Hotel Brasil de Carmo da Cachoeira de João Villela Fialho.



O antigo Hotel Brasil, ficava na Praça do Carmo, onde foi a residência de João Vilela Fialho, na esquina com a rua Antônio Justiniano dos Reis, onde Rubens, antigo morador da fazenda das Abelhas e pertencente a tradicional família Resende, conta-nos que, até pouco tempo mantinha guardada uma lembrança que apanhou lá no fundo de um "profundo valo", que era a referida rua. Quando ainda era criança e brincava com os amiguinhos pela cidade, o valo era um desafio a ser superado nas brincadeiras, pelo que parece o local dividia propriedades rurais.

"Segundo os velhos cachoeirenses o terreno hoje ocupado pela cidade fora doado, uma parte, da rua Antônio Justiniano dos Reis para leste, pelos Rattes e a outra parte pelo tenente coronel da Guarda Nacional, José Fernandes Avelino, fazendeiro, que fez construir e nele residiu, o velho casarão situado na esquina da Praça do Carmo, onde está hoje (1975) a casa do Sr. Júlio Garcia e antes pertencera a sua mãe, D. Felícia Ambrosina Garcia". (Prof. Wanderley Ferreira de Rezende)

Esta casa citada pelo professor Prof. Wandico, corresponde a casa de estilo colonial e centenária da rua Artur Tiburcio. Ela aparece na foto de ordenação do Padre Godinho, pelo poente, contrapondo-se a casa que foi o Hotel Brasil e que tinha um valo em sua lateral, está a um quarteirão de distância desta onde morou dona Maria Clara Umbelina.
No largo da Matriz moravam vários membros das famílias Vilela e Dias de Oliveira. Segundo dados genealógicos da família, Antônio Dias de Oliveira, nascido em 1836 e casado com dona Teodolinda Eulália de Carvalho foram pais de Corina Eulália de Carvalho, sétima filha do casal, que em 1887 casou-se com Antônio de Rezende Vilela, e destas união vieram doze filhos, entre eles Átila.
"Átila de Oliveira Vilela, nascido à 02/11/1892 e casado com Alice Junqueira de Andrade, nascida em 18/10/1899, filha de Adelino José Ferreira, nascido em 24/11/1867 e Cândida de Andrade Junqueira, nascida em 12/01/1882, pais de Nilo Vilela Junqueira, nascido em 23/09/1919, casado com dona Leda. Além de Átila, Antônio e Corina teviveram outros fílhos, entre eles, o Percy de Oliveira Vilela casado com dona Zilah, sobre o qual sua filha Dirce nos enviou os dados já publicados. Família tradicional e muito respeitada na cidade."
Segundo Jorge Fernando Vilela, a foto publicada aqui era a "residência do Sr. Átila, pai do senhor Nilo Villela. As pessoas estão assistindo ao evento das "Missões que aconteceram em 1950". Esta casa ainda hoje pertence aos herdeiros da família.

Comentários

projeto partilha disse…
Errata. Tipo de erro: Conceitual. O sr. João Vilela Fialho não foi prefeito em Carmo da Cachoeira. Foi cidadão atuante, no entanto, não ocupou cargo administrativo. Liga-se mais aos movimentos de representação popular. Mobilizou pessoas, e encaminhou a Câmara Municipal de Varginha carta/documento solicitando, em nome da população, a emancipação do distrito. Teve papel relevante no progresso da cidade, no entanto, não foi prefeito. Seu nome será lembrado sempre com muito carinho pelos cachoeirense. A Câmara Municipal da cidade mantém a galeria com as fotos de seus presidentes. Entre eles, a de João Vilela Fialho.
projeto partilha disse…
O Juiz de Paz, João Vilela Fialho,assinando do lugar denominado FAZENDA DOS PINHEIROS, em 21 de agosto de 1863, dá visto de aprovação a uma declaração de JERONYMO FERREIRA PINTO VIERA, morador na freguesia do Carmo da Cachoeira, na qual diz: João Bernardes, morador nesta mesma freguesia é devedor da quantia de 69$390 e Silvério Alves Chaves, morador nesta freguesia é devedor 27$282".
projeto partilha disse…
João Villela Fialho, participa de uma Audiência de Conciliação entre José Fernandes Avelino e sua mulher Maria Clara Umbelina e José dos Reis e Silva e Mariana Theodora de Figueiredo. Queixa José Fernandes de que o sr. José Reis tem usado de uma estrada que segue de sua casa, entra no pasto de Joaquim Antonio para chegar a freguesia e que, segundo acordo de Cavalheiro, "o sr. José Reis havia dito que dizistia do dito caminho para abrí-lo no seu pasto com a condição porém que os autores não poderião tapar a porteira do mesmo pasto aonde segue para o Ribeirão passando pela tapera de José Pedro (...)". Assinam o termo, o Juiz de Paz em exercício José Celestino Terra;João Villela Fialho; José Fernandes Avelino; Maria Clara Umbelina; José dos Reis e Silva; Marianna Theodora de Figueiredo; Antonio Joaquim Alves e Domingos Gomes da Costa.
colab. em Lavras disse…
Guerino Ferreira de Oliveira e seu filho Joaquim, moradores no lugar denominado TIRA-COURO, d´esse distrito de Luminárias é citado por Hypolito de Souza, morador em parte da Fazenda do Campo Formoso, pertencente ao distrito de Luminárias. Diz que o referido Guerino "plantou huma roça na mesma fazenda em parte pertencente ao sr. José Ignácio de Santa Ana de quem hé também vendeiro , acontece que sem sciencia do mesmo. Assinam: José Ignácio de Sant´Anna; Antonio Matheus; Francisco de Paula Baptista; Francisco Antonio de Figueiredo e José Salviano. FAZENDA CHAMUSCA, 15 de fevereiro de 1864.
projeto partilha disse…
Dona MARIA TERESA VILLELA já é conhecida do Projeto Partilha, pois foi a SOGRA de JOSÉ FERNANDES AVELINO, através de seu segundo casamento, com a inventariante de dona Maria Teresa, RITA VICTALINA DE SOUZA. Cf. Centro de Memória do Sul de Minas - CEMEC - Campanha - MG. Local: Carmo da Cachoeira - município de Lavras - MG. Data - 1871.
Dona MARIA TERESA VILLELA foi avó de ANA RITA DE JESUS, segunda filha de JOSÉ INÁCIO DE SOUZA (10 filho de Maria Teresa) e Jesuína Maria de Jesus. O projeto Partilha recebeu interessante documento, que disponibiliza como fonte de estudo e ligações com a família "de TAL" acompanhada bem de perto, e tão citada por nosso colaborador TRICORDIANO. É o seguinte:
"FAZENDA CHAMUSCA, 4 de março de 1841. Assina João Alves de Gouveia". "Diz Jeronymo Ferreira Pinto Vieira, morador nesta freguesia do Carmo da Cachoeira e nomeia Francisco de Paula Cândido para tratar de todos os termos da causa (...) que o outorgante (...) contra ANNA DE TAL (Ana Rita de Jesus), mulher de Francisco Joaquim Alves (03/12/184(ilegível)".

ANA RITA DE JESUS = ANNA DE TAL, neta de Maria Teresa Villela, sobrinha de dona Rita Victalina de Souza e José Fernandes Avelino, subdelegado da Freguesia do Carmo da Cachoeira - MG e doador de parte de terras para o Patrimônio da Matriz.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.