Pular para o conteúdo principal

O Tropeiro de Carmo da Cachoeira.


- Antônio Carlos Reis da Rocha -
André, o tropeiro desta história é filho de Joaquim Fernandes Reis, o Quinzinho e Mariana Reis

Certa feita, em um pouso, com a tropa a descansar
Estava André o velho tropeiro
Junto ao fogo, seu café a passar
Ia para o Rio de Janeiro
Levando produtos de Carmo da Cachoeira
Lá do interior da terra mineira

De repente um tropel de cavalo ouviu
E à sua frente um cavaleiro surgiu
Disse-lhe o homem; tropeiro, bom dia
A ferragem de meu animal pode verificar?
E apeando com elegância e fidalguia
Começou com ele a prosear

Bem à frente de sua comitiva, o cavaleiro solitário
Querendo sua saudade matar
Pede ao tropeiro para em um couro repousar

Após ter repousado
E o café do tropeiro tomado
Senta-se junto ao fogo e sua história foi contando
E após um bom tempo, sua comitiva foi chegando

Com seu jeito matreiro, educado, característica do povo mineiro
Pergunta André ao nobre cavaleiro
Quem é o Senhor que não teme andar por esta serra sozinho
Deixando sua comitiva tão longe em seu caminho?

Pelo vestir e falar não é um mateiro
O que também não condiz com a vida de tropeiro
Mas tens coragem para tamanha peripécia nestes dias.
Responde o homem ao filho do Quinzinho
Falando manso bem baixinho
Nesta vida na guerra lutei
Na linha de frente vários perigos enfrentei
Sou Luiz Alves de Lima e Silva
O Duque de Caxias

Mas de cem anos se passaram
Mas a história, as pedras, a estrada, estas ficaram...
E hoje no caminho de nobres, do Imperador, de inúmeros tropeiros
De André, dois sobrinho netos, ambos engenheiros
Trechos da mesma estrada cruzaram
A pé, de carro, quem diria...
Não conduziam mais tropa, executavam serviços de topografia!

Velho caminho para as Gerais
Fica na serra da Mantiqueira
Onde ainda hoje podemos ver de nossos ancestrais
O trabalho daquela gente altaneira

Meu avô Tozinho, como todo bom mineiro
Histórias contava e entre muitas a do Duque e o Tropeiro
Mal podia imaginar
Que neste mesmo caminho
Mesmo num trecho, uma légua e pouquinho
Um dia eu iria passar

Quando por esta serra trabalhei
E por um pedaço dele passei
Medindo, de carro, nele também pisei
Foi então que esta história me lembrei.

Comentários

Anônimo disse…
oi tunico, prazer imenso vê-lo participando do "nosso blog", me lembro de vc há muitos idos atras, se vc não se lembra de mim, vai lembrar de meus tios, seus quase vizinhos, o tio eliezer e tia cota la da fazenda ressaca.
um abração
rogerio.
Ferreira Araujo. disse…
Parabéns Antonio Carlos.
Anônimo disse…
Olá Tunico. Você é cachoeirense de CORPO E ALMA. Cachoeirense não esquece sua terra, não. Obrigado por participar. Meu avô disse que conheceu sua família e pediu para eu registrar aqui isso.
Resende disse…
Tunico. Bela surpresa essa. Abro o blog, vejo vejo e corri chamar meu avô. Ele fala muito do Tozinho. Contou centenas de vezes a história do Duque e o Tropeiro nas reuniões familiares. Brigadão por não esquecer da gente.
Texeira de Rezende disse…
Velhos tempos. Saudosas recordações. Tunico, fui amigo de seus ancestrais. Senti a maior felicidade ao visitar esta página. Não sei mexer com essa máquina, mas aprendi datilografia nos velhos tempos. Datilografo, mas nem sei como mandar a carta que vai por este correio. Um neto fica do lado e me assessora. Quem de nós não se lembea da história do Duque e o tropeiro? Não há reunião que passe em branco, sem alguém falar dela.
Projeto Partilha@ disse…
Diz Antonio Carlos(TUNICO), em carta enviada ao Projeto Partilha no ano de 2006: "Bacana saber que Carmo da Cachoeira está procurando resgatar sua história, sua memória que hoje em dia nos tem feito muita falta, pois nos é necessário saber quem somos, de onde viemos e o que deixaremos para nossos descententes".
leonor rizzi@ disse…
Antonio Carlos em telefonema me disse: "O que eu puder ajudar no resgate desta história que acredito seja muito pouco, estou a disposição".
Projeto Partilha@ disse…
Antonio Carlos Reis da Rocha. Engenheiro Agrônomo. CREA - 3023 -21R Cadastro Técnico Federal - IBAMA - Consultor Técnico Ambiental. Veja em que recaiu a escolha dos dizeres no rodapé de seu papel/correspondência timbrado: "O Solo é a Pátria. Cultivá-lo é Engrandecê-la. Conservá-lo é Preservá-la para Nossos Descendentes". Eis a que tipo de consciência estamos nos referindo. O melhor de tudo, e pelo qual somos gratos ao Criador: NASCIDO EM CARMO DA CACHOEIRA, MG.
parentes de Cachoeira. disse…
Apareça Tunico, garoto fujão.
os que aqui ficaram. disse…
Uaí, vigiando a gente de longe. Tunico, Tunico. Temos saudades.
Universitário atento disse…
Epa, cliquei em saiba mais e encontrei um verdadeiro tesouro. Parabéns T. S. Bovaris. Escondendo leite, hein?
Xereta disse…
Uaí, fui ver do que o universitário estava falando. Belo trabalho, hein?
Antonio C Reis da Rocha disse…
Quando abri o blog hoje, fiquei emocionado ao ver que uma poesia sobre uma história causou esta repercursão!!!! Ao poder retibuir a terra que na minha infância e adolescência muito me marcou, o faço com muito carinho!Gostaria de informar que os dizeres do rodapé de meu papel timbrado ("o solo é a Pátria; cultivá-lo é engrandecê-la") esta parte está nos dizeres da turma de engº agrônomos do ano de 1932 da escola de Lavras da qual faziam parte: meu pai - Aarão Soares da Rocha e meu tio - Joaquim Fernandes de Vilhena Reis. O restante, "conservá-lo é preservá-la para nossos descendentes", é de minha autoria e aproveitei para uní-los num só dizer!
comunidade cachoeirense disse…
Antonio Carlos. Gratidão por tudo.
Vera Lucia da Rocha Lopes disse…
Sou irmã de Antônio Carlos Reis da Rocha e portanto, também sobrinha neta do Tropeiro de Carmo da Cachoeira. Dedé, como ele era conhecido na família, se orgulharia muito de ler sua história, contada nesses versos, meu irmão. Daqui de Campinas, onde moro, te mando um abraço, Tonico, via Carmo da Cachoeira, nossa querida terra natal. Nascemos na fazenda do Salto, município de Carmo da Cachoeira.
Projeto Partilha@ disse…
Oi, Vera Lúcia.
O Projeto Partilha sente-se honrado com a participção e presença desta ilustre e tradicional família em carmodacachoeira.blogspot.com. Continuem nos acompanhando. TS Bovaris, administrador voluntário do blog, está preparando um video clipe com esta poesia. Ela já se encontra gravada pelo nosso poeta e intérprete em Carmo da Cachoeira, Carlos Caldeira. Aproveitem para ver e ouvir, enquanto não sai o clipe do TROPEIRO DE CARMO DA CACHOEIRA, o que já foi editado: tem o Hino de Carmo da Cachoeira, com letra da prof. Maria Antonietta de Resende e interpretado pela mezzo-soprano, Maisa Nascimento, cachoeirense; tem o do Sesquicentenário, letra de Pe. Godinho e interpretação dos cachoeirenses Jovâne, Jobinho e Tiãozinho; tem uma poesia - Retrato de minha cidade, letra da filha do prof. Wandico, a Marília, com interpretação de uma garota prodígio daqui, a Fernanda(filha do Jobinho); tem a Sexta-Feira Santa deste ano de 2008, com gravação de um voluntário leigo, o prof. Diomar, cachoeirense. Enfim, o Projeto Partilha está mostrando o que a cidade tem de bom e voces são um de nossos valores de hoje. Vão navegando, enquanto aguardam o clipe baseado na poesia doe Antonio Carlos. Carlos Caldeira, intérprete da referida poesia participou e foi um dos classificados na CATEGORIA NACIONAL, no I Prêmio Solar de Literatura 2007 de Conto e Poesia. Foi a primeira edição organizada pelo Instituto Solar. Essa Família- a dos ancestrais do autor da letra TRPEIRO DE CARMO DA CACHOEIRA tem uma história de luta registrada em seus anais. Parabéns por existerem. Graças ao Criador por terem nascido neste singelo rincão, sob a proteção de Nossa Senhora do Carmo.
Anônimo disse…
Oi Tio
Os irmão eu sei ... você e meu pai: João!
Fiquei emocionado ao achar esta história na internet.

Beijos

André Rocha

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…