Retrato de minha terra

– Marília de Lourdes Rezende Bittencourt -


Cachoeira de Nossa Senhora do Carmo
Da família Rates
De gente
Que sempre honrou seu nome.

Cachoeira de escritores, poetas,
De políticos, coronéis,
Que contam e cantam a sua história.

Cachoeira dos grandes cafezais,
De apanhadores de café
De mãos calejadas,
Que ao alvor da aurora
Saem cantando
Pra ganhar o pão de cada dia.
Cachoeira de gente confiante, trabalhadora,
Que luta pelo seu progresso,
Para vê-la brilhando
No cenário dos pais.

Cachoeira de jovens esperançosos,
Que confiam e esperam, um dia,
Estudar, lutar, vencer,
Pra no futuro,
Engrandecer o nome de sua terra.

Cachoeira alegre, hospitaleira,
De gente amiga e acolhedora
Que recebe o visitante
De braços abertos.

Cachoeira de todos nós,
Velhos, jovens, crianças,
Que trazem dentro do coração,
A esperança de dias melhores.

É por isso e muito mais
Que eu te amo,
Minha Carmo da Cachoeira!
Pequenina, mas gigante,
Porque o amor de seu povo
É maior que o céu, que o mar,
Que o infinito!

Carmo da Cachoeira,
Minha terra natal,
Como me orgulho de você!

Comentários

Bittencourt disse…
Professora Marília. A senhora é gente que faz. Obrigado.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.