Pular para o conteúdo principal

Sobre os Rates em Carmo da Cachoeira.

Segundo Mourão (2007), em seu livro sobre a história de Carmo da Cachoeira, João Marques Padilha, casado com Maria de Barros eram os pais de Maria da Costa Moraes, mulher de Manuel Antônio Rates. É isso que etá escrito nas páginas 75, 76 e 77 de seu livro.
Paciência se, em mais de 20 anos de pesquisa e com nossos limitados recursos, não tenhamos chegado às origens, tanto de um quanto de outro.
Segundo a historiadora, João Marques Padilha e Maria de Barros, contrairam matriônio em 27 de Novembro de 1756 e tiveram os seguintes filhos:
1- Joaquim José Marques Neves, nascido em 24 de fevereiro de 1758;
2- Ana Joaquina do Espírito Santo, batizada em 10 de agosto de 1763;
3- Maria Vitória de Jesus, batizada em 04 de novembro de 1767;
4- Antônio, nascido em 04 de janeiro de 1771;
5- Luís, nascido em 10 de junho de 1772;
6- Manoel, nascido em 9 de outubro de 1775;
7- João Marques Padilha (o filho), casado em 21 de maio de 1787;
8- Maria da Costa Moraes, segundo a historiadora era viúva de João de Araújo Abreu e casada com Manoel Antônio Rates;
9- José da Costa Moraes; e
10- Escolástica Maria de Moraes;
Como a historiadora não cita a data de nascimento dos quatro últimos filhos do casal, concluimos que Maria da Costa Moraes, mulher da Manoel Antônio Rates, teria nascido em alguma data após 1775.
Mas a historiadora faz referência a três filhas de Maria da Costa Moraes, a saber: Cipriana Antônia Rates, Joaquina Maria da Costa e Antônia Maria. Não entrando no mérito da relação de filhos do casal, já que em nossas pesquisas chegamos a oito irmãos, chamamos a atenção para o registro de batizado que a historiadora apresenta, do filho de uma das filhas de Maria da Costa Moraes. É um registro conhecido de todos, desde os tempos do saudoso professor Wanderley Ferreira de Resende: “Manoel, inocente, batizado na ermida de Sâo Bento pelo Padre Manoel Afonso, com licença do Padre Bento Ferreira, em 20 de junho de 1771.”
Olhem só: a avó Maria da Costa Moraes, nascida depois de 1775, estava batizando um neto, filho de sua filha, em 1771. É possível? Vamos melhorar as coisas para a historiadora: imaginemos que Maria da Costa Morais era a primogênita do casal e, nesse caso, teria nascido logo após o casamento de seus pais, isto é, em 1.757. No caso ela teria 14 anos no batizado de seu neto. Pelo menos é mais viável, não? Fica a pergunta: será que Maria da Costa Moraes era mesmo filha de João Marques Padilha com Maria de Barros?

(*) Todas as informaçãoes utilizadas nesse texto foram extraídas das páginas 75, 76 e 77 do livro: A PARAGEM DO RIBEIRÃO DA BOA VISTA E O SÍTIO DA CACHOEIRA NO PALMITAL DO CERVO DO CAMINHO VELHO DA ESTRADA REAL NAS ORIGENS DE CARMO DA CACHOEIRA, de autoria de Maria da Graça Menezes, 2007 – patrocinado pela Prefeitura de Carmo da Cachoeira, Admibistração 2005 – 2008)

Comentários

leonor disse…
Jorge Vilela.Gratidão pela sua participação e envolvimento naquilo que diz respeito a sua terra - a terra que nos acolhe amorosamente. Neste século XXI - o da globalização e transparência. a polêmica é entendida como sendo a geradora de crescimento, portanto, quem detém conhecimento sobre algum assunto deve ter a coragem de expor o que sabe. Foi o que você fez. O espaço está aberto para resposta e apresentação de documentos. Gratidão a todos que amam Cachoeira, querem conhecer sua história e cooperam para que ela venha a luz.
Juarez disse…
Parabéns Jorge Vilela. Percebeu tem mais é que falar. É a rica oportunidade para reparos.
Fidelis disse…
Jorge Vilela. Aqui de Belo Horizonte tenho acompanhado sua pesquisa. Parabéns pelo refinamento de suas observações. É no detalhe que se percebe o bom trabalho.
Andrade disse…
Se você não chama a atenção ia passar batido. Parabéns por perceber e a coragem em apontar um ponto o ponto a ser repensado historicamente.
Elias disse…
História é assim. Enxegou, mostrou, corrigiu. Parabéns Jorge Vilela, construtor e defensor da história de Cachoeira.
Tâmara disse…
Nunca a gente ia perceber isso. Sabe de uma coisa Jorge, se você não diz, um dia ia ser cobrado pela omissão. Parabéns.
Yasmim disse…
Parabéns a gente mineira. Foi de Minas que saiu a grandes riquezas materiais e humanas, no entanto, ficou aí para garantir a história grandes cabeças. Você é uma delas, Jorge.
Unilavras disse…
Este blog parece que arregimenta um grande numero de universitários. É aí que estão os questionadores, geradores de uma história em contínua construção.
Parabéns TS Bovaris pelo espaço cultural aberto a todos.
Eliane disse…
Jorge. Como você foi fundo em sua história. Parabéns. E a questão do nosso quilombo? Você vai nos mostrar?
Ribeiro disse…
Como é complicado mexer com as origens. Ainda bem que tem gente capaz e apta para desvendar este assunto. Talvez, por esta dificuldade é que até hoje o assunto ficou sem ser tocado. Parabéns Jorge. Se você não mostra, a gente ia considerar o dado correto.
Tricordiano disse…
Ei, Jorge. As horas, que você tirou de seu lazer, de seu descanso reverteu numa boa causa. Como a gente ia saber de uma coisa dessas? Pequenina e de grande importância histórica. A questão de datas é muito séria mesmo.Estou tentando desenvolver minha monografia. Foi uma grande lição.
Capixaba disse…
Tenho acompanhado diariamente este blog. Ele eleva, dá ânimo, mostra as oportunidades de crescimento nas diversidades. Parabéns a TSBovaris e ao pesquisador Jorge Vilela.
universitário disse…
Tem uma pesquisadora em Cachoeira que está procurando pelo Manoel Antonio Rates. Agora vejo que outro pesquisador está procurando saber mais sobre as origens da mulher de Manoel Antonio Rates. Aqui no Vale do Sapucaí, quem sabe alguém desta universidade topa dar uma ajudazinha. Não é minha área, mas tem muito estudante arrojado.
Uni II disse…
Realmente. Acho que é assunto para tese de doutorado.
João disse…
Ave, acho que tenho que ficar menos nos jogos e começar a me dedicar mais aos estudos. Tem gente de garra por perto. Não é só alegria. Bem que meu avô fala, um dia você tem que aprender a ser gente. RRRRRRSSSSSSSSS..
Serginho disse…
Não brinquem com Cachoeira. Tinha o Wandico e agora tem o Joge Vilela. Li neste blog que o prof. Wanderley´foi o guardião da história. Agora tem o Jorge Vilela. Tô com você e não abro.
Maria Ester disse…
Olá Jorge. Parabéns pelo belo trabalho que você vem desenvolvendo. Aguardo sua publicção.
a turminha disse…
Sabe Jorge. Tinha um grupo de amiguinhs estudando lá em casa quando o Juquinha chegou com o Atlas na mão dizendo. Olhe, foi o Jorge que está no blog que desenhou a bandeira da cidade. Outro falou, não foi a bandeira foi o brasão. Deu muito assunto. Fique sempre perto de nós que a gente agradece.
Leonor disse…
Oi, turminha. O objetivo maior deste blog e de seus participantes é chegar onde a criança está, e cooperar em sua formação. De maneira despretenciosa e informal desenvolver o espírito cívico, de amor ao pedaço de chão em que se nasceu ou onde se vive. O heraldista Dr. Jorge Fernando Vilela criou o Brasão. Aí estão representados: o grão de café; a produção leiteira e os VALORES IMPERECÍVEIS: CULTURA E LIBERDADE DE UM POVO. Quer mais, pessoal?
Amélia disse…
Nunca ouvi falar dessas coisas. Já estou na 4.
Luís disse…
oi, Leonor. Você se esqueceu dos ramos do café.
Goulart disse…
Jorge. E você escondendo leite. Não conta nada aqui em BH, Hein? Autor do Brasão de sua terra natal.
Parabéns. Aproveito para parabenizar a Igreja local e ao TS Bovaris.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…