Mensagem às futuras gerações.



O trabalho de pesquisa, empreendido pela paróquia, e ora aqui registrado, evidência o quanto ainda há para ser resgatado. Chegou-se a tocar alguns pontos e, numa restrita época histórica. Avançamos um pouco, e com grande esforço. Visualizamos, no entanto, longo caminho a ser percorrido na seara dos conhecimentos de nossa realidade e origem. Não importa se ficam lacunas a serem preenchidas. Elas serão complementadas com outras obras e autores. O que importa realmente é que este trabalho possa ajudar outros, depois, ir mais além.
Durante o trabalho de busca lembramo-nos sempre que a história é algo de longa duração: que deve ser vista em seu dinamismo, sem isolar e congelar sociedades, sabendo que não existe fragmentos no tempo, mas sim que todo o processo é repleto de contradições e que o principal é descobrir qual a contradição a ser resolvida a cada passo. Descobrindo-a parte-se para resolvê-la com o coração envolvido com as energias do amor, da gratidão, do perdão. O avanço é na consciência. A Meta: ética nas relações.
A capacidade criadora de que Maurício José Nascimento deixou impressa em seu trabalho selou de forma inconfundível uma síntese. Síntese através da arte. A pesquisa de campo ora apresentada foi realizada pela comunidade da Paróquia Nossa Senhora do Carmo e pelo Gapa Cultural em razão das comemorações do sesquicentenário da paróquia.


Comentários

Figueiredo Belas disse…
Pe. André, parabéns pelo seu trabalho em prol da cultura mineira.
Frazão disse…
Pe. André, além de deixar a mensagem ainda coloca o alerta,de que nada está completamente feito, sempre há algo a ser acrescentado. Obrigado.
Joelma disse…
Linda sua mensagem Pe. André.
Gapa disse…
A cachorrinha que vocês veem na foto é a SUSI, resgatada das ruas. Foi abandonada devido a sequela deixada pela cinomose. Cuide para que seus cães sejam vacinados, evitando assim o sofrimento físico e o maior deles, o do abandono.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.