Tabela Cronológica 12 - Carmo da Cachoeira

1833

ü 1/Jun – abertura de livro de atas das eleições para juiz de paz para o distrito da Boa Vista;

ü 9/Jul – primeira eleição para juiz de paz do distrito de Boa Vista feita na Matriz de Lavras do Funil;

ü Manoel Joaquim Alves é juiz de paz de Campo Belo onde é morador;

ü na ermida de Nossa do Carmo do Maranhão o Padre Joaquim Cleto de Lana batizou Valentina filha do alferes Belchior de Pontes Rego de Figueiredo e Dona Maria Constança Villas Boas, tendo como padrinhos o casal: capitão Baltazar de Pontes Fonseca e Izabel de Jesus;

ü José Francisco Junqueira, uma das vítimas no “Levante da Bella Cruz”, era proprietário das fazendas Atalho e Campo Belo em Três Corações.;

ü Ana Luiza Gonçalves, proprietária de escravos envolvidos no Levante da Bella Cruz defende durante o processo os dois escravos de sua propriedade;

ü o presidente da Câmara de Varginha era Francisco José Teixeira e Souza; e

ü provisão de oratório em nome de Manoel dos Reis Silva.

1834

ü Ato adicional à Constituição, estabelecendo a Regência Una, suspendendo o Poder Moderador e dando autonomia às províncias; e

ü em Pouso Alegre realizou-se a primeira seção de juri, presidida pelo juiz de direito da comarca do Sapucahy, com sede em Campanha, Dr. Tristão Antônio de Alvarenga, que viria a ser o primeiro juiz de Pouso Alegre.

1835

1835-1845 – Guerra dos Farrapos.

ü Instalou-se em Ouro Preto a primeira Assembléia Legislativa de Minas Gerais; e

ü segundo Monsenhor Lefort, assumiu como capelão de Nossa Senhora do Carmo, o padre João Tomás de Sousa.

1836

7/Set – segunda eleição para juiz de paz do distrito de Boa Vista, feita na Matriz de Lavras do Funil.

1837

ü 13/Fev – iniciou-se a construção da Igreja de Santo Antônio, no povoado da Estação do Cervo, sendo benta no ano seguinte; e

ü 31/Dez – foi batizado José, filho do Vicente Ferreira Martins e D. Francisca Romana Villas Boas, moradores na fazenda Boa Vista do Rio Grande.

1839

ü 1/Jan – qualificação dos jurados do distrito da Boa Vista, com a presença do capitão Joaquim Fernando Ribeiro de Resende, do Padre Antônio Dias de Gouvêa e de Antônio Joaquim Alves;

ü 6/Jan – Gabriel Flávio da Costa(Júnior) foi batizado na fazenda Campo Belo, em Lavras;

ü 3/Abr – Lei n° 138: a Capela de Santana do Capivari foi elevada a paróquia; e

ü transferência da sede da comarca de Sapucaí para Pouso Alegre.





Comentários

Benjamin Roquete disse…
Parabéns TS Bovaris. O primeiro de abril nãoéstá sendo comemorado como a fase que lhe origem - a de pós-guerra, em que se valorizavam mitos, lendas e superstição, conforme que li em "comentários". Foi a fase de valorização do imaginário popular em detrimento do conheciemento e do desenvolvimento. Sou professor e lhe sou grato pela ajuda.
Carmem. disse…
É isso aí Bovaris. Falou e fez.

Parabéns a você e ao Pe. André, idealizador do Projeto Partilha.
Belmira de Assis. disse…
Gente, eu não acredito. Esse cara só pode ser professor. Você é professsor TSBovaris? A aula fica pronta. É só ligar o computador, ler o artigo, e ir para sala de aula multiplicar. Parabéns Pe. André, que além do microfone da igreja usa também este moderno meio de comunicação educativo.
Gutierrez disse…
Essa Tábua Cronológica veio inovada. E o cara em comentário em páginas anteriores duvidava que houvesse essa inovação, que coincidiu com o primeiro de abril. Parabéns Pe. André. Parabéns TS Bovaris.
Boris de Mello disse…
É só cliclar em palavras que aparecem em cores diferentes e ter agradáveis surpresas. Pe. André, Pe. André, sua pedagogia está funcionando. Parabéns. E ainda por cima juntou-se ao TS Bovaris. Parabéns.
observador 1 disse…
Gente grande por perto!!! Aí tem cheiro de jogo de força e poder. Carmo da Cachoeira, seu papel na história deve ter sito muito especial e incomadado "alguns", ora bolas.
sala de imprensa disse…
Parabéns a Paróquia de Nossa Senhora do Carmo e a seu Bispo Diocesano Frei Dom Diamantino.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.