Biblioteca Nacional, Seção de Manuscritos. 18,2,6 doc. 229

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.