A casa de Custódio Villela Palmeira.

A família cujo tronco remonta o ano de 1753, com André Villela de Cerqueira. Tem na casa de Custódio Villela Palmeira, que ficava na praça do Carmo, onde hoje se encontra o Banco Itaú, um monumento que lembrava o Dr. Custódio, nascido em 1829 e juiz de paz de Carmo da Cachoeira a partir de 1870. Filho de João Villela Fialho (1861) e Mariana Rosa de Moraes, era irmão do também João Villela Fialho, e foi casado com Jacinta Ponciana de Rezende, filha de Alexandre Gomes Branquinho, nascido em 1794 e Ana Emída de Rezende, neta de Joaquim Fernandes Ribeiro de Resende e Jacinta Ponciana Branquinho, da fazenda das Abelhas.


Comentários

Projeto Partilha@ disse…
Errata. Tipo de erro: Conceitual: O Custódio em referência, pelo que temos notícia não era bacharesl em direito. A figura de Juiz de Paz não requeria tal titulação.
leonor rizzi disse…
A casa ficou registrada na memória coletiva como "O SOLAR DOS VILELAS", do qual os descendentes da familia, ainda hoje moradores em Cachoeira, tem o maior orgulho. Exemplo concreto desta postura está no trabalho que o DUDU realizou e postou neste blog "A Fazenda das Abelhas". Aí ele chamou a atenção da propriedade, pincando-a para o artigo.O Projeto Partilha engrandece-se por poder resgatar, registrar através da arte e partilhar esta memória da cidade, como sinal de gratidão aos nossos, aos antepassados.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.