Padre José Procópio Júnior em Carmo da Cachoeira

Imagem
Paróquia Nossa Senhora do Carmo sob nova guiança Editorial Sai Pe. Daniel Menezes, e assume como administrador paroquial da acolhedora cidade de Carmo da Cachoeira, em fevereiro de 2019, o Pe. José  Procópio Júnior.
"Não cabe à pedra escolher o lugar que deve ocupar no edifício. Assim também não cabe à nós criaturas ditar ao Criador o que deve acontecer em nossa vida, pois Deus é quem sabe e dispõe com sabedoria própria." − Dom Servílio Conti, IMC Como página que observa os acontecimentos neste pedaço de chão mineiro, limitado por montanhas e que, segundo o cachoeirense Padre Godinho, “todas são azuis”, registramos o remanejamento ocorrido entre padres ligados a Diocese da Campanha no ano de 2019. Entre as mudanças encontra-se a Paróquia Nossa Senhora do Carmo/Carmo da Cachoeira – MG.

Sai nosso querido Padre Daniel Menezes. Por ele continuamos a rezar e o devolvemos, entre lágrimas e a esperança de um dia tê-lo entre nós. Somos eternamente gratos e devedores. Entra, aureola…

Campanha de adoção de animais.

Comentários

Anônimo disse…
Já pedi replay deste clipe, não sei quantas vezes. Adorei e me tocou. Vou procurar um cão e adota-lo. Em minha cidade há muitos perambulando. Pego um, e faço como a Fê. Minha boa ação de hoje será: busque um companheiro nas ruas da amargura e proteja-o.
Anônimo disse…
Muita gente acha que os animais são brinquedos,
que podem se comprar e se vender,
a se ter nas mãos.

Pensam só em si,
esquecem que não só eles tem, mas os animais também tem sentimentos.

Parece que a natureza vai sendo esvaziada,
porque o homem,
não percebe que também é um animal.

Vamos acabar com a extinção,
protegendo os animais,
do ser humano.
Anônimo disse…
Curiosidades: Você já fez alguma associação entre animais e características humanas? No meu tempo era comum leitura de fábulas e, algumas permanecem até hoje. Conto fábulas a meus bisnetos, visando guardar na memória deles o registro de alguns animais e seus correspondentes. Veja o digo a eles, e agora aos internautas deste blog:
LEÃO - poder real;
RAPOSA - astucia e esperteza;
CORDEIRO - ingenuidade;
LOBO - dominação do mais forte.
Lembro aos educadores o escritor "LA FONTAINE". Suas fábulas mais conhecidas,são: "O lobo eo cordeiro"; "A raposa e o esquilo";"Animais enfermos da peste";"A corte do leão"; "O leão e o rato"; "O pastor e o rei"; "O leão, o lobo e a raposa"; "A cigara e a formiga"; "O leão doente e a raposa"; "A corte e o leão"; "Os funerais da leoa"; "A leiteira e o pote de leite".
Lembro também o escritor brasileiro MONTEIRO LOBATO com suas fábulas: "A cigarra e a formiga"; "A coruja e a águia"; "O lobo e o cordeiro"; "A galinha dos ovos de ouro; "A raposa e a uva".
Anônimo disse…
Caro Assis Brazil.
Foi com a leveza de seu comentário que iniciei este meu domingo ensolarado e outonal de maio. Abri a janela que dá para o mar, e senti sua brisa gelada. Passou pela minha mente a realidade urbana de hoje. Fragmentada, multifacelada, descomprometida. Da linguagem atual nem se fala. Há uma implosão de informações. São modernos, inquestionavelmente. Falam em espaçonaves, guerrilhas, crimes, fenônemos climáticos irreversívies, ciclones, presidentes, aumento da temperatura global do planeta, presidentes, artistas, pernas, braços, dentes, rostos, mãos. Tudo em comunicação rápida. Me pergunto sobre o caminho inverso, que foi percorrido pelos adeptos da boa leitura e da formação como a sua, com um mundo povoado pelas pureza de seus personagens. Lembrei-me das bandinhas e dos coretos, da viola e ... ... ... seretas. Hoje, só fragmentos. Um ótimo domingo a você, a mim e a toda humanidade em seu fragmento globalizado.
Anônimo disse…
O ROUXINOL, de Andersen. "Longe de uma consciência ecológica tal como a conhecemos hoje, o enfoque visava simplesmente confirmar a espontâneidade e autonomia da natureza bruta frente ao mecanismo da razão, cada vez mais impositivo ao pensamento de seu tempo".
Anônimo disse…
Epa, esqueceram do GATO DE BOTAS?

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.