Padre José Procópio Júnior em Carmo da Cachoeira

Imagem
Paróquia Nossa Senhora do Carmo sob nova guiança Editorial Sai Pe. Daniel Menezes, e assume como administrador paroquial da acolhedora cidade de Carmo da Cachoeira, em fevereiro de 2019, o Pe. José  Procópio Júnior.
"Não cabe à pedra escolher o lugar que deve ocupar no edifício. Assim também não cabe à nós criaturas ditar ao Criador o que deve acontecer em nossa vida, pois Deus é quem sabe e dispõe com sabedoria própria." − Dom Servílio Conti, IMC Como página que observa os acontecimentos neste pedaço de chão mineiro, limitado por montanhas e que, segundo o cachoeirense Padre Godinho, “todas são azuis”, registramos o remanejamento ocorrido entre padres ligados a Diocese da Campanha no ano de 2019. Entre as mudanças encontra-se a Paróquia Nossa Senhora do Carmo/Carmo da Cachoeira – MG.

Sai nosso querido Padre Daniel Menezes. Por ele continuamos a rezar e o devolvemos, entre lágrimas e a esperança de um dia tê-lo entre nós. Somos eternamente gratos e devedores. Entra, aureola…

Os costumes e a disciplina do tropeiro.

O barão de Pati do Alferes, grande fazendeiro de café na Província do Rio de Janeiro, escrevia em 1848, acentuando a importância das tropas: Ainda em nossa Província se fazem todos os transportes às costas de bestas, e nelas se conduzem milhões de arrobas de café, açúcar, aguardente, toda a casta de legumes que vão ao nosso mercado, galinha, os toucinhos, carne de porco, os belos queijos que nos vêm das Províncias do interior, os seus algodões em tecidos e em rama, o chá que nos propicia a ver como um gigantesco ensaio, tudo, em uma palavra, vem carregando às costas destes animais, que nos trazem também o ouro de suas minas, os seus diamantes e pedras preciosas. Esta, pois, demonstrado, que sem tropa não se pode ser fazendeiro de serra-acima; custa ela tão pouco a ser montada, e importa em uns poucos contos de réis. Seu custeio traz a despesa diária de meia quarta de milho por besta, de imensa forragem, couros, sola e outros misteres. Cada lote consta de sete bestas, que conduzem regularmente 56 arrobas de peso, e que demanda um tocador, além do arreiador e seu ajudante, que superintendem todos os serviços".
"A disciplina de uma tropa é rigorosa, observa Afonso Arinos; para dirigi-la é necessária uma soma de previsão, de cuidados, uma prática e uma energia de que só podem fazer idéia justa os capitães das expedições. Não só as dificuldades próprias dos caminhos, o mau tempo, as passagens dos rios, as travessias custosas, os atoleiros, os "roladores" das serras, - mais ainda o tratamento diários dos animais, as aguadas, os pastos, os transvios, as ervas venenosas, as moléstias comuns dos cargueiros, os meios de evitá-las ou curá-las - tudo isso constitui preocupação e ocupação constante do tropeiro. E, além de tudo isto, o zelo pela carga, que é um depósito sagrado e não pode sofrer detrimento algum".
Os tropeiros de Minas que iam ao Rio preferiam entregar e receber suas cargas no porto de Estrela, à margem do rio Inhomerim, a tocar diretamente na Capital. Ainda hoje o local onde se desembarcava na Corte, vindo do porto de Estrela, se chama "Cais dos Mineiros", que foi depois o porto de Mauá.

Comentários

Anônimo disse…
QUE COISA MAIS RUIM DE PESQUISAR
Anônimo disse…
QUE COISA RUIM EM RUUUIMMMMMMMMMM

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.